Arquivos mensais: março 2014

cartaz-da-trocaria-no-gesso-mar-C3-A7o

Trocaria no Gesso visa contribuir com a organização politica da Comunidade

Neste domingo, dia 30/03, às 15h00, no Campinho do Gesso, acontece mais uma edição da Trocaria.
Organização, arte, literatura  e qualidade de vida são questões levantadas na Trocaria que vem sendo realizada desde agosto do ano passado na Comunidade do Gesso ( Crato-CE), A ação é  realizada pelo Coletivo Camaradas e conta com  a parceria do Projeto Nova Vida, União da Juventude Socialista, Coletivo Pilantropia Alternativa, Coletivo Foto Crato, Programa de Interferência Ambiental, Laboratório Paideia da Universidade Federal do Cariri – UFCA, Academia dos Cordelistas do Crato, Laboratório de Estudos, Vivências e Experimentações em Arte Contemporânea, Grupo de Performances Circenses e das secretarias municipais de Serviços Públicos, Educação, Saúde, Esporte, Trabalho e Desenvolvimento Social e a Coordenadoria de Políticas Públicas para Juventude, além dos moradores da Comunidade.

Continue lendo Trocaria no Gesso visa contribuir com a organização politica da Comunidade

DSCF6147

Coletivo Camaradas realiza de forma colaborativa Grito Rock Crato

Nos 21 e 22 de março, o Crato foi Palco da segunda edição do Grito Rock realizado na região do Cariri. O evento está conectado a 400 cidades de 40 países, A Mostra  Grito Rock se consolida como uma rede global em 2014. Além da América Latina, mais países da Europa, Oceania, África integram-se ao evento. O Grito  surgiu há cerca de 10 anos pelo Coletivo Fora do Eixo.

Continue lendo Coletivo Camaradas realiza de forma colaborativa Grito Rock Crato

Na cultura a nossa resolução é lutar

Por Alexandre Lucas*

Passada as sucessivas conferencias municipais e estaduais da cultura, os avanços  ainda são tímidos. As resoluções, na maioria foram empacotadas nos arquivos mortos das burocracias institucionais, tendo em vista, que os encaminhamentos políticos da população foram esquecidos ou pela sua força política foram enterrados.  

As conferencias são os fóruns legítimos de escutas, disputas, proposições, diretrizes e encaminhamentos políticos no campo das políticas públicas para cultura. Portanto, as suas resoluções devem ou deveriam ser encampadas como instrumentos indispensáveis e norteadores para as ações institucionais.

Desconsiderar essa questão é desconsiderar todo o esforço da sociedade civil, bem como é descuidar das dores,  das dificuldades e das demandas sociais, econômicas e políticas do setor.    

Por lado, nem tudo está perdido, foi a partir das conferências também que ganharam forças as discursões que estão na pauta dos movimentos sociais e do congresso nacional que visam apontar outro rumo para o desenvolvimento do país, tendo como vetor a cultura. Podemos citar a PEC 150 que garante a veiculação de 2% do Orçamento da União para cultura e 1,5% para os estados e 1% para os municípios como garantias de investimentos mínimos; A PEC 416 que cria o Sistema Nacional de Cultura com as definições de obrigações dos governos estaduais e municipais e que  prevê que a implantação de sistemas estaduais e municipais de cultura que contemple obrigatoriamente a criação de Fundo , Conselho e Planos de Cultura; a PL 672/10 que institui o Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura; bem como a continuidade e o fortalecimento do Programa Cultura Viva e dos Pontos de Cultura como política de Estado.

Alinhado a isso a temos que avançar na politica de editais que tenha como norte o entendimento da desburocratização como fator de democratização dos recursos públicos para cultura, considerando a pluralidade de pensares e fazeres culturais e artísticos. É preciso avançar e extinguir, por exemplo, a lógica jurista, excludente e burocrática da politica de editais da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará que desrespeita frontalmente todas as resoluções sobre as políticas de editais apontadas nas três edições das Conferências Estaduais de Cultura que sinalizam pela facilitação de acesso dos recursos e analise de proposições de projetos. É preciso também estabelecer as politicas municipais de editais, o que requer como ponto de partida a implantações dos sistemas municipais, como garantia de recursos.

É preciso desterrar as bandeiras de lutas das políticas públicas para cultura referendadas nas conferências que insistem em trata-las como mecanismos de uma praxe jurídica estática, elitista, burocrática e fantasiosa.

Temos que abraçar para cotidiano das nossas lutas a efetivação das resoluções das conferências de cultura e isso só possível com diálogos ( quando for possível) e com rupturas.

A intensa mobilização e articulação dos diversos movimentos sociais da cultura é o que nos espera! Por isso a nossa resolução é lutar!  

*Pedagogo, artista/educador e coordenador do Coletivo Camaradas