Lula : Sexto Título de Doutor, agora na Sorbonne

Como disse o autor da matéria, vai faltar Lexotan la nas bandas de Higienópolis e para tantos outros que sofrem de complexo de vira-lata neste Brasil afora.

Será que o entreguista do FHC desta vez corta os pulsos? Tomara que sim!

E viva o nosso Doutor!

Ivan

http://www.ufpe.br/agencia/images/stories/lula02.jpg
Lula recebendo o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Coimbra


http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/pra-que-discutir-com-madame

Pra que discutir com madame

Enviado por luisnassif, sex, 09/09/2011 – 09:19

O comentário do Marco Antonio me lembrou uma coluna que escrevi em 8 de agsoto de 1994 a respeito da afirmação de Ruth Escobar:

Por Marco Antonio L


LULA recebe o título de Doutor Honoris Causa na Sorbonne

Ele chegou lá. Dia 27 agora, Lula recebe o título de doutor honoris causa na Sorbonne. Desembarca no mesmo solo sagrado do saber que pisou Jean-Paul Sartre, Claude Lévi-Strauss e FH. A informação é de Ancelmo Góis de O Globo.

Vai faltar Lexotan lá nas bandas do Higienópolis


LUÍS NASSIF – 08/08/1994

Prá que discutir com madame?

Na sexta-feira passada Brasil e França experimentaram momentos de grande perplexidade, enquanto em um salão de chá paulistano discutia-se a relevante questão: é melhor um Sartre ou um encanador para presidente da República?

As máquinas pararam na França, houve sensível aumento na mortalidade infantil no Nordeste, todos aguardando que aquelas almas femininas, reunidas no salão renascentista, conseguissem solucionar o mais estimulante desafio intelectual com que se depararam: é “in” ou “out” estabelecer tais diferenças?

A atriz atroz, defensora interessada de todos os intelectuais que assumiram a presidência nas últimas décadas, garantiu que é “in”. A namoradinha do Brasil, boazinha como ela só, rebateu que é “out”.

Grandes banqueiros foram tirados do trabalho por esposas preocupadas, presentes ao ágape, para que repartissem com elas essa grande dúvida, mais estimulante que um vírus eletrônico no Selic.

Sociólogos petistas e tucanos se engalfinharam no campus, entupiram as seções de cartas dos jornais, assaltantes interromperam assaltos, o trânsito engarrafou, os juros subiram, o mercado parou, enquanto não se resolvia a relevante questão, capaz de, por si, ou definir as eleições presidenciais ou resolver a questão da falta de água.

No cemitério existencialista, uma caveira olhou para a outra e comentou preocupada: “Que não é sério, a gente sabia, mas precisavam me envolver nisso?”.

Filósofo “out”

Não há informações se Ortega y Gasset costumava filosofar em chás beneficentes ou se desenvolveu alguma especialização em encanamentos. Há dúvidas até, se vivo fosse, se seria convidado para o festim, posto que filósofo espanhol não é tão “in” quanto um francês.

Se fosse, certamente acharia de um provincianismo feroz, a atriz atroz. Mas ficaria com o encanador, porque conhecia suficientemente os seus – os intelectuais – para não levá-los a sério, fora do mundo das idéias.

Em ensaio clássico sobre Mirabeau – relançado recentemente pela Editora Universidade de Brasília, e que me foi presenteado por um intelectual raro, porque compromissado com a ação – Gasset traça um perfil precioso da espécie.

Não peça a um intelectual que se comprometa com a ação – diz ele. Quando pensa em tomar alguma atitude, imediatamente bate uma dúvida que, até ser removida, matou a iniciativa. O intelectual sempre vai tratar de levantar uma indagação acerca de sua atitude, para dispor do álibi para nada fazer. Utiliza a idealização da realidade como desculpa para o imobilismo.

Em outras palavras, se estourar o encanamento de sua casa, ou se precisar de um presidente da República, não conte com um intelectual. A não ser depois que ele tiver resolvido todas suas perplexidades acerca da conveniência ou não de se envolver em um trabalho de encanador – e depois que a água tiver levado seu último cristal.

Curto e grosso como ele só, o encanador petista encerrou a discussão com uma verdade definitiva: sem encanador essa mulherada não se vira sozinha, sem sociólogo, se vira.

Na rua, um velho passou assobiando antigo samba brasileiro, do grande compositor existencialista Janet de Almeida: “Madame diz que a raça não melhora/ que a vida piora/ por causa do samba/ (…) Madame tem um parafuso a menos/ só fala veneno/ ai meu deus que horror!”

Para ler outras matérias bem porretas, visite o ‘Carcará’ http://carcara-ivab.blogspot.com

Deixe uma resposta