Arquivos mensais: novembro 2009

GUERRILHEIROS COMEMORAM VITÓRIA

BR 116 – ALLYSSON AMANCIO CIA. DE DANÇA DEU SHOW ONTEM


A 1ª GUERRILHA DO ATO DRAMÁTICO CARIRIENSE TERMINA HOJE E A LUTA CONTINUA! ATÉ 2010, 2011, 2012, 2013…

A Guerrilha do Ato Dramático Caririense, promovida pelos Pontos de Cultura do Brasil Sociedade Cariri das Artes e Sociedade de Cultura Artística do Crato, é o grande acontecimento das artes cênicas produzidas no Cariri cearense.

Ontem, sábado, uma das maiores revelações da dnça contemporânea brasileira esteve em cartaz no Teatro Rachel de Queiroz. Trata-se do premiadíssimo espetáculo BR 116, criado, coreografado e dirigido por Allysson Amâncio, com a Allysson Amancio Cia. de Dança. Outra uma vez o teatro superlotado, como tem sido rotina na Guerrilha.

ESPETÁCULO DESTE DOMINGO: BÁRBARO, COM O GRUPO NINHO DE TEATRO

Mais de 4.000 pessoas já prestigiaram o evento, que se iniciou no dia 7 e se encerra hoje, 22 de novembro, com a apresentação da peça “BÁRBARO”, dirigida por Jânio Tavares e Joaquina Carlos, do Grupo Ninho de Teatro. Após o espetáculo, as companhias participantes receberão o Troféu Juscelino Leal Lobo Júnior e seus integrantes serão contemplados com certificados de participação na Guerrilha.

Cacá Araújo informa que já está agendada para sábado próximo, dia 28 de novembro, às 16 horas, no Teatro Rachel de Queiroz, uma reunião para avaliação e prestação de contas, além de discussão sobre a futura Cooperativa Cariri das Artes Cênicas.

GUERRILHA É PRESTIGIADA PELO POVO

Uns querem negar, outros tentam esconder, alguns alienígenas incham de raiva, mas a verdade é que a Guerrilha do Ato Dramático Caririense é a grande unanimidade quando se fala em artes cênicas do Cariri. Iniciada no dia 7 e rumando até o dia 22 de novembro, é a vitrine da criatividade cênica regional. É a mostra do Cariri! Quase 4.000 pessoas na Guerrilha até agora!!!

Hoje, sábado, 21, a Allisson Amâncio Companhia de Dança apresenta o consagrado espetáculo “BR 116”, uma das maiores expressões da dança cearense e nordestina, às 19h30min, no Teatro Rachel de Queiroz, em Crato-CE.


O CARIRI NÃO SE RENDERÁ JAMAIS!!!

Nada nem ninguém poderá deter a força do gesto coletivo. As companhias que formam a Guerrilha desde já agradecem a simpatia popular.

Ontem, sexta-feira, dia 20, a peça “ESPERANDO COMADRE DAIANA”, dirigida por Renato Dantas, com a Cia. Livremente de Teatro, carregou grande público superlotando o Teatro Rachel de Queiroz em duas sessões.



Seleção para programação

Adiado para próximo dia 27 o resultado da seleção para programação dos Centros Culturais BNB em 2010

FORTALEZA, 20.11.2009 – O Banco do Nordeste do Brasil (BNB) está prorrogando, de hoje (sexta-feira, 20) para o próximo dia 27, o prazo para divulgação do resultado da seleção de propostas artísticas para participação, durante o ano de 2010, nas programações dos Centros Culturais Banco do Nordeste-Fortaleza, Cariri (em Juazeiro do Norte, região sul do Ceará) e Sousa (no alto sertão paraibano).

O adiamento ocorre por fatos que impactaram nos procedimentos necessários à finalização do processo de tabulação e consolidação dos dados oriundos das comissões avaliadoras.

Foram inscritas 1.455 propostas, sendo 513 de música, 218 de artes cênicas, 211 atividades culturais infantis, 204 de artes visuais, 145 oficinas de formação artística, 102 cursos de apreciação de arte e 62 de literatura.

Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail [email protected] ou pelos fones (85) 3464.3108 (Fortaleza), (88) 3512.2855 (Cariri) e (83) 3522.2980 (Sousa).

http://www.bnb.gov.br/Content/aplicacao/Grupo_Principal/Nordeste_Noticias/conteudo/nordeste_noticias_detalhes.asp

Programa de Cultura


Seleção de Projetos

Divulgada a relação dos projetos selecionados pelo PROGRAMA BNB DE CULTURA – EDIÇÃO 2010 – PARCERIA BNDES:

Artes Cênicas
Avaliadores: Fernando José de Brito Piancó (CE), Telma César Cavalcanti (AL), José Sávio Oliveira de Araújo (RN), Fernando Antônio Abath Luna Cananéa (PB) e Luiz César Alvez Marfuz (BA).

Artes Visuais
Avaliadores: João Carlos Rodrigues Oliveira (MG), Ayrson Heráclito Novato Ferreira (BA), Dyógenes Chaves (PB), José Walter Teles Chou (SE) e Ana Jacira Borges Oliveira (MA).

Audiovisual
Avaliadores: Glauber Paiva Filho (CE), Gabriela Caldas Gouveia de Melo (SE), Cláudio Roberto de Araújo Bezerra (PE), Euclides Barbosa Moreira Neto (MA) e Maria Laura Souza Alves Bezerra Lindner (BA).

Literatura
Avaliadores: Feliciano José Bezerra Filho (PI), Raimundo Carrero de Barros Filho (PE) e Simone Cavalcante de Almeida (AL), Ana Cristina Marinho Lúcio (PB) e José Abimael da Silva (RN).

Música
Avaliadores: Antônio Carlos Tavares da Cunha (BA), Carlos Alberto Alencar da Silva (CE), Raimundo Aurélio de Melo (PI), Luciano Cândido e Sarmento (MG) e André Luiz Muniz Oliveira (RN).

Artes Integradas ou não-Específicas
Avaliadores: Daniel Lima Santiago (PE), Laércio Ferreira de Oliveira Filho (PB), Ana Amélia Melo de Oliveira (RN), Jorge Alan Pinheiro Guimarães (CE) e Francisco Laerte Juvêncio Magalhães (PI).

20 de novembro:dia da consciência negra

A CARNE MAIS BARATA DO MERCADO É CARNE NEGRA
Que vai de graça pro presídio
E para debaixo de plástico
Que vai de graça pro subemprego
E pros hospitais psiquiátricos

A carne mais barata do mercado é a carne negra

Que fez e faz história
Segurando esse país no braço
O cabra aqui não se sente revoltado
Porque o revólver já está engatilhado
E o vingador é lento
Mas muito bem intencionado
E esse país
Vai deixando todo mundo preto
E o cabelo esticado

Mas mesmo assim
Ainda guardo o direito
De algum antepassado da cor
Brigar sutilmente por respeito
Brigar bravamente por respeito
Brigar por justiça e por respeito
De algum antepassado da cor
Brigar, brigar, brigar

A carne mais barata do mercado é a carne negra

GUERRILHA JÁ É VITORIOSA!!!



GUERRILHA DO ATO DRAMÁTICO MOSTRA A VALOROSA CENA DO CARIRI

A Guerrilha do Ato Dramático Caririense, realizada pela Sociedade Cariri das Artes e Sociedade de Cultura Artística do Crato, Pontos de Cultura do Brasil, entra hoje, terça-feira, dia 17 de novembro, no seu décimo primeiro dia já tendo conquistado a simpatia do público por sua organização e qualidade dos espetáculos.

Às 19h30min, também no Teatro Rachel de Queiroz, em Crato-CE, o brinde será o premiado monólogo “COQUETEL”, com a Companhia Wancylus Gat de Teatro, de Crato-CE, escrito, dirigido e atuado por Wanderley Tavares.

Amanhã, dia 18, a Companhia Livremente de Teatro, de Juazeiro do Norte-CE, apresentará a peça “DENTRO DA NOITE ESCURA”, de Emannuel Nogueira, dirigida por Jean Nogueira.

Cacá Araújo, idealizador e coordenador da Guerrilha, declara que a produção teatral no Cariri é intensa e diversificada. “Aqui temos excelentes dramaturgos, atores brilhantes, encenadores geniais. Mas a maior virtude do nosso teatro é o significativo abandono dos clichês e da estética ditada pelos grandes centros urbanos do Sul e Sudeste, principalmente através de ações midiáticas criminosamente discriminatórias, hegemonistas e preconceituosas em relação ao Nordeste”, afirma, pontuando também que “o produto teatral do Cariri tem que ter o aroma, o rebolado, o ritmo, a história, a cultura do nosso povo, que, longe de significar isolamento, revela avassalador conteúdo universal e fortalece a identidade, soberania, a auto-estima e o sentimento de pertença”.

O coordenador da Guerrilha informa, ainda, que a tática de exposição focada na produção realizada no Cariri está demonstrando êxito, visto que a adesão do público é massiva, ampliando o contingente daqueles que valorizam a arte e o artista caririenses.

A programação da Guerrilha segue até o dia 22 de novembro, quando as companhias participantes serão agraciadas com o Troféu Juscelino Leal Lobo Júnior.

Cacá Araujo – Comunista da dramaturgia do povo


Coletivo Camaradas: Quem é Cacá Araújo?

Comunista, professor, dramaturgo, ator, diretor de teatro, poeta, folclorista. Filho de José e Joselita. Pai de Diogo Stálin, Carlos Ângelo, Maria Isaura e Lilith. Guerrilheiro permanente em defesa da liberdade, da democracia e do socialismo.

Coletivo Camaradas: Quando teve início seu trabalho artístico?

Há mais de vinte e cinco anos, no movimento literário, juntamente com os poetas Gênes de Alencar e Domingos Sávio Barroso, criando posteriormente o Grupo Artístico-Cultural poesia, Vida & Sangue, responsável pela edição de vários livros de poesia, em especial a Antologia Poetas do Cariri 1986, da qual participaram novos e consagrados poetas como Saraiva de Sá e Patativa do Assaré.



Coletivo Camaradas: Quais as influências do seu trabalho?

Minha formação principal é baseada na militância política fundada no marxismo-leninismo, sem desconsiderar que me criei no meio da feira do Crato, alternando com longas estadas no Sítio Riacho Vermelho, de propriedade de meu avô, no Distrito de Santa Fé. Em decorrência disso, de ser orgulhosamente matuto do pé da serra, veio a natural influência das tradições populares, das histórias do campo, da alma sertaneja.

Outra grande influência é a grande oportunidade e privilégio de conviver com os mestres do folclore local, como o Mestre Cirilo, Mestre Aldenir, Mestre Raimundo Aniceto, Mestra Zulene Galdino, Mestra Edite Dias e tantos outros.

Além de Marx, Engels, Lênin, Stálin, Amazonas e os nossos Mestres da Cultura Popular, outros como Brecht, Stanislavski, Augusto Boal, Dario Fo, Plauto, Aristóteles, Sófocles, Eurípedes, Ésquilo, Camões, Garret, Patativa do Assaré, Pedro Bandeira, Eloi Teles, Câmara Cascudo, Suassuna, Seu Joaquim Vicente, Júlia Doida, Miguel Preto, Capela, Sorriso, Incha Tetê, Tandô, entre muitos outros de ontem, transantontem e de hoje.

Coletivo Camaradas: Como você vê a relação entre arte e política?

São partes de um todo indivisível, apesar de alguns tolos, imbecis e ou mercenários negarem. Arte é resultado da inventividade humana, que deriva de sua existência material, que por sua vez determina sua base espiritual e intelectual.

Coletivo Camaradas: Seu trabalho segue uma dramaturgia de afirmação cultural? Qual a relação da sua produção com a de Ariano Suassuna?

Erguemos a mesma bandeira política da defesa da soberania nacional tendo a cultura popular como principal elemento identitário do país. As matrizes culturais que, caldeadas, formam a identidade nacional, revelam que nossas raízes são universais ao mesmo tempo em que manifestam a plural singularidade brasileira.

Coletivo Camaradas: Em 1988, você foi aluno do dramaturgo Augusto Boal (falecido recentemente) , fundador do Teatro do Oprimido. Qual a sua opinião sobre a contribuição deste teórico no campo do fazer teatral?

O Boal é a maior referência teatral das américas e um dos mais importantes nomes mundiais de todos os tempos. Seu teatro é verdadeiramente revolucionário porque propõe a inclusão do espectador no universo cênico, discutindo, analisando e protagonizando soluções na cena, como que ensaiando as transformações que a vida real exige.

Coletivo Camaradas: Você trabalha com a metodologia do Teatro do Oprimido?

A poética do oprimido é um compêndio político de extrema significação para quem vê no teatro uma forma de manifestar a alma e os anseios populares. Em várias ocasiões trabalho com várias técnicas do TO, seja com grupos específicos (professores, estudantes e comunitários, por exemplo), ou mesmo no dia-a-dia do desenvolvimento dos atores de nossa companhia teatral.

Coletivo Camaradas: Qual a contribuição do marxismo para o teatro?

O Marxismo é fundamental para a compreensão do mundo e suas implicações políticas, econômicas, sociais e culturais. Oferece o embasamento ideológico para que uma ação, inclusive o teatro, adquira conteúdo revolucionário e contribua na educação das massas para as necessárias transformações sociais.

Coletivo Camaradas: Qual sua produção em dramaturgia?

Minha dramaturgia “brincante” é toda ela pontuada pela mitologia, causos, história e costumes regionais: “A Comédia da Maldição”, que apresenta o mito da Mula-sem-cabeça; “O Pecado de Clara Menina”, abordando relações de poder e matreirices sertanejas, inspirada em poema anônimo medieval ibérico; “As presepadas de Zé Ozébe”, sugerida pelo cordel A história do cavalo que defecava dinheiro, de Leandro Gomes de Barros; “a Donzela e o Cangaceiro” (premiada pela Bolsa Funarte de Estímulo à Dramaturgia 2007), que traz o mito da Caipora e aborda temas ecológicos; e “O Mapa da Botija”, comédia infantil de aventura que evidencia o mito do “Papa-Figo” e a lenda caririense da “Pedra da Batateira”.

Tenho também textos que abordam temática urbana contemporânea, destacando-se: “Monólogos das Flores Violadas”, baseado em reportagens sobre casos de exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias federais do Ceará; e “Lágrimas no papel”, inspirado na história da militante comunista Helenira Resende, assassinada pela repressão militar na Guerrilha do Araguaia, em 1972.

Coletivo Camaradas: Como você analisa a atual conjuntura de políticas públicas que vem sendo desenvolvida pelo Ministério da Cultura?

É a expressão prática da democratização de bens e meios de produção culturais, principalmente através do genial programa de Pontos de Cultura, além de outras não menos importantes ações desenvolvidas por meio de editais, patrocínios diretos, estímulo ao mecenato e criação de sistema nacional de cultura envolvendo a totalidade de estados e municípios.

Coletivo Camaradas: Como você vê a produção teatral na região do Cariri?

Intensa e diversificada. Aqui temos excelentes dramaturgos, atores, encenadores, produtores. Mas a maior virtude do nosso teatro atualmente é o abandono dos clichês globais e da estética ditada pelos grandes centros urbanos do Sul e Sudeste, principalmente através de ações midiáticas criminosas, hegemonistas e preconceituosas. O produto teatral do Cariri tem que ter o aroma, o sotaque, o rebolado, o ritmo, a história, a cultura do nosso povo que, longe de se fechar na região, revela uma avassaladora universalidade.

Entretanto, ainda há equívocos institucionais sérios, quando alguns órgãos, mesmo com dinheiro público, promovem um intercâmbio doutrinador e eliminador da auto-estima, quando desprestigiam a cena local.

Justiça precisa ser feita ao excelente desempenho do Centro Cultural Banco do Nordeste, que, ao longo do ano, atua na formação de platéia através do gosto pela cena produzida na região, fazendo-a circular e ganhar sentido de existir. Isso tem dado excelentes resultados na qualidade da produção caririense, além de gerar renda para os grupos e companhias.

Coletivo Camaradas: A Guerrilha do Ato Dramático Caririense é uma realidade. O que é e como surgiu a idéia deste evento?

A Guerrilha é um movimento em favor da diversidade, respeito e afirmação da identidade cultural brasileira, especialmente por destacar a dramaturgia e a encenação produzidas no Cariri cearense como fortes elementos identitários do nosso povo. Foi, portanto, pensado a partir do debate com atores, diretores, dramaturgos e produtores, como forma de valorizar a produção dramatúrgica, a encenação e a realização de espetáculos na região, posto ser necessária intervenção de impacto que abra espaços de difusão da arte e do artista caririense, nordestino, brasileiro.

Esperamos, na continuidade desse processo, criar uma cooperativa de artes cênicas com o fim de garantir a unidade em defesa de ações formativas, difusão, desenvolvimento e, principalmente, reconhecimento aos artistas e suas produções.

A COMÉDIA DA MALDIÇÃO FOI RECORDE DE PÚBLICO



GUERRILHA DO ATO DRAMÁTICO CARIRIENSE SE FORTALECE A CADA DIA!!!

A peça teatral A COMÉDIA DA MALDIÇÃO, escrita e dirigida por Cacá Araújo, encenada com a Companhia Cearense de Teatro Brincante, protagonizou, ontem, recorde de público na Guerrilha do Ato Dramático Caririense, no Teatro Rachel de Queiroz, em Crato-CE. Foram duas sessões lotadísimas, nas quais quase 500 pessoas se divertiram com a famosa comédia, que tem em seu elenco a primeira dama do teatro cearense Orleyna Moura ao lado da mais nova integrante da companhia Jéssica Lorenna Gonçalves.

SINOPSE:
Num pequeno povoado do interior nordestino, a linda jovem Ana Expedita, louca de paixão pelo Vigário Felizberto, vale-se de uma infalível simpatia para conquistar o coração do amado: serve-lhe café coado no fundo da calcinha. Com ele amancebada, é condenada à terrível maldição de virar Mula-sem-cabeça.

Sabendo da desgraça da filha, a rica viúva Fantina encarrega os homens da cidade da tarefa de descobrir como desfazer o encantamento e como prêmio ganhar muita riqueza. É aí que Tandô, antigo namorado da viúva, se transforma em herói! Mas a menina não podia ver batina e…

ELENCO:
Andecieli Martins: Irmã Francilina
Cacá Araújo: Tandô
Carla Hemanuela: Zulmira e Mãe Luzia
Feitosa Chaves: Fotógrafo Jorjão
Jardas Araújo: Cantador e Dono da Bodega
Jéssica Lorenna Gonçalves: Cibita
Jonyzia Fernandes: Ana Expedita
Joseany Oliveira: Beata Carmélia e Leide Zefa
Josernany Oliveira: Brincante da Mula
Orleyna Moura: Viúva Fantina
Paula Amorim: Ladra
Tio Bibi: Padre Sebastião
Vinicius Pinho: Vigário Felizberto

MÚSICOS:
Walesvick Pinho
Vinicius Pinho

TÉCNICA:
Texto e Direção Geral: Cacá Araújo
Assistência de Direção: Orleyna Moura
Cenografia: Artesão França
Sonoplastia: Cacá Araújo
Operação de Som: Gabriela Melo
Iluminação: Jardas Araújo e Danilo Brito
Operação de Luz: Danilo Brito
Figurino: Orleyna Moura e Carla Hemanuela
Maquiagem: Carla Hemanuela
Guarda-Roupa: Luciana Ferreira
Pesquisa e Arranjos Musicais: Lifanco
Produção Executiva: Mônica Batista
Produção Geral: Sociedade Cariri das Artes

FUTURO:
O coordenador da Guerrilha, Cacá Araújo, já anuncia que, para o próximo ano, estão sendo planejadas oficinas, debates e experimentações, além da mostra de espetáculos de teatro e dança, num período que deverá ser de pelo menos 30 ou 60 dias, nas cidades de Crato, Juazeiro e Barbalha.

Outras vertentes que deverão ser exploradas serão o cinema, que terá a coordenação do cineasta Jackson Bantim, autor do filme AS SETE ALMAS SANTAS VAQUEIRAS, e as artes visuais e instalações comunitárias, com a articulação do Coletivo Camaradas.

A Guerrilha do Ato Dramático Caririense é uma ação de afirmação e defesa das artes cênicas da região, forjada inicialmente por grupos e companhias de Crato e Juazeiro, com programação que se estenderá até o dia 22 de novembro, sempre no Teatro Rachel de Queiroz, em Crato-CE.

Hoje, segunda-feira, às 19h30min, teremos a apresentação do espetáculo DESMISTIFICANDO TABUS, com a Cia. Mandacaru de Artes e Eventos. E amanhã, terça, dia 17, a peça COQUETEL, escrita, atuada e dirigida por Wandeley Tavares, com a Companhia Wancylus de Teatro.

Prof. Cacá Araújo
Coordenador Geral da Guerrilha do Ato Dramático Caririense
Crato-CE

Justiça determina indenização às famílias das vítimas de soro contaminado

Em 2002, nove pessoas morreram depois de usar soro Ringer com lactato; parentes de duas das vítimas receberão pensão vitalícia, além da indenização

A Justiça determinou, na última quinta-feira (12), que os parentes de duas pessoas que morreram em 2002 depois de usar soro Ringer com lactato sejam indenizadas. Nove pessoas morreram por causa do soro. Na época, exames realizados mostraram que o produto estava contaminado por uma toxina liberada por bactérias.

A esposa de José Wanderley Gomes de Oliveira vai receber R$ 180 mil de indenização mais uma pensão vitalícia de dois salários mínimos mensais. Já a viúva de José Oliveira Barros receberá uma indenização de R$ 170 mil, além de pensão mensal de um salário mínimo.

Os valores foram calculados de acordo com expectativa de vida das vítimas. O laboratório do produto condenado. Em uma ação criminal julgada em março deste ano, os donos da empresa receberam pena de 15 anos de cadeia cada.

“Essa decisão foi tomada acatando aos recursos dos laboratórios. A pensão retroage à data do óbito”, explicou o juiz de Caruaru, Marupijara Ribas (foto). “Os réus poderão interpor um novo recurso no prazo de 15 dias no Tribunal de Justiça de Pernambuco”.

A reportagem tentou entrar em contato, por telefone, com os representantes da empresa Farmace, que fica no município de Barbalha, no Ceará, mas ninguém atendeu as ligações.

Da Redação do pe360graus.com, com informações da TV Asa Branca