Arquivos mensais: julho 2011

ARTES CÊNICAS NO CARIRI!!!

3ª GUERRILHA DO ATO DRAMÁTICO CARIRIENSE
De 29 de outubro a 19 de novembro de 2011
Teatro Rachel de Queiroz – Crato-CE – e ruas do Cariri
Um dos maiores acontecimentos na área de artes cênicas do Ceará, que se consolida como incentivador e difusor da produção caririense, foi idealizado pelo dramaturgo Cacá Araújo, teve sua primeira edição em 2009, e hoje conta com a adesão de cerca de 30 companhias e grupos de teatro e de dança em atividade na região.

A terceira guerrilha foi contemplada no Edital Cultural do Banco do Nordeste, de quem receberá patrocínio. Também terá apoio da Prefeitura Municipal do Crato e buscará parceria da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará para onde encaminhará solicitação de patrocínio ao Fundo Estadual de Cultura – FEC.

Importante reunião foi realizada na tarde do último sábado, no Teatro Rachel de Queiroz (Crato-CE), oportunidade em que houve a primeira chamada de espetáculos para a programação do evento e 20 espetáculos de teatro e de dança foram indicados por diretores e produtores das diversas companhias presentes.

De acordo com o dramaturgo Cacá Araújo, a programação oficial será divulgada depois da segunda chamada de espetáculos, devido à necessidade de ajustes visando à contemplação de um maior número de grupos.

Palestra sobre a política externa contemporânea dos EUA

Pelo Prof. Virgílio Arraes
(Catedrático de História da Universidade de Brasília – UNB)

Dia 1 de agosto de 2011 (próxima segunda-feira), as 19 horas
No Salão de Atos da URCA (Campus do Pimenta, Crato)

Promoção: Departamento de História da Universidade Regional do Cariri – URCA
Breve currículo do palestrante – O professor Virgílio Caixeta Arraes é graduado em história pela UNB, com mestrado e doutorado na mesma universidade. Tem título de doutor, obtido em 2005, com a tese “Relações internacionais da Santa Sé: da fragilidade à busca de autonomia”. É especialista em Relações Internacionais contemporâneas e política externa do Brasil. Foi consultor do Exército Brasileiro no estudo prospectivo “Construção de cenários para o ano 2.030” e assessor de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, em 2006 e 2007. É consultor do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Possui 103 trabalhos publicados em revistas especializadas, 155 matérias veiculadas em jornais e periódicos e cinco livros publicados. Foi orientador de várias teses de mestrado e cinco de doutorado na UNB.

Encerramento da temporada “As Travestidas”



ENGENHARIA ERÓTICA

Segunda noite e mesma emoção repetida: brilho e verdade. O público cativo e mais aqueles que não deixam de se surpreender com as histórias de vida e com a volta por cima das travestis.

DJ FABINHO – nada de bate estaca repetitivo!

Muita inventividade e criatividade aproveitando as batidas tradicionais das boates em músicas com muita brasilidade.
O sambinha Eu bebo sim… levou todo mundo à loucura.



VERÒNICA DECIDE MORRER – Incrível show de rock!

 A diva Verònica Valentino sobe ao palco com todo o gás e com interpretações que aliam força e teatralidade. Sua voz poderosa e sua presença magnética conquistaram imediatamente o público do Terreiro da Mestra Margarida. Era uma galera que vinha do Engenharia Erótica somada aos que já tinham curtido o show da banda na noite anterior na cidade do Crato, com quem tinha ficado desde a apresentação de Avental Todo Sujo de Ovo, com quem veio exatamente ouvir músicas como: Negro Gato, Não serve pra mim, Papai me empresta o carro, Ilegal, imoral ou engorda – e nesta hora, antes de começar a cantar, ela pediu um cigarro pra alguém na platéia. Muita gente bonita dançou e fotografou muito e quem quis ou não quis, dançou muito, porque não dava pra ficar parado de jeito nenhum! Fechamos com chave de ouro as três noites das Travestidas no SESC Juazeiro.

Programa Cultura SESC Cariri

(88) 3587 1065 (SESC Juazeiro)

(88) 3523 4444 (SESC Crato)

Reedições de livros caririenses – Emerson Monteiro


Neste primeiro semestre de 2011, foram reeditadas pela Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, em parceria com as Universidades Federal do Ceará e Regional do Cariri, algumas das obras do escritor cearense J. de Figueiredo Filho, emérito historiador que viveu em Crato e desenvolveu atividades intelectuais de larga repercussão pelo País inteiro, sendo um dos fundadores do Instituto Cultural do Cariri ao qual pertenço.

Avô de dois dos meus amigos, Tiago e Flamínio Araripe, conheci o Prof. Figueiredo Filho quando ele proferira notável discurso por ocasião da vinda a Crato, em 21 de junho de 1964, do Presidente Humberto de Alencar Castelo Branco, no Dia do Município cratense. Ao pleno sol quente das 11h no céu aberto da Praça da Sé, Figueiredo falou a imensa plateia e palanque lotado de autoridades, durante meia hora, repassando os detalhes da epopeia do Cariri. Senhor do assunto e respeitável pesquisador das nossas origens libertárias cumpriu a valer seu ofício. Isto numa fase em que o Brasil afundava nos porões da ditadura que permaneceria no poder mais de duas décadas, com sérios danos às liberdades civis e aos direitos humanos, preço pago das modernizações econômicas que varia o mundo naquele tempo para instalar a globalização dos dias atuais.

Depois, já pelos idos da década de 70, frequentei a sede do ICC, na Rua Miguel Limaverde, instalada na sala principal da residência do historiador, com quem conversava boas horas e de quem adquiri o gosto pelos estudos caririenses bem a seu modo e dedicação.

Agora recebemos sete dos seus livros, reeditados em momento oportuno, para as novas gerações, através das Edições UFC, série Memória, da Coleção Nossa Cultura. Engenhos de Rapadura do Cariri, Folguedos Infantis do Cariri, os quatro volumes de História do Cariri e Cidade do Crato (este com Irineu Pinheiro) ganharam outra publicação como parte de dez títulos que enfocam a história e os costumes do Cariri.

Além desses, também mereceram novas edições Efemérides do Cariri e O Cariri, seu descobrimento, povoamento, costumes, de Irineu Pinheiro, e Juazeiro do Padre Cícero, de Floro Bartolomeu da Costa.

São trabalhos emblemáticos da civilização caririense, motivos autênticos da preservação de nossas tradições e valores, os quais, ao lado de outros ainda adormecidos, demonstram a profundidade que caracteriza a alma desta gente que iniciaria com sucesso a colonização cearense, primeiro aqui estabelecida e só então desenvolvida junto do litoral.

CABARÉ DA DAMA – Uma Flor de Dama que desabrochou!


DSC02781.JPG

DSC02771.JPG

O conto do gaúcho Caio Fernando Abreu, Dama da Noite, extraído do livro Os Dragões Não Conhecem o Paraíso e dedicado à escritora Márcia Denser foi maravilhosamente bem encenado por Silvero Pereira. A encenação desta noite foi a de número 300 e consolida 10 anos de pesquisa e oito, de apresentações que foram evoluindo no formato e na performance. No início, a peça concentrava-se apenas no texto de Caio e se chamava Uma Flor de Dama, nos últimos tempos foi inserido ao espetáculo shows de transformistas dublando divas da música pop nacional e internacional (todas foram excelentes e animaram e deslumbraram a platéia): Amy Winehouse, Lady Gaga, Preta Gil, Adèle … e ganhou o nome que tem hoje. É esse clima de boate gay que impera na primeira parte que tanto encanta quanto  desnorteia o público, quando na sequencia, vemos a personagem que se senta e dialoga com um interlocutor que é descrito como um rapaz jovem de furo no queixo que está inserido na “roda” onde ficam aqueles que são aceitos, que não são marginalizados. O discurso vai da paquera à fúria ao escracho ao humor ao drama à ofensa à euforia à poesia: “Gosto de quem eu sou, não do que eu faço, porque escolhi ser quem eu sou”. O público vai sendo conquistado e levado a refletir sobre a condição do outro e a olharem mais atenciosamente à sua própria condição nesta vida. Um triunfo de apresentação!


DSC02754.JPG
(Momento da homenagem a Silvero Pereira pelas “Travestidas”)


E amanhã, no mesmo horário, é a vez de Engenharia Erótica.


Texto de Elvis Pinheiro.



Programa Cultura SESC Cariri
(88) 3587 1065 (SESC Juazeiro)
(88) 3523 4444 (SESC Crato)

O parque de exposições de Crato – Emerson Monteiro

Por mais que a gente não queira, se envolve nesses assuntos de governo, quando a população, nas urnas, permitiu aos administradores públicos cuidarem da sorte do povo do jeito que lhes aprouver. Ainda assim, coça por dentro uma vontade de falar qualquer palavra de cidadão no quadro que se estabeleceu.

É que se formou uma espécie de cabo de guerra entre os gestores do Município cratense e o Executivo estadual quanto ao jeito certo de resolver, daqui para adiante, onde funcionará o Parque de Exposições Pedro Felício Cavalcanti.

O tema esquentou mais durante o evento deste ano de 2011, pois cada vez o local fica menor para tanto movimento. A cidade passa por crise de, no mínimo, dez dias diferentes, com carros de todo canto do Brasil a encherem as vias do centro e dos bairros, sem lugar de circular, de estacionar, etc. A selvageria das alturas do som na área dos shows, que ninguém consegue diminuir, nem tem a quem reclamar, judiando, prejudicando a paz, ensurdecendo gerações e gerações, além de incomodar sobremaneira os bichos expostos lá em cima, transtornando as imediações e intranqüilizados as famílias que moram perto.

Bom, segundo aqueles com quem converso, pode haver mais disciplina, inclusive no que diz respeito aos estandes trazidos, aos segmentos e à seleção, talvez controle impossível nesses tempos de mercantilização e dinheiro, a interessar os organizadores da festa tradicional de 60 anos.

Outros pretendem que modernizar o parque no ponto ora existente resolve, que possui área de expansão no sentido Canfundó. Enquanto que o Governo oferece o projeto pronto de deslocar as atividades para o Sítio Palmeiral, nas bandas dos brejos, entorno da Avenida do Contorno.

Em resumo, a querela estabelecida virou domínio público. Impasses, impasses, e nenhum entendimento que pacifique e inicie as construções futuras. Até falam em possível consulta popular através de um plebiscito.

No entanto, prezadas autoridades, há de existir dose suficiente de sensatez nos juízos dos gestores para equilibrar a balança, porquanto é hora de providenciar soluções urgentes, invés de esperar outro ano de contradições para avançar alternativas sem que nada aconteça até a nova edição do apreciado acontecimento, afinal em suas mãos depositamos a nossa confiança.

NOTÍCIAS DA URCA

Professor catedrático da UNB realizará palestra na URCA
O Departamento de História da Universidade Regional do Cariri – URCA promoverá palestra com o professor Virgílio Caixeta Arraes, Catedrático de História da Universidade de Brasília – UNB sobre o tema “A política externa contemporânea dos Estados Unidos da América”. O evento se realizará na próxima segunda-feira, dia 1 de agosto, as 19 horas, no Salão de Atos da URCA, situado no campus do Pimenta, em Crato.
O professor Virgílio Caixeta Arraes é graduado em história pela UNB, com mestrado e doutorado na mesma universidade. Tem título de doutor, obtido em 2005, com a tese “Relações internacionais da Santa Sé: da fragilidade à busca de autonomia”. É especialista em Relações Internacionais contemporâneas e política externa do Brasil. Foi consultor do Exército Brasileiro no estudo prospectivo “Construção de cenários para o ano 2.030” e assessor de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, em 2006 e 2007. É consultor do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Possui 103 trabalhos publicados em revistas especializadas, 155 matérias veiculadas em jornais e periódicos e cinco livros publicados. Foi orientador de várias teses de mestrado e cinco de doutorado na UNB.
Ex-reitor da URCA nomeado Coordenador Geral do Museu de Paleontologia, em Santana do Cariri
O ex-Reitor da Universidade Regional do Cariri (URCA), Professor Plácido Cidade Nuvens, foi nomeado pela Reitora da URCA, Otonite Cortez, o novo coordenador Geral do Museu de Paleontologia de Santana do Cariri. Como diretor geral está o Professor Titus Riedl e, diretor adjunto, Idalécio Freitas.
Plácido Cidade Nuvens comandou, durante a sua gestão como Reitor da URCA, o processo de ampliação, reforma e modernização do Museu de Santana, sendo também o criador do equipamento, período em que foi prefeito da cidade de Santana do Cariri, repassando aos cuidados da Universidade, em seguida.
Hoje, o Museu é uma dos referenciais do turismo científico no Estado do Ceará e recebe milhares de turistas de várias partes do País e do exterior, além de possuir um rico acervo paleontológico. São cerca de 10 mil peças expostas. Agora, ofertando também melhores condições para os pesquisadores, com meios de hospedagem e lanchonete para os estudiosos e visitantes.

Fonte: Assessoria de Imprensa da URCA

PROGRAMA CARIRI ENCANTADO SONORIDADES – 27/07/2011

Os velhos e bons Novos Baianos
Os Novos Baianos, um dos mais emblemáticos e criativos grupos musicais brasileiros de todos os tempos, surgiram na Bahia em 1969 e vigoraram vigorosamente na cena cultural tupiniquim até 1979. Eles marcaram definitivamente a música popular brasileira dos anos 1970 como um verdadeiro caldeirão sonoro, cujos ingredientes foram os mais diversificados, como a bossa nova, o frevo, o baião, o choro, o afoxé e o rock’n’roll, sempre influenciados pela contracultura e pelo emergente Tropicalismo.
Dentre os seus constantes membros, o grupo contava com Moraes Moreira (compositor, vocal e violão), Baby Consuelo (vocal), Paulinho Boca de Cantor (vocal), Pepeu Gomes (guitarra), Dadi (baixo), Jorginho Gomes (bateria) e Luiz Galvão (letras).
Os Novos Baianos foram apadrinhados pelo papa da bossa nova, João Gilberto, e contratados pela então poderosa gravadora Som Livre, onde lançaram o antológico e festejado disco Acabou chorare, em 1972, mesclando guitarra elétrica, baixo e bateria com cavaquinho, chocalho, pandeiro e agogô. Em outubro de 2007, Acabou chorare foi eleito pela revista Rolling Stone como o melhor disco da história da música brasileira.
Nesta quarta-feira, 27 de julho de 2011, o programa Cariri Encantado Sonoridades enfoca alguns dos melhores momentos desta banda que ainda hoje é lembrada como um verdadeiro laboratório de manipulação bem sucedida de vários ritmos, tendências e gêneros musicais.

Onde ouvir
Rádio Educadora do Cariri AM 1020 e Internet através do site www.radioeducadoradocariri.com.