Arquivos mensais: junho 2012

URCA lança edital para inscrições de propostas artísticas do III Palco Sonoro da URCA/BNB, na ExpoCrato 2012

A Reitora da Universidade Regional do Cariri (URCA), Professor Otonite Cortez, nomeou Comissão do Stand da Instituição, na ExpoCrato 2012. A URCA torna público edital para inscrições de propostas para seleção de espetáculos artísticos, visando a montagem da Programação do III Palco Sonoro da URCA/BNB, que se realizará das 18 horas às 22 horas, no período de 10 a 14 de julho de 2012. O Espaço, desde que foi criado, passou a ser um dos locais mais atrativos do parque durante a festa, aos que buscam apresentações alternativas e de qualidade artística, com ênfase aos artistas da região.  A coordenação geral da comissão estará a cargo de Marlene Menezes de Sousa, e como coordenador de Palco Interativo, o Professor do Departamento de História da URCA, Carlos Rafael Dias.
Veja abaixo edital na íntegra para seleção dos espetáculos artísticos:
EDITAL DE SELEÇÃO DE ESPETÁCULOS ARTÍSTICOS PARA O III PALCO SONORO URCA/BNB
A Comissão do Stand da Universidade Regional do Cariri – URCA, através da Coordenadora Geral, MARLENE MENEZES DE SOUSA e o Coordenador de Palco Interativo, CARLOS RAFAEL DIAS, nomeados pela portaria nº 269/GR, torna público o presente Edital que se destina à inscrição de propostas para seleção de espetáculos artísticos visando a montagem de programação do III PALCO SONORA URCA/BNB, que se realizará entre as 18 e 22 horas do período de 10 a 14 de julho de 2012, no Stand da Universidade Regional do Cariri – URCA, durante a realização da Expocrato 2012, em Crato, Ceará.
As normas, critérios e requisitos necessários à participação no Edital são os seguintes:
1. As propostas de espetáculos deverão se coadunar com a temática central do Palco Sonoro URCA/BNB: As múltiplas formas de interpretar a música de Luiz Gonzaga (Tributo ao Centenário de Nascimento do Rei do Baião).
2. As propostas de espetáculos deverão se inscrever no link do III Palco Sonoro URCA/BNB, localizado no site www.urca.br, ou pessoalmente na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Universitário – PRODUN da URCA, localizada na rua Cel. Antonio Luiz, 1161, Pimenta, Crato, Ceará, no de 28/06 a 3/07 de 2012. As inscrições na PRODUN-URCA deverão ser efetivadas no horário das 8 às 12 horas e de 14 as 17 horas. O resultado da seleção será divulgado no dia 6 de julho de 2012, através do site da URCA e por outros meios disponíveis.
3. As propostas deverão conter material de áudio e/ou vídeo com uma amostra do espetáculo, além de uma fotografia e de um release e/ou currículo do evento. Este material deverá ser enviado para o e-mail [email protected] ou entregue diretamente no endereço especificado no item 2. Os inscritos que enviarem o material por e-mail deverão assegurar-se do seu efetivo envio. Para tanto, devem checar o recebimento de um e-mail da Coordenação do Palco Sonoro URCA/BNB acusando a recepção do material ou manter contato com a referida Coordenação, através do telefone (88)8813.0213 ou (88)3521.2832.
4. As propostas de espetáculos deverão ter a duração de uma hora, sem tolerância para menor ou maior duração.
5. Os espetáculos selecionados, no máximo de 20 serão programados para horário e dia determinados a critério da Coordenação do Palco Sonora URCA/BNB. Não haverá mudança da programação divulgada, salvo conveniência da Coordenação e com consentimento dos responsáveis dos espetáculos alvos dessa mudança.
6. Os espetáculos selecionados e efetivamente realizados, conforme normas, critérios e requisitos constantes deste Edital receberão uma ajuda de custo no valor de R$ 540,00(quinhentos e quarenta reais), já descontados os encargos e taxas de praxe. O pagamento da ajuda de custo será feita de acordo com previsão divulgada pela Fundação de Desenvolvimento Tecnológico do Cariri – FUNDETEC, situada na rua Teófilo Siqueira, 734, Pimenta, Crato, Ceará.
7. No ato de assinatura de contrato de compromisso para realização dos espetáculos, será divulgado e entregue aos responsáveis dos espetáculos o documento NORMAS DO PALCO, que regulamentará todo o procedimento da apresentação dos eventos artísticos.
Crato (CE), 27 de junho de 2012.
MARLENE MENEZES DE SOUZA                            CARLOS RAFAEL DIAS
COORDENADORA GERAL                      COORDENADOR DE PALCO INTERATIVO
Fonte: Assessoria de Comunicação da URCA

Lugo: “Oxalá este momento seja o melhor da esquerda paraguaia” – Portal Vermelho

Lugo: “Oxalá este momento seja o melhor da esquerda paraguaia” – Portal Vermelho

Há menos de uma semana , Fernando Lugo sofreu um golpe de Estado no Paraguai. O episódio ocorreu na sexta-feira (22) e até agora se discute o que vai acontecer com o novo governo. Lugo, no entanto, segue fazendo política de um gabinete alternativo, como prefere chamar o escritório que montou, de onde são decididos os próximos passos na resistência e na luta pelo retorno à democracia.

Por Vanessa Silva, enviada especial do Vermelho a Assunção

É deste espaço que ele fala em entrevista exclusiva ao Vermelho e à Rádio Brasil Atual.

Na breve entrevista que aceitou conceder às duas jornalistas brasileiras que esperavam do lado de fora da sede do Partido País Solidário, Lugo reafirmou que toda a região perdeu com o que aconteceu no Paraguai. Segundo o ex-bispo, o golpe parlamentar “mancha a imagem de toda a América do Sul, do Paraguai”. Sobre o processo eleitoral que, se tudo transcorrer como manda a Constituição paraguaia, deverá ocorrer em abril, Lugo mostra qual poderá ser sua indicação: Mario Ferrero (jornalista) e Esperanza Martines “poderiam fazer uma dupla maravilhosa”, diz gargalhando. Esperanza foi ministra da Saúde durante seu governo. E Ferrero tem liderado as pesquisas de intenção de voto.

Sentimentos no pós-golpe

Em primeiro lugar, diz Lugo, são sentimentos desencontrados. Muitos sentimentos. Primeiro é uma lástima pela cidadania, pelo Paraguai, que não tem uma tradição democrática como têm Uruguai, Chile e outros países. Nós temos nos esforçado em construir um processo democrático que seja duradouro. Creio que com isso [com o golpe] perdemos todos os paraguaios e também a região. Quem pensava que isso poderia ocorrer no Paraguai? Nós, tanto na Unasul, como no Mercosul, nos sentíamos felizes quando todos os presidentes nos reuníamos e éramos todos presidentes eleitos democraticamente. Infelizmente isso vem manchar a imagem da região, a imagem da América do Sul e a do Paraguai.

Mobilizações

Muitas mobilizações estão acontecendo no país, sobretudo no interior em repúdio ao governo golpista de Federico Franco. Longe de se isentar de participar deste processo, Lugo enfatizou que “a cidadania tem que saber o que aconteceu aqui. Os meios de comunicação não refletem toda a verdade. Então quero sair a conversar com as pessoas, um diálogo grande com a cidadania. Queremos impulsionar de novo [novos protestos], na próxima semana e nos colocar em contato com os camponeses, trabalhadores, estudantes e em suas praças, casas, escutar, conversar e desenhar juntos o caminho político que o país merece e é possível”.

Cobertura da mídia

A imprensa paraguaia trabalha com a ideia de que o país está tranquilo, apesar dos protestos. De acordo com Lugo, essas mobilizações estão sendo feitas respeitando “as leis e de maneira pacífica. Só que isso não é notícia porque não há sangue, nem violência ou mortes. Observar que houve manifestações não ocupa as primeiras páginas dos jornais do Paraguai”, comenta o presidente. E frisa: “Há sim a expressão de indignação e grande descontentamento nacional, o que pode ser percebido em todo o país”.

Eleições de 2013

Sobre como poderá participar nas próximas eleições, Lugo é reticente: “Vamos ver… As coisas sucedem muito rapidamente, muito aceleradamente. Eu pensava que terminaria o mandato em 15 de agosto de 2013 e me converteria em Senador vitalício. Com o golpe, eu recobro meus direitos cidadãos e tenho a possibilidade de poder encabeçar, ou participar, de uma lista para o Senado do Paraguai. Mas vamos analisar isso, avaliar junto aos companheiros dos grupos sociais, dos partidos políticos progressistas… Em algumas semanas teremos novidades neste sentido.

Futuro presidente

São seis os pré-candidatos à presidência pela Frente Ampla: Mario Ferreiro, Esperanza Martines, Sixto Pereira, Lopez Perito, Fernando Camacho e Luis Bareiro Spaini. Dos seis, quatro parecem estar mais bem avaliados pelo ex-presidente: “Estou em um processo de conhecer as propostas. (…) Eu disse, em mais de uma oportunidade, quando questionado sobre isso, que apoio quem tiver mais respaldo cidadão. Esse candidato será o candidato que Fernando Lugo vai apoiar junto com a cidadania para poder ser, oxalá, oxalá, oxalá, o novo presidente do Paraguai”.

Após certa insistência por nomes, ele admite que Mario Ferreiro e Esperanza Martines “poderiam fazer uma dupla maravilhosa”. Mas, ressalta que “Lopez Perito e Sixto Pereira são pessoas interessantes, com uma longa trajetória nos movimentos sociais, partidos políticos, sindicatos”. Otimista, ele observa que “oxalá este momento político seja o melhor momento da esquerda paraguaia”.

Sanção internacional

Sobre possíveis sanções econômicas aplicadas pelo Mercosul e pela Unasul ao país, por ter violado a cláusula democrática que permite que os Estados façam parte desses organismos internacionais, ele observa que “não é o recomendável [que façam isso]”, e pondera: “Não quero que os Estados se sintam pressionados por minha opinião. Sei que os produtores de banana e mandioca que estão na fronteira se sentirão prejudicados com uma sanção na região”.

Integração latino-americana

“Com este golpe, não foi só o Paraguai que perdeu, mas a América Latina. E nisso coincidimos os presidentes da região porque hoje teria que ter sido realizada uma reunião normal em Mendoza dos chefes de Estado. Amanhã sem dúvida, uma cadeira estará vazia. A cadeira do Paraguai, um membro fundador do Mercosul. Então este é um golpe à região, um golpe à democracia do Paraguai e à democracia de toda a região”.

Mensagem ao Brasil

“Eu acredito que o sonho de uma pátria para todos, o sonho de uma pátria grande, de uma sociedade mais equitativa, sem discriminação, eu creio que esse sonho temos que ir alimentando dia a dia. Esses sonhos libertários de segunda independência, de uma sociedade muito mais justa com a questão social mais igualitária, isso temos que levar no sangue, no coração para podermos seguir lutando pela pátria que merecemos”.

*Colaborou Marilu Cabañas, jornalista da Rede Brasil Atual

URCA inscreve propostas de espetáculos artísticos para o Palco Sonoro URCA/BNB

A Universidade Regional do Cariri – URCA abriu inscrição para seleção de espetáculos visando a programação artística do Stand da instituição que será efetivada durante a Expocrato, de 9 a 14 de julho do corrente ano.
O processo de inscrição é normatizado por Edital e regido pelos seguintes critérios:
1. As propostas de espetáculos deverão se coadunar com a temática central do Palco Sonoro URCA/BNB: As múltiplas formas de interpretar a música de Luiz Gonzaga (Tributo ao Centenário de Nascimento do Rei do Baião).
2. As propostas de espetáculos deverão se inscrever no link do III Palco Sonoro URCA/BNB, localizado no site www.urca.br, ou pessoalmente na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Universitário – PRODUN da URCA, localizada na rua Cel. Antonio Luiz, 1161, Pimenta, Crato, Ceará, no de 28/06 a 3/07 de 2012. As inscrições na PRODUN-URCA deverão ser efetivadas no horário das 8 às 12 horas e de 14 as 17 horas. O resultado da seleção será divulgado no dia 6 de julho de 2012, através do site da URCA e por outros meios disponíveis.
3. As propostas deverão conter material de áudio e/ou vídeo com uma amostra do espetáculo, além de uma fotografia e de um release e/ou currículo do evento. Este material deverá ser enviado para o e-mail [email protected] ou entregue diretamente no endereço especificado no item 2. Os inscritos que enviarem o material por e-mail deverão assegurar-se do seu efetivo envio. Para tanto, devem checar o recebimento de um e-mail da Coordenação do Palco Sonoro URCA/BNB acusando a recepção do material ou manter contato com a referida Coordenação, através do telefone (88)8813.0213 ou (88)3521.2832.
4. As propostas de espetáculos deverão ter a duração de uma hora, sem tolerância para menor ou maior duração.
5. Os espetáculos selecionados serão programados para horário e dia determinados pela Coordenação do Palco Sonoro URCA/BNB. Não haverá mudança da programação divulgada, salvo conveniência da Coordenação e com consentimento dos responsáveis dos espetáculos alvos dessa mudança.
6. Os espetáculos selecionados e efetivamente realizados, conforme normas, critérios e requisitos constantes deste Edital receberão uma ajuda de custo no valor de R$ 560,00 (quinhentos e sessenta reais), já descontados os encargos legais. O pagamento da ajuda de custo será feita de acordo com previsão divulgada pela Fundação de Desenvolvimento Tecnológico do Cariri – FUNDETEC, situada na rua Teófilo Siqueira, 734, Pimenta, Crato, Ceará.
7. No ato de assinatura de contrato de compromisso para realização dos espetáculos, será divulgado e entregue aos responsáveis dos espetáculos o documento NORMAS DO PALCO, que regulamentará todo o procedimento da apresentação dos eventos artísticos.

AGENDA CARIRIENSE DE ESPETÁCULOS ARTÍSTICOS – 28/06 a 01/07

Dia 28/06 (Quinta-feira)
Espetáculo Vórtice, com a Allyson Amancio Cia.de Dança e grupo Zabumbeiros Kariris (com coquetel de lançamento do CD com a trilha do espetáculo)
Horário: 20h00
Local: SESC Crato (Rua André Cartaxo)
Cordel no Cariri (60 Anos do Banco do Nordeste), com o poeta  João Bandeira
Local: Largo da Igreja do Rosário (Barbalha – CE).
Dia 29/06 (Sexta-feira)
Tributo a Luiz Gonzaga, com o grupo Zabumbeiros Kariris
Horário: 20h00
Local: SESC Juazeiro (Rua da Matriz, 227)
Rock cordel, com a banda Hostile Inc (Fortaleza)
Horário : 19h30
Local: Centro Cultural BNB Cariri (Rua São Pedro, Juazeiro)
Arraial no centro
19h30: Apresentação da Quadrilha Princesa do Cariri (Crato)
20h30 Apresentação da Quadrilha Arraiá do Patativa (Assaré)
21h30 Show com o Grupo Aluizio do Acordeon (Crato – CE). 60 min.
Local: Largo da RFFSA (Crato)
Dia 30/06 (Sábado)
Música vocal com Juliana Roza (Fortaleza)
Horário: 19h30
Local: Centro Cultural BNB Cariri (Rua São Pedro, Juazeiro)
Dia 01/07 (Domingo)
Show do Al Capone Tá É Bebo
Horário: 17h00
Local: Antigo Skate Park (Vila Alta, Crato)

Manuel Bezerra Neto – Educação para transformação da sociedade


Professor, Filosofo, pesquisador marxista, comunista e bom de papo, Manuel Bezerra Neto compreende que a educação deve servir para transformação da sociedade. Preparando o seu segundo livro, Bezerrinha como é carinhosamente conhecido apontar as contradições da educação numa sociedade antagônica como a capitalista.  
     
Alexandre Lucas – Quem é Manuel Bezerra Neto?

Manuel Bezerra Neto – Até recentemente fui  professor assistente do Departamento de Educação  da Universidade Regional do Cariri – URCA. Milito na Educação desde a década de 1970. Iniciei nas minhas atividades na Educação Básica do Estado na área de Ciências Exatas (matemática e física). A partir de 2000 ingressei no Ensino Superior da URCA, na área de Ciências Sociais (Filosofia e Sociologia). Durante esse período estive sempre engajado na luta política como dirigente municipal e estadual no Partido Comunista do Brasil – PCdoB.

Alexandre Lucas – Qual a importância das tendências pedagógicas no âmbito das políticas para a educação?

Manuel Bezerra Neto – É preciso lembrar que as políticas educacionais são estabelecidas sempre em função dos interesses do Estado, bem como dos objetivos mais permanentes da classe dominante. Em decorrência disso é que são levadas em conta aquelas tendências pedagógicas que mais são convenientes e mais se adéquam tanto aos objetivos do Estado, quanto aos interesses que estão postos  em determinadas circunstancias, do ponto de vista, é claro, das classes dominantes. Assim, não vamos alimentar ilusões a respeito da educação escolar, uma vez que seu primeiro papel, sob o estado capitalista é explicitamente funcional, ainda que devemos reconhecer, não obstante, que ela se constitui por natureza, uma atividade contraditória.

Alexandre Lucas – Como você avalia as políticas públicas para Educação no Ceará?

Manuel Bezerra Neto – É muito simples perceber-se que elas ainda continuam orientadas pelas diretrizes de caráter neoliberal. Educação ainda é encarada como despesas para o Estado. Assim, despesa pressupõe retorno compensador, do ponto de vista financeiro, e não um direito universal do individuo. Isso significa conceder a educação enquanto fator de desenvolvimento socioeconômico, segundo a Teoria do Capital Humano porquanto para as classes dominantes investir em educação é estabelecer os meios que devem favorecer apenas o desenvolvimento dos meios de produção capitalistas necessários ao processo de acumulação do capital.

Alexandre Lucas – Qual a contribuição do Marxismo para a compreensão e proposição das tendências pedagógicas de caráter progressista?

Manuel Bezerra Neto – Ainda que Marx não tenha proposto explicita e sistematicamente uma linha pedagógica escolar, no entanto, o programa de Gotha define uma concepção de pedagogia que vai além dos conceitos burgueses de progresso humano, uma vez que ele chama a atenção para a importância e o sentido que uma formação humana fundada na associação indispensável entre educação e trabalho, escola pública gratuita (não necessariamente estatal, mas laica). Ele sempre acreditou que a natureza do homem se forma e se desenvolve tendo como principio a atividade produtiva; isto é, o trabalho como principio pedagógico por excelência. É simples perceber-se isto quando sabemos que as classes burguesas nunca encararam o trabalho como atividade dignificante para o individuo que não precisa trabalhar uma vez que ele vive da exploração da força de trabalho daqueles que não tem a propriedade dos meios de produção. Em síntese, elas nunca imaginaram nem desejaram ver seus filhos frequentando a oficina onde o filho do trabalhador está aprendendo um oficio ou aperfeiçoando suas técnicas de produção de mais-valia.

Alexandre Lucas – Em seu livro “Escola – Pedagogia da Reprodução” você aborda o caráter ideológico da escola capitalista e propõe alternativa?

Manuel Bezerra Neto – Quando dei aquele título ao trabalho não estava, de modo algum, concordando inteiramente com a concepção reprodutivista da escola porque, enquanto, os “reprodutivistas” faziam a crítica exclusiva da pedagogia burguesa como aparelho ideológico por excelência do Estado capitalista, eu procuro mostrar que ao lado da critica é preciso propor uma opção – não dualista, obviamente – pedagógica que possa contemplar sem discriminação os interesses, os valores e as concepções de todos na sociedade, principalmente das classes submetidas ao regime de exploração do capital. Ao mesmo tempo compreendi que era necessário também, junto com a tarefa de propor uma escola universalizada cuidar dos problemas concretos e imediatos da sociedade brasileira do ponto de vista do seu desenvolvimento autônomo, tendo em mira a redução drástica das profundas desigualdades sociais engendradas pelo capitalismo brasileiro, e para os quais só uma concepção pedagógica revolucionária poderia apresentar soluções viáveis para sua superação.

Alexandre Lucas – Você prepara o segundo livro “Educação e Consciência de Classe”, Qual a abordagem desse trabalho?

Manuel Bezerra Neto – A questão da consciência de classe não é muito simples de ser abordada. Muitas vezes, corremos o risco de ou vê-la idealisticamente, tendo-se a ilusão de que é algo inevitável para o sujeito, em vista de sua pertinência de classe; que dizer, inevitavelmente, o burguês teria que pensar, enquanto burguês, operário como operário, etc. é uma visão um pouco simplista e reducionista pela qual seria suficiente apenas olhamos a posição de classe, para então apreendemos a consciência dos indivíduos que a integram.

A consciência não pode ser também uma função psicológica que nos ajuda a fazer avaliações “corretas”ou de censura das situações vivenciais nem dos indivíduos nem da própria história uma vez que inevitavelmente  ela, de qualquer modo, não deixa de estar vinculada se não as forças motrizes que põem em movimento povos e classes inteiras, que acaba induzindo uma ação durável capaz de promover grandes transformações históricas.

No campo da educação ainda que a consciência se forme na relação direta com a realidade, mesmo que mediatizada pelo conhecimento não podemos subestimar o papel ideológico desse conhecimento na organização e projeção das condições materiais de existência. Assim, a proposta implícita é, sobretudo demonstrar a relação entre o papel ideológico da educação e o desenvolvimento da consciência do individuo.

Alexandre Lucas – Qual a relação entre educação e prática social?

Manuel Bezerra Neto – A relação é explicita, pois a própria educação constitui-se de uma prática social inerente e indispensável ao conjunto das múltiplas práticas convenientes e adequadas para a configuração de uma dada realidade social. Não podemos imaginar prática educativa dissociada da prática social.     
                          
         
         

Inácio Arruda:”Vamos enfrentar as eleições com raça e destemor” – Portal Vermelho

Inácio Arruda:”Vamos enfrentar as eleições com raça e destemor” – Portal Vermelho

O senador Inácio Arruda reafirmou sua candidatura perante mais de 300 apoiadores que participaram de um almoço em favor de sua pré-candidatura. Nem mesmo uma forte chuva, que causou grandes transtornos em Fortaleza, desmotivou parlamentares, sindicalistas, empresários, líderes comunitários, estudantes, artistas e representantes de vários outros setores da sociedade a participarem do evento.

Almoço de apoio a Inácio Mais de 300 apoiadores participaram de um almoço em favor da pré-candidatura do PCdoB

Inácio reafirmou que será candidato a prefeito e que está preparado para assumir o cargo. “Vamos enfrentar as eleições com raça e destemor”, disse. Inácio reconhece que não será uma campanha fácil, não será uma marcha qualquer. Mas garantiu estar preparado, e mais qualificado para o cargo. “Vamos partir de um movimento forte, com uma proposta ousada, com um planejamento aberto e transparente”.

E a falta de planejamento foi o ponto mais destacado por Inácio Arruda. “A primeira tarefa de qualquer gestor é a de planejar. Sem planejamento não tem norte”, disse. Ainda em sua fala, defendeu uma educação de qualidade. “Precisamos que as crianças aprendam a ler e a contar. Precisamos de uma escola nota 10”. O sistema de saúde pública também foi falado pelo do pré-candidato do PCdoB, que destacou na ocasião, o trabalho feito por João Ananias e Arruda Bastos, ambos do PCdoB, a frente da Secretaria de Saúde do Estado.

Por fim Inácio disse que enxerga grandes oportunidades para Fortaleza e que tem consciência de que a cidade precisa de um impulso maior. E convidou a todos para mais esta batalha política, que será vitoriosa, principalmente com o apoio de todas as lideranças que estão no meio do povo. No final, em meio a muitos aplausos, a palavra de ordem: “O povo quer, ninguém segura, é Inácio na prefeitura”.

Entre os presentes, o presidente municipal do Partido Progressista – PP, Jaime Cavalcanti e o vereador do PP, Casimiro Neto. Eles fizeram questão de reconhecer a capacidade de Inácio para administrar Fortaleza e que estão muita à vontade para apoiá-lo, o que deverá ser confirmado na próxima semana. Presentes também a vereadora Eliana Gomes, o deputado estadual Lula Morais, o deputado federal João Ananias, o presidente Regional do PCdoB, Carlos Augusto Diógenes (Patinhas), o presidente municipal do PCdoB, Luis Carlos Paes, e várias outras lideranças políticas, sindicais e populares.

Certeza da candidatura

Nos últimos dias uma onda de boatos tenta dar força à falsa ideia de que a pré-candidatura de Inácio Arruda não teria consistência e que o PCdoB apoiaria outro candidato. Os boatos circulam pela internet e têm apoio em alguns meios de comunicação e de alguns colunistas. Para os que tentam inviabilizar a candidatura de Inácio em favor de outros, nem mesmo um almoço com mais de 300 líderes políticos e sociais de expressão na cidade é capaz de lhes demover da tentativa de boicote. A maioria dos meios de comunicação ignorou o acontecimento e o único jornal que noticiou arrumou um jeito de dizer que Inácio teria admitido a possibilidade de desistir.

Durante o almoço, o senador do PCdoB afirmou que se orgulhava do apoio que estava recebendo e afirmou que “poucos conhecem tanto Fortaleza e o cotidiano de seu povo como os que estão aqui”. Há uma semana Inácio, cuja história se iniciou e continua ligada ao movimento populares e a amplos segmentos presentes ao evento, declarou ao Vermelho que “os comunistas terão candidatura própria em Fortaleza e está descartada a hipótese de apoiarmos outra candidatura” e ontem ele reafirmou mais uma vez essa certeza, frustrando a expectativa de alguns. Para os que alimentam dúvidas o senador foi enfático, “aguardem a nossa convenção no dia 30 de junho, quando oficializaremos nossa candidatura”.

De Fortaleza,
Emília Augusta e Inácio Carvalho

Lilian Carvalho é a nova presidenta do Coletivo Camaradas

Num clima de unidade, interação e convicção foi eleita  no último sábado, dia 23,  em assembleia geral realizada na Universidade Regional do Cariri – URCA, a  nova coordenação do Coletivo Camaradas.  

A assembleia elegeu para presidir a organização, a atriz Lilian Carvalho que além de atuar no teatro, é produtora cultural e psicóloga. Ela substitui o artista/educador Alexandre Lucas, um dos fundadores do Coletivo.   Lilian é uma veterana Camarada  que participa do grupo há quatro anos e se sente orgulhosa ao afirmar que participar de um coletivo que consegue discutir arte com posicionamento político.

Lilian acredita que é preciso manter a mesma linha de atuação  e acrescenta que o grupo deverá ampliar as suas ações para outras linguagens artísticas como a música e o teatro. Ela destaca será dado continuidade aos trabalhos de ações conjuntas com os coletivos locais e nacionais e destaca que será feito um esforço para intercâmbios internacionais. A atriz frisa que é necessário criar as condições para que o Coletivo tenha uma sede que possa servir como centro de formação artística e política  tanto para o Coletivo Camaradas como para outros grupos.

Inovação

A assembleia dos Camaradas inovou ao acrescentar na sua direção os cargos de Coordenação  sobre questões de gênero, afrodescendência, cultura e memória.

Outra inovação foi a aprovação do Conselho Consultivo que reúne nomes de personalidades do meio artístico e intelectual brasileiro, dentre eles, o do ex-secretário de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura, Célio Turino responsável por conceber o Programa Cultura Viva, o qual possibilitou a criação de quase três mil Pontos de Cultura espalhados em todo o Brasil. Considerado o maior programa de descentralização de recursos públicas para cultura e de empoderamento dos segmentos ligados a cultura e a arte no país.

Projeto em andamento

O Coletivo Camaradas desenvolve os seguintes projetos:
Laboratório de Estudos, Vivências e Experimentos em Arte Contemporânea – Leve Arte Contemporânea que é destinado aos alunos do Ensino Médio da Rede Publica do Crato;
Cordel Engajado  que consiste na distribuição gratuita de cordéis;
Projeto No Terreiro dos Brincantes em parceria com a URCA e a Secretária de Cultura do Crato que produz vídeos sobre grupos da cultura popular da região do Cariri;
E prepara a segunda edição da Mostra Nacional de Vídeos Brincantes que deverá ser realizada em agosto deste ano.    

Nova Coordenação Eleita

Coordenadora Geral – presidenta: Lilian  Carvalho de Araújo
Currículo resumido: Atriz, produtora cultural e psicóloga.
Secretaria geral: Ana Luisa Sombra Vicente
Currículo resumido: Academica do Curso de Pedagogia
Coordenador de Finanças – Tesoureiro  – Ricardo Alves    
Currículo resumido: Ativista do Hip – Hop e acadêmico de Geografia da URCA
Coordenador de Cultura e Memória – Jean Alex
Currículo resumido: Acadêmico de Pedagogia da URCA, músico e educador musical, líder da banda Sol na Macambira
Coordenadora de Comunicação: Leyliane Alves 
Currículo resumido:  Acadêmica de Comunicação Social da UFC
Coordenador de Projetos: Alexandre Lucas  
Currículo resumido:  Pedagogo e artista/educador
Coordenadora sobre questões de gênero – Dayze Carla Vidal da Silva
Currículo resumido:    Acadêmica de Ciências Sociais da URCA
Coordenação sobre questões de Afrodescendência  – Alice Maria Freitas Cortez da Silva 
Currículo resumido: Acadêmica de Ciências Sociais  da URCA  e integrante da UNEGRO
Conselho Fiscal
Jucimar   Rodrigues Lima
Currículo resumido: Estudante secundarista e integrante da banda Cratons
Diego Felipe do Nascimento 
Currículo resumido: Acadêmico de Geografia da URCA
Ivanilson da Silva Felix 
Currículo resumido:  Estudante secundarista
Conselho Consultivo
Jefferson Bob Gonçalves de Lima – Integrante da Nação Hip-Hop Brasil, integrante da Banda Ferreros e Produtor Cultural  – Potengi/CE
José André de Andrade– Ator, poeta e Produtor Cultural   – Juazeiro do Norte/CE  
Nívia Uchôa – Fotografa  e geógrafa – Juazeiro do Norte/CE  
José Cícero da Silva – Pesquisador, poeta  e Produtor Cultural  – Aurora/CE
Luis Parras – Fundador do Programa Nacional de Interferência Ambiental – PIA e do Centro Universitário de Cultura e Arte da UNE – CUCA, integrante do Grupo de Interferência Ambiental – GIA – Salvador/ BA
Mileide Flores Presidente da Sociedade Amigos da Biblioteca; Membro do Coletivo de Cultura do PCdoB/Ce; do Colegiado do Sistema Nacional de Cultura; do Fórum de Literatura do Estado do Ceará; da Rede Nordeste do Livro e da Leitura; Diretora da Livraria Feira do Livro – Fortaleza/CE;
Rosemberg  Cariry – Filosofo, pesquisador e cineasta – Fortaleza/CE    
Tales Bedeshi – Artista/educador, integrante do PIA – Belo Horizonte -MG
Célio Turino – Historiador, escritor e ex-secretário da Secretaria de Cidadania Cultural do Ministério da Cultural – São Paulo – SP;
Gabriela Monteiro – Artista visual e integrante do PIA – Rio Janeiro – RJ
Luciana C M Costa – Mestranda em Artes Visuais, integrante do Coletivo Política do Impossível  e o PIA – São Paulo;
Lula Gonzaga – um dos pioneiros em cinema de animação do Brasil – Cineastra – Olinda/PE;
Salete Maria – Professora Universitária, advogada,  pesquisadora sobre gênero e cordelista – Juazeiro do Norte/CE;
Allan Bastos – professor e fotografo – Crato/CE
Cacá Araújo – Dramaturgo, poeta, ator e folclorista – Crato/CE  
Armando Teixeira Leão – Coordenador Executivo da UNEGRO e Mestre de Capoeira Angola
Ulisses Germano Leite Rolim – Professor, poeta e músico;   
Alexandre Santini  – ex-coordenador do Cuca da UNE e integrante do Companhia de Teatro Político  “Tá na Rua” – Rio de Janeiro – RJ
Maria Pinho Gemaque – Mapige – integrante do Coletivo Psicodélico, artista/educadora – Macapá – AP;
Alysson Amancio – Professor, pesquisador e coreografo – Juazeiro do Norte-CE    
Edival Dias – Professor, artista/educador e ator – Juazeiro do Norte/CE    
  

Rio com um barulho desses

Com a morte do velho Venceslau  Kandanga, após as lágrimas pouco sentidas, os filhos se reuniram para fazer o balanço do que interessava: o espólio. Estavam todos contendo uma indisfarçada felicidade. Venceslau vinha de uma ascendência abastada: fazendas, terras, imóveis e dinheiro em espécie eram perceptíveis nos velhos retratos espalhados na parede. O patriarca da família — Kandic Kandanga — teria vindo da Armênia, aí pelo início do Século XIX e, de mero vendedor de confecções, terminara por montar um imenso império fabril. Com as gerações e os inventários  que se sucederam,no entanto, os novos ricos foram pouco a pouco dissipando o patrimônio. Riqueza adquirida sem  suor, evapora como ele. Entre uma e outra amante, entre uma e outra excentricidade, entre uma e outra separação judicial, os cobres duramente conquistados por Kandic, esvaíram-se como por encanto.

                                   Aberto o testamento do tetraneto de Kandic, o velho Venceslau, não deu outra. Ficara apenas a casa do patriarca e   um prédio de cinco andares – o Edifício  Rio– , sito num bairro não muito privilegiado, para ser rateado entre os dez filhos, três viúvas e seis netos de Venceslau.  Iniciou-se, imediatamente, a terceira guerra mundial. Familiares endividados, mantendo, porém,  a importância dos tempos áureos, cada um desejava levar o maior pedaço do último quinhão. Arrastando-se a pendenga, para o gáudio dos advogados, terminaram por ter que vender a casa para cobrir as custas judiciais e, sob risco de ficar a herança para os causídicos e não para os descendentes, entraram por fim num acordo. Resolveram, salomonicamente, dar um apartamento do edifício para cada  herdeiro e, depois de mais de dois anos, por fim, fecharam o inventário do velho Venceslau.
                                   Como estavam todos na maior pindaíba, morando de aluguel, mudaram-se todos para seus apartamentos recém herdados.  No primeiro momento, as coisas andaram bem. Todos se sentiram de alguma maneira felizes com o alívio financeiro. Mas era bem previsível : a bomba estava armada e com estopim faiscante e curto. As desavenças não demoraram. Conflitos relativos às pretensas melhores condições de um ou outro apartamento se tornaram frequentes.  Começaram os atrasos reiterados da taxa de condomínio, por incrível que possa parecer executados pelos mais remediados e não pelos mais pobres. Exatamente atrasavam aqueles que mais consumiam a água e a luz. A conservação do velho prédio estava péssima e já apareciam algumas rachaduras progressivas em algumas paredes.  Eram marcadas reuniões com os moradores,  geralmente inúteis, pois os inadimplentes faltavam. Um belo dia,  o esperado ocorreu: desligaram a luz e cortaram a água do imóvel. Aí a gritaria foi geral. Os pobres reclamavam com razão, pois estavam pagando pela irresponsabilidade dos outros. Os menos lascados empavonavam-se, mantendo aquele ar de importância que herdaram dos seus ascendentes e dizendo enfaticamente : —  é nisso que dá, querer ser simples e vir morar num muquifo desses!
                                   Marcaram uma reunião de emergência, mas ninguém compareceu: simplesmente porque nenhum queria arcar com a vaquinha necessária para sanar o problema. Uns dois meses depois, no escuro e seco como outubro em Picos, no meio da noite, ouviram-se um grande estralo e um pequeno tremor. Todos acordaram apavorados e desceram as escadas num átimo. Em pouco, toda a descendência do velho Venceslau estava de camisola e pijama no meio da rua. Chamada a Defesa Civil, após vistoria, o Edifício  Rio foi condenado: Está prestes a cair, não tem qualquer condição de habitabilidade, disse o Coronel responsável. Providenciadas , de urgência, algumas tendas, à noite,  o Síndico chamou, por fim, mais  uma Reunião de condôminos. Pressionados, por fim, os moradores , já sem teto, resolveram comparecer. As discussões foram longas e demoradas. Depois de umas cinco horas, finalmente, houve consenso. A Ata foi devidamente lavrada : O problema será resolvido pelas futuras gerações dos Kandic, marcaram , então, uma próxima reunião para daqui a vinte anos quando os futuros herdeiros do Edifício Rio, já taludos e em condições de deliberar,  deverão tomar as devidas providências. O convite já foi até redigido e o conclave já tem um nome : Rio + 20.
 
J. Flávio Vieira

Coletivo Camaradas terá nova gestão e estatuto reformulado

A Assembleia Geral do Coletivo Camaradas acontecerá no próximo sábado (23), às 14h00, no Pátio da Pedagogia da URCA. A mesma tem por objetivo reformular os estatutos e eleger a nova coordenação para um mandato de três anos. Há a perspectiva de que se aumente o número de cargos, a fim de atender a demanda cada vez maios das ações do Coletivo.
De acordo com a integrante do Coletivo, Jordania Araújo, “o objetivo desta assembleia para o coletivo, é renovar a coordenação, elegendo representantes verdadeiramente atuantes”. Já foram indicadas algumas novas coordenações a serem aprovadas nesta reunião, sendo elas: Questões de Gênero,  Afrodescendência, Movimentos Sociais e Formação Política.
Esta reformulação do estatuto visa ampliar os trabalhos do Coletivo, uma vez que ele não atua apenas na região do Cariri, mas em outros estados brasileiros também. O Grupo já esteve em Brasília, Rio de Janeiro, Recife, João Pessoa, Aracati e Fortaleza. Além disso, o Camaradas integra o Centro Universitário de Cultura e Arte da UNE e o Programa Nacional de Interferência Ambiental – PIA. O Coletivo também vem buscando a efetivação do Conselho Consultivo que  deverá ser composto por intelectuais, mestre e artistas de diversos estados brasileiros que têm contribuído no debate nacional.
O Coletivo Camaradas foi fundado no ano de 2007 e vem sendo coordenado atualmente pelo artista/educador Alexandre Lucas. Segundo ele, o Coletivo vive um momento de crescimento e de ocupação de espaços. Alexandre ainda destaca que é preciso dar outra dinâmica ao processo de organização e formação dos seus membros, o que vem sendo feito nos últimos meses.