Arquivos mensais: julho 2010

Crônicas de uma geração: o Bar de Abidoral

O “barman” Abidoral e Salatiel, o mentor do espaço
O Abidoral em questão é o mais conhecido abidoral do Crato: Abidoral Rodrigues Jamacaru Filho, cantor e compositor, projetado a partir dos festivais de música que aconteceram na cidade por toda década de 1970.
Pois bem, Abidoral já teve um barzinho, em sociedade com o também músico cratense Calazans Callou. O bar durou pouco, acho que no máximo um ano, mas propiciou momentos aprazíveis e boas e risíveis histórias.
Era 1985, um ano bom. Abidoral foi incentivado por Luiz Carlos Salatiel a ser um empreendedor. Calazans, que na época trabalhava no Bamerindus, topou dividir os duros afazeres deste complicado ramo comercial. A ideia de Salatiel era pragmática: como era impossível sobreviver de música no Cariri naqueles anos da chamada “década perdida” da economia brasileira (permeada de inflação, pacotes heterodoxos de choques econômicos, falta de incentivo à cultura, inexistência de espaços e mercados para o artista local etc), então o jeito era construir uma alternativa que aliasse negócio e diversão. Um bar, por isso, seria o empreendimento ideal.
Calazans, que conhecia os distribuidores de bebida da região, conseguiu o fornecimento de forma consignada. O espaço escolhido foi o Bar das Anas, como era conhecido o bar mantido por Ana Cássia e Ana Leonel, que estavam deixando o ramo, localizado no conjunto Padre Cícero, bem próximo da divisa Crato-Juazeiro.
Para a rapaziada que estava órfã de um point alternativo, foi um presentaço. O local era super-agradável, bastante ventilado, amplo, visto que havia um terrenão baldio ao lado, e muito acessível. Àqueles que não tinham automóveis, a grande maioria, bastava pegar o busão da Viação Brasília e saltar na porta do bar.
O nome do bar não poderia ser outro – Bar de Abidoral – batizado que foi pelo senso comum da galera. Nem adiantaria colocar, por exemplo, “Espaço Cultural Avallon”, pois não pegaria. A rapeize prontamente dizia: vamos pro Bar de Abidoral, e pronto!
Além da bebida e do peixe frito, o outro principal prato da casa era, lógico!, música: refinado som ambiente e excelente música ao vivo. Todas as sextas e sábados, um espetáculo. Foram antológicas, por exemplo, as apresentações da Banda Cariri (leia-se João do Crato, Manel D’Jardim, Cacheado, Cleivan Paiva, Borís, Nivando, Paulo Lobo e Iran, respectivamente no vocal, baixo, bateria, guitarra, baixo, sax, trombone e piston).
Na parede externa, o pintor Romildo Alves fez um painel retratando as figuras que frequentavam o bar: artistas das mais diversas especialidades e os contumazes boêmios. Além, é claro!, de Abidoral, imagens caricaturizadas de Geraldo Urano, a la filósofo grego, e Zadinha, retratado de véu e grinalda. Zadinha, apelido do artesão Osvaldo Filho, foi a noiva da única e inesquecível quadrilha junina que o Bar de Abidoral realizou. O noivo foi Monquinha Cabral.

A COMÉDIA DA MALDIÇÃO NA PRAÇA DA SÉ – CRATO-CE – SÁBADO – 20 HORAS


A Cia. Cearense de Teatro Brincante – Ponto de Cultura do Brasil – apresenta: A Comédia da Maldição! Um dos mais aplaudidos espetáculos dos últimos tempos… Na Praça da Sé, em Crato-CE, neste sábado, 31 de julho, às 20 horas, na programação do I Festival do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão do Estado do Ceará.

Elenco: Cacá Araújo (Tandô); Carla Hemanuela (Mãe Luzia); Charline Moura (Irmã Francilina); Jardas Araújo (Cantador); Edival Dias (Padre Sebastião); Joênio Alves (Dono da Bodega); Jonyzia Fernandes (Ana Expedita); Joseany Oliveira (Leide Zefa); Josernany Oliveira (Brincante da Mula); Lílian Carvalho (Beata Carmélia); Lorenna Gonçalves (Cibita); Márcio Silvestre (Vigário Felizberto); Orleyna Moura (Viúva Fantina); Paula Amorim (Ladra); Paulo Henrique Macêdo (Fotógrafo Jorjão); Samara Neres (Zulmira); Músicos: Lifanco (viola) e elenco (percussão).

Técnica: Texto e Direção Geral – Cacá Araújo; Assistência de Direção – Orleyna Moura; Cenografia – França Soares; Sonoplastia – Cacá Araújo; Iluminação – Danilo Brito; Maquiagem – Carla Hemanuela e Joênio Alves; Figurino – Orleyna Moura e Carla Hemanuela; Guarda-Roupa – Luciana Ferreira; Operação de Som – Gabriela Melo; Operação de Luz – Danilo Brito; Música – Lifanco e Cacá Araújo; Fotografia – Gessy Maia; Cinegrafia – Toyota; Produção Executiva – Mônica Batista; Produção Geral – Sociedade Cariri das Artes.

Promoção: SATED/CE
Apoio: Prefeitura Municipal do Crato / Sociedade de Cultura Artística do Crato / Sandálias Brisa / Coletivo Camaradas




Luz

Desde tempos imemoriais já se apregoava : a sala de visitas é o coração de uma casa. Receber bem, recepcionar, sempre se mostrou muito mais arte que técnica. Com a explosão da atividade comercial , hoje já englobando campos virtuais, impensáveis em tempos passados, a sutileza no receber, no acolher, percebeu-se ter uma íntima relação, não só com o fazer amigos , mas também fidelizar clientes. A arte do acolhimento bebe no riacho da sedução. Quem recepciona, assim, deve carregar consigo segredos de diplomata, técnica de dança do ventre, sutileza de gueixa, paciência de monge. Imaginem, então, caros leitores, quando o recepcionista encontra-se ao largo do portão da vida e tem a grata função de fazer adentrar todos numa imensa morada chamada terra ? Pois , esta é a nobre função dos obstetras, dos parteiros : entreabrirem um mundo prenhe de possibilidades e desafios para a vida que explode no vagido de tantos bebês atônitos com a luz incandescente e ofuscante do novo, do belo, do misterioso. Poucas especialidades médicas são tão gratificantes, poucas carregam consigo tanto poder de refazer o gênesis e repovoar o planeta.
Pois este texto de sábado, amigos, é sobre um desses recepcionistas exímios e que, nesses dias, cumprida a missão, abriu a porta do quintal deste mundo para ser acolhido no grande pomar ao lado. Chamava-se Tarcísio Pinheiro e toda a cidade o conhecia, até porque muitos e muitos das atuais gerações foram por suas mãos conduzidos ao milagre da vida. Mais de quarenta e cinco anos de trabalhos dedicados, sem interrupção, num entreabrir incessante das fronteiras do ser, para um sem número de caririenses. Não bastasse isso, fez-se ainda cirurgião do mais fino jaez, um clínico de faro aguçado, qualidades desenvolvidas em tempos em que a medicina ainda carecia de especialistas nas mais diversas áreas. Advindo da seminal Faculdade da Bahia, a primeira do Brasil, Dr. Tarcísio trazia consigo uma sólida formação humanística e ética. E, mais que tudo, trouxe todo o seu conhecimento, adquirido com árduas penas, para junto do seu povo, da sua gente. Profissional do mais fino trato, atendia a todos com uma presteza exemplar. Assumindo inúmeros cargos : diretor de Hospital, Chefe de Perícia, Médico de Saúde Pública; nunca se soube de reclamações dos seus fiéis pacientes ao seu trabalho. Não bastasse isso, desempenhou ainda uma profunda atividade social na cidade, inserindo-se na atividade agro-pecuária e desenvolvendo ainda uma ativa participação na vida política do Crato. Fez parte de uma heróica geração de médicos que, a partir dos anos 60, revolveram os horizontes de uma Medicina ainda de fortes tons empíricos, para os largos caminhos do cientificismo : Dr. Humberto Macário, Dr. José Ulisses Peixoto, Dr. Ebert Fernandes Teles, Dr. Maurício Teles, Dr. Fábio Esmeraldo, Dr. Tarcísio Pierre, Dr. Eldon Cariri, Dr. Luciano Brito, Dr. Mozart Magalhães, Dr. Elígio Abath, Dr. Valdir Oliveira, Dr. Hugo Barreto e muitos outros.
Estupefatos, diante da fragilidade da vida, parecemos todos tristes e cabisbaixos, sem perceber que são tênues e quase imperceptíveis os limites entre a corda bamba e o abismo; entre a luz e o breu; entre o ser e o não ser. O fogo que nos faz brilhar é o mesmo que nos queima, lentamente, a cera da vela da existência. Quanto mais brilho emitimos, mais vida consumimos. O que fica ? A persistente lembrança do brilho que iluminou tantos caminhos e veredas . Ela nos consola em pensar que quem ofereceu tanta luz aos que chegavam ao vestíbulo deste mundo; deve ser recebido, com fogos de artifício, do outro lado da porta do quintal que dá para o pomar.

J. Flávio Vieira

Atitudes no bem – Emerson Monteiro

A Terra é nossa casa, eis o título adotado pelo cantor, compositor e instrumentista Nando Cordel para desenvolve um projeto que visa acordar no coração das crianças, jovens e adultos, a riqueza das boas maneiras: o respeito, a humildade, o carinho, a moral, a gentileza… chamando atenção para que cada um olhe o outro como irmão.
Tal iniciativa ganha espaço na educação de crianças e adolescentes, sobretudo na atualidade, quando cresce no Brasil campanha para conter a violência na educação dos filhos. Enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assina o projeto de lei que modifica o artigo 18 do Estatuto da Criança e do Adolescente. Com a modificação, ficará vedado aos pais adotar castigos físicos para disciplinar ou punir os filhos.
Esse projeto de lei de autoria do Executivo federal, que depende agora da aprovação do Congresso Nacional, restringe inclusive as mínimas ações de punição, desde, por exemplo, simples palmadas, vistas até então, por alguns educadores, como medidas profiláticas de combate aos hábitos nocivos, na primeira fase da vida infantil.
Diante, pois, da necessidade premente de métodos inovadores que venham suprir os instrumentos usados na formação básica, o artista Nando Cordel sai, numa firme cruzada pedagógica pelo Nordeste, utilizando-se de belas cartilhas destinadas a crianças e educadores, enfocando áreas essências da prática diária nas escolas e no lar.
Temas quais escovação dos dentes, uso de linguagem apropriada, asseio, religiosidade, sinceridade, obediência e outros, são apresentados de modo didático nesse material.
Sempre demonstrando preocupação com a adoção dos valores positivos, este pernambucano nascido em Santo Agostinho vem visitando as secretarias de educação dos municípios, visando ampliar os frutos dessa tarefa que soma às apresentações musicais destinadas à propagação do conceito da Paz entre as pessoas.
Artista versátil, consagrado fenômeno de inspiração literária e musical, este menestrel se identifica com a gente do Ceará, e, no Cariri, vem prestigiando o trabalho dos Anjos Solidários – Cevema, em Juazeiro do Norte, a consolidar sua história de 25 anos de um talento consagrador.
Além desta campanha em prol do aperfeiçoamento da educação infantil, Nando Cordel também pretende deflagrar um movimento visando aumentar as doações de órgãos humanos, ora em andamento, com músicas e apresentações.
São estas, portanto, boas e possíveis finalidades da arte engajada no corpo da sociedade, quando seus ídolos abraçam causas nobres e retribuem à altura o carinho e a predileção do grande público ao seu trabalho. Dignas de nota as atuais providências de Nando Cordel nesta nova fase de sua carreira artística.

Entrepontos encerra seu primeiro ciclo de encontros no Crato (CE)


O programa Entrepontos chega à quarta cidade do interior cearense na próxima terça, 3 de Agosto. O projeto é uma ação prévia da IX Feira da Música de Fortaleza. O fim do primeiro ciclo do Entrepontos marca a véspera da Feira, que acontecerá no período de 18 a 21 de agosto no Centro Dragão do Mar

O Crato (CE) é a última cidade do primeiro ciclo do programa Entrepontos. A série de encontros no interior cearense passou por Guaramiranga, Itapipoca e Quixadá antes de chegar ao município da região do Cariri. De 3 a 6 de agosto, o Crato recebe o encontro que envolverá músicos, técnicos, produtores e demais agentes do universo musical. Este público terá a oportunidade gratuita de interagir com convidados do Ceará e de outros estados do Brasil, assistir palestras e participar de grupos de trabalho (GTs) divididos em três áreas de capacitação da música – Comunicação; Gestão de Carreira e Produção; e Direção e Técnicas de Palco.

O Entrepontos já reúne resultados da experiência de realização do encontro nas três primeiras cidades deste ciclo. Em Guaramiranga, cerca de 40 pessoas participaram dos GTs e diagnosticaram, junto aos facilitadores, a necessidade de se organizar um núcleo produtivo para dar conta da boa movimentação do calendário cultural da cidade. A leitura parte da sugestão de que o expediente de projetos culturais realizados no município, como o Festival de Jazz & Blues e o Festival Nordestino de Teatro, pode reunir uma presença mais significativa de mão-de-obra local.

Em Itapipoca, o grupo que reuniu em torno de 70 pessoas traçou um planejamento de ações para a cena musical do município. Mobilizar uma atividade envolvendo a música de Itapipoca na Feira da Música de Fortaleza; programar uma mostra de músicos locais na capital cearense; organizar uma mostra de música na própria região; e realizar ensaios abertos da orquestra da cidade foram algumas dessas ações.

A cidade de Quixadá reuniu aproximadamente 40 pessoas, a exemplo de Guaramiranga, distribuídas entre os GTs. Na agenda quixadaense, os participantes planejaram organizar uma grande caravana para a Feira da Música; mobilizar uma atividade envolvendo a música de Quixadá também na Feira; estimular o intercâmbio Fortaleza – Quixadá entre os artistas locais; levar a tecnologia de transmissão de shows ao vivo pela Internet para outros eventos da cidade.

Em comum, os GTs de comunicação das três cidades criaram uma lista de discussão online e um blog a fim de reforçar – respectivamente – a comunicação entre os agentes do município e de conectar a produção local com o resto do mundo. O Entrepontos finaliza os encontros desta série traçando um mapeamento da cadeia produtiva da música em cada cidade, de acordo com a participação nos GTs. A atividade sugere um posicionamento para que cada participante entenda a sua responsabilidade com a cena musical local. Até então, em torno de 150 pessoas já receberam o certificado de participação no Entrepontos.

A realização do EntrePontos é da Associação dos Produtores de Discos do Ceará (ProDisc), com a parceria do Sebrae (CE) e incentivo do Sistema Estadual da Cultura (SIEC). No Crato, o programa conta com apoio da Secretaria de Cultura, Esporte e Juventude do município e do Sebrae local.

O Encontro – O Entrepontos abre a sua programação para empreendedores, gestores culturais e de entretenimento, estudantes e profissionais vinculados às linguagens artísticas e áreas afins, como Design, Moda, Comunicação Social e Turismo. O acesso é gratuito e as inscrições prévias estão abertas na sede do Sebrae do Crato (Rua Senador Pompeu, 341, Centro).

A dinâmica de cada encontro segue o esquema abaixo:

– Encontro Geral, com abertura do evento e reconhecimento dos participantes de cada município;

– Palestras temáticas, com a realização dos painéis de troca de experiências com convidados do Ceará e de fora do Estado;

– Grupos de Trabalho (GT), facilitados por agentes de reconhecido saber e experiência nas áreas de Comunicação; Gestão de Carreira e Produção; Direção e Técnicas de Palco;

– Laboratório Musical. É a atividade final do encontro, momento em que os participantes acompanharão a realização de um evento musical – com apresentação de três atrações. O laboratório será o espaço para a aplicação de conhecimentos adquiridos nos GTs, à medida do potencial e aprendizado de cada participante e de seu respectivo entendimento sobre o evento.

Programação

* Crato

Locais: Palestras e GTs na sede local do Sebrae (Rua Senador Pompeu, 341, Centro) e shows no Centro Cultural do Araripe (Largo da RFFSA – antiga estação ferroviária)
Acesso: Gratuito

– 3/8:

14 às 19h30 – Encontro geral (com intervalo)

– 4/8:

14 às 17h – Grupos de Trabalho

17h30 às 19h30 – Painel com Benjamin Taubkin (pianista do selo Núcleo Contemporâneo e membro da ABMI – Associação Brasileira de Música Independente/SP) e Amaudson Ximenes (Associação Cultural Cearense do Rock – ACR/CE)

– 5/8:

14 às 17h – Grupos de Trabalho

17h30 – Preparação para o laboratório musical

– 6/8:

9 às 16h – Laboratório musical

17h – Sorteio de brindes e finalização dos GTs

20 às 22h – Shows com Felipe Cazaux (CE) e bandas locais

Serviço – EntrePontos – série de encontros, realizada no interior do Ceará, com foco na capacitação em negócios da música. Dias 30 de junho a 3 de julho em Guaramiranga (CE), 14 a 17 de julho em Itapipoca (CE), 21 a 24 de julho em Quixadá (CE) e 3 a 6 de agosto no Crato (CE). Acesso: Gratuito. Informações gerais: (85) 3262.5011 – [email protected]

Mais informações para a Imprensa: (85) 8690.2466 – [email protected] (Felipe Gurgel) e (85) 8846.6092 – [email protected] (Débora Medeiros)

SOBRE O PARQUE ECOLÓGICO DO SITIO FUNDÃO


Acompanhei nos últimos dias as varias manifestações de setores da imprensa e da sociedade cratense, incluindo alguns visitantes que estiveram no Stand da SEMACE na Expocrato, os quais fizeram cobranças e elogios aos encaminhamentos dados pelo órgão em relação à administração e qualificação do Parque Estadual do Sítio Fundão. Muitos porém, acusando negligência do Estado e cobrando informações acerca do processo de implantação daquela Unidade de Conservação.

Como cidadão cratense, interessado em esclarecer tais fatos, procurei informações na SEMACE e na SECULT sobre o processo, que agora repasso, para que a população cratense fique melhor informada.

De início informo que a SEMACE, escritório do Crato, tem todas as informações necessárias sobre o processo de implantação do referido Parque. Qualquer cidadão cratense pode se dirigir ao escritório daquele Órgão que será atendido em qualquer indagação acerca do processo do Sítio Fundão. Inclusive, a partir de 1º de junho foi nomeado como Gerente do Parque, o professor Mardineuson Sena.

O processo de aquisição da área, bem como de criação do Parque Ecológico do Sítio Fundão, foi um projeto apresentado e aprovado pelo Governo do Estado, na gestão do então Presidente do Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente, André Barreto, ainda em 2008.

Quanto às construções previstas para o Parque, informo-lhes que houve a assinatura da Ordem de Serviço pelo Governador Cid Gomes, em junho de 2009, como é do conhecimento de todos, no entanto, a empresa contratada nunca iniciou as obras previstas. Inicialmente, a empresa argumentou a falta de ligação de energia elétrica, fato sanado com a intervenção do próprio Governo do Estado, mas ao final demonstrou total desinteresse na realização do projeto, fato que independe da vontade dos órgãos envolvidos. No momento as obras previstas estão sendo discutidas dentro do órgão com o posterior encaminhamento para outra empresa.

Pelo projeto seriam construídos: Um prédio para a CPMA (Polícia Ambiental), uma sede para a Unidade de Conservação/SEMACE, uma casa para o Gerente do Sítio Fundão, um estábulo para cavalos da CPMA, galpão garagem para máquinas/veículos, um espaço multiuso com auditório e alojamentos.

Neste espaço de tempo, a SEMACE recebeu uma demanda da SECULT, informando que estava em análise um pedido de tombamento da casa, do engenho e da barragem. O pedido foi feito pelos ambientalistas, professor Eldinho Pereira da Silva e Miralva Ferreira Guedes da Silva (ver pareceres dos processos 07106346 3 e 07272650 4, da SECULT – CE), sendo também alertada sobre as possibilidades de impacto ambiental causado pela quantidade de intervenções físicas no Parque.

Observem que o Órgão (SEMACE), por força de Lei, não tem poderes para intervir nestes imóveis enquanto durar o processo de tombamento que também envolve o COEPA e o IPHAN. No entanto, continua a buscar uma solução rápida para a questão.

A SEMACE, de forma tempestiva, acatou a demanda e está reestudando o projeto, de forma a diminuir ao máximo as intervenções físicas e outros impactos considerando os fixos e fluxos que poderão ser instalados na Unidade de Conservação. Foi pedido o desmembrando de dois itens do referido projeto como forma de agilizar a liberação do Parque à comunidade:
I – Abertura das trilhas (cujo mapeamento já está pronto)
II – Sinalização do Parque para facilitar/orientar a visita.

Insisto na informação daqueles que procuram outros meios (rádios, jornais, blogs) para falar sobre o assunto, que a SEMACE, escritório do Crato, tem todas as informações necessárias sobre o processo de implantação do Parque Estadual Sítio Fundão, e que estas informações estão ao alcance de todos. Procurem o Professor Mardineuson, gerente do Parque. Lembro ainda que todos os processos de Governo são públicos e podem ser acessados por qualquer cidadão através da Internet.

Quanto à proibição de visitas, informo-lhes que o processo envolve a Promotoria Pública do município do Crato e, segundo o próprio Promotor, “é uma questão de segurança do Parque e das pessoas”. Mas com o envio de documento, ressaltando os objetivos da visita, a autorização pode ser expedida pela gerência do Parque, mediante a viabilização e o acompanhamento por parte da CPMA, sempre no turno da manhã.

As dúvidas podem se tiradas com a Gerência de Unidade de Conservação (88) 8844 5750 e (88) 3102 1288. E as que não forem tiradas em Crato podem ser dirigidas à Sra. Elisabete Romão, Coordenadora Florestal, na SEMACE Fortaleza, à qual está vinculada a Unidade de Conservação Parque Sítio Fundão, pelo telefone (085) 3101-5546.

Um abraço

Wilton Dedê

Numa lua quase cheia de julho – Emerson Monteiro

Sob os efeitos recentes da tempestade de emoções vividas por ocasião do lançamento do livro Cariricaturas em verso e prosa, acontecido na noite de 24 de julho de 2010, nas dependências do Crato Tênis Clube, resolvo escrever algumas palavras neste assunto.
Junto dessa vontade, me veio ao pensamento uma polêmica verificada no auge do jornal O Pasquim, arauto brasileiro da contracultura na década de 60, quando o escritor Luiz Carlos Maciel escrevia artigos analisando o conteúdo existencial das letras de Noel Rosa e, sem intenção deliberada, feriu o espírito realista do célebre Millôr Fernandes. Assim, sem querer, provocou cisão irreparável no grupo de artistas e intelectuais do semanário, abrindo brecha intransponível para a sua continuidade. Tudo por conta do modo romântico de olhar a vida sem meias tintas, com fartura de emoções, aos moldes da avaliação literária.
Na tempestade que invadiu o espaço do tradicional recanto da sociedade cratense, nessa noite de autógrafos repleta de escritores, convidados, falas e música, causou espécie a farta emocionalidade do instante. Cercado de amigos que se reencontravam, vindos alguns de lugares distantes, público feliz desfrutou ocasião pródiga e espontânea. Viu-se de perto o Crato criativo, resistente e culto redimido em ocasião típica dos seus melhores dias de antes experimentados.
A festa produzida por Socorro Moreira, Claude Bloc e Edilma Rocha, animada por Hugo Linard e banda, reavivou bons sentimentos do auge de épocas bem especiais guardadas na memória. O mistério dessa intensidade, desse fulgor, lembra a frase de Saint Exupéry que diz: Quando o mistério é muito impressionante não cabe desobedecer.
Em meio ao sucesso das atividades em movimento, busquei agir como quem anda nos corredores internos de uma loja de porcelanas e vidros finos. Tantas valiosas personalidades vistas de perto, ao gosto por literatura, cultura, arte; figuras marcantes todo tempo, nos vários estágios dos caminhos desse rincão forte do Cariri, formaram painel verdadeiro de histórias e ocasiões, no encontro ao natural. Uma grande nave de cumplicidades circunscreveu sonhos pelo ar, feito o clima imponderável dos filmes geniais de Federico Fellini, decerto.
Daí soube as razões internas da vez em que Luiz Carlos Maciel analisou as letras dos sambas de Noel Rosa com a lente dos sentimentos. Porquanto há dimensões que apenas pelo lado de dentro se pode tocar, independentes dos caprichos horizontais da razão fria, das matemáticas.
Nesse aspecto, foi o professor José Newton Alves de Sousa quem, ao agradecer as homenagens recebidas, melhor definiu a voltagem da festa.
Fez menção a outro discurso e consignou mudança radical que, então, vivenciara na fisiologia de seu corpo, pois diante daquilo todo ele se transformava apenas em um coração.