Arquivos da categoria: poesia

Patativa do Assaré

aos patativas e assarés
que se pintam em forma de cordéis
intensos, imprecisos
hipertensos, doidivanas
cedo o que há de mais raro

quero-te nas rimas profanas
em meus urais
já não há medidas
para o desmítico
para o encantamento maior
do bem querer

e meu colo sedento
procurou-te nos olhos
de teu criador
e só encontrou o desprezo
de um gozo preso

que não quer se soltar

mas ainda assim
gritava
berrava em vão
meu nome
pagão!
pagão!

Brazilian Frame … Moldura Brasileira …


Um índio ou caboclo um brasileiro – americano um franco –
português um montão de amigo baiano, japonês,
nissei,chinês (any citizen)norueguês,
italiano,(além do holandês)
Brazilians glacês:
O carioca
O sulista
O paulistano
O mato-grossense
O cearense
O sotaque pernambucano
Consumo do produto Paraguayano ,
Koreano, Taiwaino …
Alegorias desmedidas de um planalto
Republicano
Mix total Brasil
Paradoxo do Paraíso
Pós-POP natural
de uma jungle industrial.
Livro Íris Digital
Poema de Paula Valéria
(23 de outubro de 2000)