Arquivos mensais: março 2015

Crato é protagonista de Mostra Nacional sobre Intervenções e Performances

DSCF0024

Trabalho colaborativo entre coletivos de artes do Brasil realizará no período de 08 a 11 de abril a terceira edição da Mostra Nacional de Vídeos Intervenções e Performances Mostra IP. A Mostra esse ano será realizada em 29 cidades de 14 estados brasileiros.

A Mostra IP nasceu em 2012, na cidade do Crato-CE, a  partir da iniciativa do Coletivo Camaradas. As edições anteriores foram realizadas em cidades circunvizinhas.

A proposta da Mostra é possibilitar que  os artistas e os coletivos  criem redes, intercâmbios e parcerias para novos trabalhos.  Em cada cidade,  os coletivos que irão sediar o evento estão articulando com professores, alunos, pesquisadores , artistas e outros grupos.  Umas características da Mostra da IP é ser realizada em Escolas de Ensino Médio, universidades e Praças como forma de atingir o grande público que não está dentro do circuito oficial das artes.

Articulação entre coletivos possibilita Mostra IP    

11003412_430958277057805_537751983_o (1)

Para o idealizador da Mostra, o artista/educador Alexandre Lucas,  a ação favorece a democratização do acesso a linguagem da arte contemporânea. Ele destaca que a colaboração entre os coletivos foi fundamental para potencializar o evento em 14 estados brasileiros. Lucas frisa, que a Mostra foi realizada apenas com capital social dos grupos de artistas.

A Mostra IP deve reunir aproximadamente cerca de 100 coletivos, entre os grupos que irão exibir vídeos, sediarem o evento e  parceiros de cada cidade.

A Mostra  é uma realização do Coletivo Camaradas e tem a co-realização do Laboratório de Estudos, Vivências e Experimentos em Arte Contemporânea – LEVE Arte Contemporânea, Programa de Interferência Ambiental – PIA e o Centro Universitário de Cultura e Arte da União Nacional dos Estudantes – CUCA da UNE.

As inscrições para o envio de vídeo estão abertas até o dia 20 deste mês. O formulário de inscrição está no blogwww.mostraip.blogspot.com.br

Conheça as cidades, estados e os realizadores em cada lugar do país:

 

  1. Amanzonas

Manaus – Amacine – Futuros Cineastas

  1. Ceará

Iguatu  –  Cia Ortaet

Fortaleza – Coletivo Descabelo

Juazeiro do Norte – Cine Arte Clube

Barbalha – Movimento ZooM

Farias Brito – Associação Cultural Curumins do Sertão

Crato – Coletivo Camaradas

  1. Bahia

Jequié  – Coletivo Nós

Lençóis  Chapada Diamantina –Thyrinê

Salvador – Inquietação e Movimento

Porto Seguro – Bahia –  Dábia- Sosígenes

  1. São Paulo

São Carlos -Festival CONTATO

São Paulo – Sensório Cena

Santo André – CineClube Itinerante Cidadãos Artistas

  1. Minas Gerais

Governador Valadares –  Instituto Psia

Uberlândia – Minas Gerais CUCA da UFU

  1. Pernambuco

Recife   – CUCA  da UNE PE

Recife   -Grupo Totem

Nazaré Da Mata – CUCA UPE

  1. Rondônia

Candeias do Jamari – Clubinho Social

Porto Velho – – Clubinho Social

  1. Mato Grosso do Sul

Dourados  – Coletivo EspAção

Campo Grande – Cia de Artes Rob Drown

  1. Rio Grande do Norte

Mossoró – CUIA – Centro Urbano de Intervenções Artísticas

  1. Alagoas

Maceió – SeR(ão) Performático

  1. Mato Grosso

Cuiabá -Ateliê360

  1. Rio de Janeiro

Niterói  – CUCA da UFF

  1. Amapá

Macapá – Psicodélico

  1. Rio Grande do Sul

Bento Gonçalves -(DEs)Esperar

 

Serviço:

Mostra IP

www.mostraip.blogspot.com.br

(88)96616516

Comunidade do Gesso tem Brinquedoteca

IMG_0413

Desde o ano passado, o Coletivo Camaradas desenvolve na Comunidade do Gesso atividades voltadas para as crianças.  Uma delas é a criação de uma brinquedoteca , que funciona  todas as sextas-feiras, a partir das 15h00. A intenção da Brinquedoteca é   proporcionar um espaço de brincadeira  e educação popular.

Para a coordenadora, Livia Maria, a brinquedoteca  uma diversidade de exercícios que promovem a aprendizagem e contribuem no processo de desenvolvimento das habilidades sociais e psicomotoras. Ela destaca que o trabalho é desenvolvido a partir de estudos  e planejamentos com a equipe.

Atualmente a brinquedoteca atende cerca de 15 alunos. Outras atividades são desenvolvidas com as crianças como é o caso dos Pontos de Leitura nas Bodegas, Cine-Gesso com a exibição de filmes nacionais voltados para o público infantil e as atividades lúdicas realizadas durante as trocarias que envolve brincadeiras, pinturas e contação de história.

Pra as crianças participarem é necessário se cadastrarem.  A sede do Coletivo Camaradas fica na rua Ministro João Gonçalves, 29 na Comunidade do Gesso – Crato-CE.

1620774_1512978232286622_4495494003463200357_n

Projeto do curso de Direito da URCA firma parceria com Coletivo Camaradas

934875_1570194659898312_9160598572924784599_n

 

Os projetos de Extensão do curso de Direito da Universidade Regional do Cariri – URCA: “ Direito ao alcance de todos” e “Assessoria jurídica gratuita nas comunidades do Crato” firmou parceria com o Coletivo Camaradas para desenvolver ações na Comunidade do Gesso.

A intenção da parceria é orientar a comunidade sobre violação de direitos e benefícios sociais, como abuso de poder policial, pensão alimentícia, aposentadoria, bem como orientação sobre os tipos de atendimento dos órgãos judiciais.

A coordenadora dos projetos a  professora  Edneusa Pamplona diz que a iniciativa  surgiu para que os alunos do Núcleo de Práticas Jurídicas da URCA, utilizassem os conhecimentos adquiridos na universidade em benefício da comunidade, promovendo assistência jurídica aos socialmente vulneráveis do Município do Crato. Ela que o objetivo é a formação cidadã para todos os envolvidos, despertando o comprometimento com a sociedade, através da articulação concreta entre ensino, pesquisa e extensão.

A bolsista do projeto Jessica Maria enfatiza que a  vivência na comunidade do Gesso está  permitindo enxergar que os conhecimentos adquiridos na Universidade devem ser utilizados em benefício da população.  Jéssica observa que é necessário que a comunidade sinta-se o principal ator desse processo, estando aberta a participar ativamente dessa troca.

Rede ColetivoS tem reunião com Secretária do Ministério da Cultura no Cariri

A reunião aconteceu na Escola Profissionalizante Violeta Arraes  na cidade do Crato e reuniu gestores culturais, militantes da cultura, artistas e brincantes.

IMG_0342IMG_0344    

Durante a visita do Ministro da Cultura Juca Ferreira  na região do Cariri, nesta  segunda-feira, dia 09, integrantes da rede ColetivoS, a qual  reúne uma série grupos de várias linguagens artísticas  tiveram uma conversa com a Secretária de Cidadania e Diversidade Cultural Ivana Bentes.  A secretária falou da retomada do Programa Cultura Viva como prioridade da sua gestão  e colocou a sua preocupação em relação a situação dos mais 100 Pontos de Cultura no Ceará que enfrentam problemas.  Ivana pontuou a   necessidade de mapear os coletivos do Cariri e solicitou que a rede encaminhasse para o Ministério uma relação dos coletivos da região. A reunião contou ainda com integrantes do Centro Universitário de Cultura  e Arte da União Nacional dos Estudantes – CUCA da UNE.

Para o coordenador do Coletivo Camaradas, Alexandre Lucas, a reunião foi positiva e poderá repercutir em novas  interações estéticas e artísticas. Ele destaca que esse diálogo aberto da Secretária com os movimentos sociais contribuem para estabelecer politicas públicas e relações institucionais democráticas.

O Ministro da Cultura Juca Ferreira, destacou a importância do Cariri,  como uma região de densidade e diversidade cultural. O Ministro disse que esse foi um dos motivos pela escolha   do Cariri para sediar o encontro que reuniu gestores públicos, artistas, brincantes  e militantes da cultura.

Politicas de Editais no Ceará      

IMG_0346

A rede Coletivos também se reuniu com  o secretário adjunto  de Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piuba, para reivindicar mudanças na política de editais da SECULT CE. A rede no início da Gestão do Govenador Camilo Santana encaminhou documento com uma série de proposições, dentre elas a mudança na politicas de edital que atualmente privilegia aspectos jurídicos como critério primário de eliminação de projetos. Os integrantes da rede reivindicam que essa logica seja invertida e desburocratizada.

A SECULT já publicou dois editais esse ano, mantendo a mesma política das ultimas gestões.

Para o secretário adjunto, essa é uma proposta que merece ser amadurecida e solicitou que a rede apresentasse uma proposta de política pública de editais que facilite  a democratização dos recursos públicos para a cultura no Estado do Ceará.

Fabiano dos Santos, aproveitou para convidar os integrantes da rede para participar de encontro dos Pontos de Cultura que será realizado ainda esse mês. A rede também propôs que a SECULT realizasse encontro exclusivamente com os movimentos sociais de cultura.

A rede Coletivos

Manifesto da Rede

O Cariri congrega uma diversidade e pluralidade de coletivos. Atuamos no campo do ativismo social, da arte, da cultura, da educação e do esporte, redesenhamos novas paisagens de saberes e fazeres.

Somos um Estopim de cores, sons, expressões, suores e pensamentos. Explodimos em cada canto do Cariri, dialogamos, divergimos, resistimos, produzimos e circulamos pela nossa aldeia e pelo Brasil.

Somos sempre mais pedagógicos, explosivos e politicamente mais fortes quando atuamos em conjunto, quando deixamos de ser individuais e passamos a ser coletivos.

A rede ColetivoS agrega, compartilha, dialoga, aprende coletivamente com os mais diversos atores sociais que tecem cada coletivo da região.

A rede não é uma organização de representação dos coletivos da região do Cariri, nem pretende ser. É um espaço de comunhão, pluralidade, colaboração e potencialização das ações de cada coletivo.

Cada coletivo é uno, somos diversos e podemos ser ColetivoS!

AUMENTAR A REDE

Na rede ColetivoS é importante que cada Coletivo possa contribuir para a organização de outros coletivos.

Ampliar a rede significa fortalecer os processos de produção, circulação, organização política, acessibilidade e possibilita o surgimento, a escuta e a ampliação de novas vozes.

OBJETIVOS

  1. Potencializar de forma colaborativa e midiática as ações dos coletivos;
  2. Defender políticas públicas para cultura;
  3. Possibilitar o diálogo e a parcerias entre os coletivos;
  4. Criar novos coletivos.