Arquivos mensais: novembro 2015

A estética humanitária do Coletivo Camaradas

IMG_7534

Toda escolha é estética? Escolher a roupa, a comida, a imagem, a música e até mesmo os círculos de amizade denota uma preferência historicamente construída. Na vida fazemos escolhas de forma e conteúdo constantemente.  Forma e conteúdo são elementos que encontramos nas nossas relações estéticas e que carregam uma carga ideológica que preenche o simbólico.  

Seria impossível pensar a vida dissociada da estética na sua acepção epistemológica que diz respeito a percepção dos sentidos. As estéticas enquanto elementos ligadas as sensações e percepções dentro do seus contextos sócio históricos e individuais existem e ultrapassam os conceitos de belo e de arte.    

Como pensar uma produção estética fora dos padrões normativos baseados em técnicas, conceito de belo e hegemonia cultural da classe dominante ou da guetização do circuito oficial das artes? Se compreendemos que à estética é algo que se caracteriza pela não unicidade, apesar da predominância de alinhamento aos padrões estéticos da sociedade de acumulação do capital, podemos discorrer sobre a estética também como uma opção política em que os elementos da forma e conteúdo se pautem por elementos que conjuguem novas formas de refletir o simbólico no contexto de compromissos emancipatórios.

O Coletivo Camaradas no seu pensar e fazer estético e artístico tem procurado desenvolver processos criativos que proporcionem fruições caracterizadas por relações de identidade, pertencimento, co-autoria, replicação, “despatenteamento”, inclusão, expressividade e empoderamento social, ocasionado uma produção estética e artística com e para as camadas populares.  

Notadamente, não existe uma preocupação primária com o domínio da técnica ou com a formação de artistas, mas com o compromisso de refletir sobre uma arte coletiva, colaborativa e humanizadora que instigue a criatividade e um posicionamento critico diante da realidade e por conseguinte contribua com a democratização do saber e do fazer proporcionado a ampliação da visão social de mundo.  

Mesmo não existindo uma preocupação com o domínio da técnica e a considerando importante dentro do processo da produção simbólica, existe uma preocupação e uma escolha estética que aponta o humanismo como constituição de uma linha de pensamento que coloca a existência humana como principal obra de arte, a vida.  

Texto:Alexandre Lucas*

*Pedagogo, artista/educador e coordenador do Coletivo Camaradas

Crianças participarão de performance no Gesso

cartaz-da-performance

Nesta sexta-feira, dia 20, o Coletivo Camaradas  realizará  performance na Comunidade do Gesso, a partir das 14h00. O trabalho será realizado junto com as crianças da Comunidade que irão pintar todo o corpo do performer e artista/educador Alexandre Lucas.

A performance “Quando as crianças me pintam…” do Coletivo Camaradas faz parte dos trabalhos provocativos e de integração com o povo. Conforme, os Camaradas esse trabalho performático está dentro de uma perspectiva estética de criar relações de identidade, pertencimento e empoderamento social a partir do envolvimento das pessoas que poderá participar de diversas formas, como pintando, fotografando, filmando e escrevendo.

O Coletivo Camaradas desenvolve um trabalho de vivenciar e experimentar processos criativos e artísticos junto as crianças da  comunidade do Gesso. A intenção do Coletivo é ultrapassar as barreiras do circuito fechado das artes e estender para as camadas populares.

Coletivos do Cariri se articulam para participar do Emergências no RJ

IMG_4804

O Rio de Janeiro será palco no período de 7 a 13 de dezembro, do Encontro global de cultura, ativismo e política, o “Emergências”. Os Coletivos da região do Cariri se reuniram na última segunda-feira, dia 09, para traçar estratégias para participar deste evento que reunirá na capital carioca pensadores, ativistas, artistas, produtores culturais, gestores e agentes políticos de todo o mundo.

A reunião no Cariri aconteceu na sede do Coletivo Camaradas, na Comunidade do Gesso, no Crato e contou com a  participação de representantes da rede ColetivoS, rede Crato tem Dança,  Coletivo Pés de Valsa, Coletivo Ensaio Aberto, Irmandade Rap, Realidade do Gueto, Nuverse, Foobá, Pretas Simoas e Coletivo Camaradas.

Os coletivos do Cariri estão em contato com outras rede nacionais e uma comissão deverá procurar a Universidade Federal do Cariri – UFCA, Universidade Regional do Cariri – URCA e os Institutos Federais para tentar viabilizar o transporte da caravana do região.

O Emergências é uma iniciativa do Ministério da Cultura (MinC) e da Universidade Federal Fluminense (UFF) que se utiliza uma plataforma de organização articulada pelos movimentos sociais da cultura.

O que será debatido no Emergências:  

#As Aventuras Políticas do Século XXI

#Cultura e Cidade: Espaço Público, Arte  e Ativismo

#Culturas Indígenas

#Mídia de Massas e  #Massas de Mídias

#Internet como Espaço Público

#Fissuras No Capital

#Estéticas Emergentes

#A Chapa Quente do Aquecimento Global

#Políticas De Drogas Sem Hipocrisia

#Violência Contra Jovens Negros

#Direito Autoral Digital

#Pib X #Fib – Políticas do Bem Viver

#Educação e Inovação

#Fronteiras do Século XXI e a Crise Migratória

#Religião e Diversidade

#Feminismos

#Arte e Diversidade

#Cultura LGBT : Articulando Redes Globais Contra A Homofobia

 

Serviço:

Site do Emergências  – http://emergencias.cultura.gov.br/

Cia Ortaet realiza Poste Poesia em Iguatu

12195909_785201584917648_9079946007337660911_n
Carlê Rodrigues – Cia Ortaet

A ideia de colar poesia nos postes é uma alternativa de democratizar e incentivar à leitura. O Coletivo Camaradas vem realizando esse trabalho há alguns meses na cidade do Crato, especificamente na Comunidade do Gesso. Além de colar os poemas nos postes, a intervenção contempla ainda o registro fotográfico e a disponibilização dos trabalhos em página de rede social.

No Iguatu, a Cia Ortaet irá realizar a intervenção no dia 28 deste mês num trabalho em parceria com o Coletivo Camaradas. Para Carlê Rodrigues da Ortaet, a proposta inicial era de divulgar os poetas da região que timidamente escrevem e não divulgam sua arte. Ela destaca que surgiram outras questões: como despertar o interesse da população pela poesia e de que maneira esses trabalhos chegarão até a população?. Carlê acredita que a intervenção também irá despertar a curiosidade das pessoas em conhecer os artistas de sua Cidade. “Uma intervenção pública, sutil, que irá promover o encontro da sociedade com a magia da poesia” exalta a artista.

Em relação a parceria com o Coletivo Camaradas, Carlê destaca que a Cia Ortaet sempre busca estreitar os laços entre os artistas da região afim de que de fortalecer a militância pela cultura e cita que esses intercâmbios possibilita compartilhar novas experiências e  vivências que enriquecem a produção cultural.

A Intervenção é livre e pode ser realizada em qualquer parte do país. Os interessados em conhecer mais sobre o Poste Poesia desenvolvido pelo Coletivo  Camaradas deverá entrar em contato pelo email: contato@camaradas.org

Serviço:

Poste Poesia ( Página no Facebook):

https://www.facebook.com/Poste-Poesia-1405485296444993/?fref=ts

Coletivo Camaradas reunirá organizações para criação do Território Criativo no Crato

cartaz-território-criativo-do-gesso

 

Encontro do Território Criativo do Gesso deverá reunir representantes de escolas, universidades, ongs, coletivos, secretários municipais e ativistas sociais nesta terça-feira, no Colégio Municipal Pedro Felício, a partir das 14h.  O Território Criativo tem como objetivo ser um uma rede para potencializar as ações e demandas já desenvolvidas pelas organizações, bem como espaço de diálogo e articulação entre instituições e comunidade e lugar de vivência e experimentação de metodologias e tecnologias sociais.

A ideia do Território Criativo surgiu a partir das ações  desenvolvidas na Comunidade do Gesso pelo Coletivo Camaradas  que agrega outras organizações num processo colaborativo continuo.

De acordo com os Camaradas, existem cerca de 20 organizações que atuam no entorno da Comunidade. Entretanto com ações desintegradas.  A intenção é possibilitar essa aproximação entre as instituições e as pessoas da comunidade  visando atender as demandas comunitárias e das organizações.

Para os Camaradas a criação do território contribuirá para combater a vulnerabilidade e o estigma social, viabilizar o processo de empoderamento social comunitário e criar alternativas de  formação e geração de renda.

Dentro do Projeto existe uma proposta de criação de cartografia social visando compreender o grau de  formação e os aspectos econômicos que caracterizam a comunidade.