Arquivos mensais: agosto 2009

“Patativa Encanta em todos os Cantos” percorre o Ceará


Em cada município do Ceará, um caminhão com toda a obra de Patativa passa cerca de dois dias, aberto a população para visitas gratuitas, de 10h às 22h.

A Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) e a Fundação Memorial Patativa do Assaré, lançam dentro da programação alusiva ao centenário do poeta do Assaré o projeto Patativa do Assaré Encanta em todo Canto, programação itinerante a 95 municípios do Ceará com objetivo difundir a importância da poesia popular pelo Estado. O lançamento da ação itinerante ocorre no próximo dia 28 de agosto, às 18h, na Praça Marcelo Champagnat, na cidade de Iguatu, onde ocorre o São João fora de época em homenagem Patativa. Estão confirmadas as presenças do Governador do Estado do Ceará, Cid Gomes, e do Secretário da Cultura, Auto Filho.

Um caminhão baú percorre 95 municípios do Ceará até dezembro de 2009, levando mostras de filmes, fotografias e publicações do Pássaro Poeta, Patativa do Assaré, que em 2009 completaria 100 anos. A cada município, o caminhão passa cerca de dois dias, aberto a população para visitas gratuitas, de 10h às 22h.

Com a chegada do caminhão, a população terá acesso a linha cronológica da vida e obra de Patativa do Assaré e conhecer a discografia, bibliografia e filmografia, além de todas as obras que se debruçaram sobre a vida de uma das mais importantes personalidades da cultura do Ceará. Uma exposição fica em cartaz dentro do caminhão: a mostra “Patativa do Assaré – Poeta Cidadão”, com painéis e fotografias do poeta. À noite, a partir de 18h, um palco estará armado para apresentações espontâneas do lado externo. Ali, repentistas, trovadores e interessados podem prestar suas homenagens e promover apresentações da cultura popular. . A noite também serão exibidos em telão alguns filmes, como o documentário “Ave Poesia”, de Rosemberg Cariry e a animação “Patativa”, de Ítalo Maia. Estão previstas ainda a realização de oficinas e palestras.

Por entender que a obra de Patativa pode ser utilizadas como ferramenta de reflexão, formação e valorização do povo cearense, o professor Cândido B. C. Neto, coordenador de ação Cultural da Secretaria da Cultura do Estado, explica o projeto de democratização e salvaguarda do nosso patrimônio imaterial. “O Patativa é um desafio, atravessando as gerações, sem os hábitos estéticos da civilização urbana, ele permanece com uma produção rural, universalizada, na escola itinerante da vida. Nada mais salutar do que celebrar seu centenário perto do povo”.

Patativa Encanta em todo Canto é uma ação do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, com promoção da Fundação Memorial Patativa do Assaré, administrada pela família do poeta.

Roteiro – A primeira cidade a ser visita é Iguatu, que recebe o caminhão nos dias 28 e 29 de agosto, de 10h às 22h. Depois ele segue para Várzea Alegre para as festividades de São Raimundo, nos dias 30 e 31 de agosto, de 10h às 22h.

Já no dia 02 e 03 de setembro, o caminhão do projeto Patativa Encanta em Todo Canto chega a Fortaleza e estará disponível para a população na frente do Theatro José de Alencar, de 7h às 20h. Em cada município, o caminhão passa cerca de dois dias, aberto a população para visitas gratuitas. Mais informações: 85-3101-6763

Artista no Cariri propõe juntar palitos para pensar arte

Como a denominação “Cabeças Queimadas”, projeto desenvolverá experiência em Arte Processo com jovens da periferia do Crato. O inicio dos trabalho começará nesta terça-feira, dia 01 de setembro.

Juntar palitos de fósforos e depois colar de forma aleatória é o propósito do novo trabalho do artista e arte-educador, Alexandre Lucas.
O trabalho será desenvolvido na Comunidade do Gesso, com jovens do Projeto Nova Vida. Para o artista, a localidade tem um valor simbólico, tendo em vista, que no período da sua infância e adolescência residiu nas proximidades da antiga zona de prostituição do Crato.
Mais que juntar e colar palitos de fósforos, o artista pretende fazer um trabalho que na arte contemporânea recebe a denominação de “Arte Processo”. Neste caso, o percurso do processo artístico é mais importante do que o próprio resultado final. A proposta do trabalho reúne várias linguagens artísticas e da comunicação como registro fotográfico e audiovisual, vivências, produção de blogs, formação de rede de comunicação e produção textual. Lucas ressalta que a intenção é possibilitar que o cotidiano possa aproximar o grande público do fazer artístico. Ele destaca que o processo de fruição da arte acontecerá no próprio espaço familiar e cita que o simples ato de juntar palitos de fósforos acarreta um mudança de habito e uma discussão sobre arte. O resultado do trabalho deverá ser transformado em material didático.
A arte-educadora do Projeto Nova Vida, Elizangela Nepomuceno destaca que na “Arte Processo” é criada a possibilidade reflexiva e a instigação estética a partir dos cotidiano dos participantes. A arte-educadora acredita que esses trabalhos com palitos irá possibilitar novas formas de pensar a arte e o contexto social. Ela acrescenta que é importante fazer com que as pessoas se sintam parte da sociedade e da arte.
Edilânia Rodrigues, coreógrafa do Projeto Nova Vida destaca que esse tipo de ação é uma forma de possibilitar novos contatos e possibilidades de fazer arte. Para a coreógrafa isso possibilitar uma valorização dos alunos e ampliar o campo de conhecimento deles. Edilânia enfatiza que propostas em Arte Processo possibilitam uma metodologia de construção e de tomada de consciência em relação arte.

VIVER UM POEMA

O dia em que Van Gogh chorou.
Você já teve a impressão de conversar com sua mãe e ela achar que não
lhe escuta?
Pois eu já. E descobri que o fato desse fato de ausculta é apenas um lapso
de sossego necessário do corpo; Que busca sua caverna interior de suas
lembranças e de seus achados e perdidos antigos, eu diria mesmo que
ancestrais. Mas como fazer a população focar no clima e na doença
psíquica que os seres que hibernam ressentem…
A sensação da dança em torno do seu próprio umbigo faz com que o
transparecer pareça até uma palavra mal dita! Quem diria. Quem diria.
Quem diria.
Eis a questão que me coloco no meu escritório hoje, a do umbigo e o bigo.
A Ode.
O saber das danças indígenas e indianas, em que o corpo mal sabe que
sonha. Ancorado – acorrentado. Por palavras podres em vez de doces de
mel, de deidades de mel…
mel riso
mel riso
meu riso.
sorriso.
Sozinho.
sorriso.
Quando encontrei você, renasceu em mim aquele quadro em que o céu
profundo trouxe o seio ao mundo amamentando o sol do escume. Ao lado
teu, meu corpo se apaixona e devora o manto, das delícias humanas
transfiguro meu olhar em teu sorriso.
mel riso.
meu riso.
Estrela do mundo, contorno de um novo mundo que aliena o fundo e
transborda o mundo.
Sociedade mediatista!
Mediática, midiática.
Matemática.
Tão lindo teu sorriso…

Rebecca Soares Espínola

I SEMINÁRIO CARIRI CANGAÇO

Crato, CE · 22/9 a 26/9
fonte: Kaika Luiz · Crato (CE)

SBEC

I SEMINÁRIO CARIRI CANGAÇO
De 22 a 26 de Setembro de 2009
Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha e Missão Velha

O Brasil se notabiliza por sua extensão continental; repleto de manifestações culturais, tradições e raízes que o tornam um dos países mais encantadores do mundo. O nordeste se configura como uma região de uma gente forte, um povo de fibra que se acostumou a desafios: e como já destacava o grande Euclides da Cunha – “O nordestino é antes de tudo um forte”. Esse mesmo povo que vence desafios é o mesmo povo que mostra sua bravura e destemor em muitos episódios da vida de nossa nação; foi assim nos momentos de revolta e luta com a Insurreição de 1817 e a Confederação do Equador; foi assim no movimento inesquecível de Canudos, Baixa Dantas, Caldeirão e Pau de Colher, foi assim nos momentos vivos de fé em São José do Egito e em particular em Juazeiro do Norte do meu Padim Cícero Romão Batista, e foi assim no fenômeno do Cangaço de Virgulino Ferreira da Silva, vulgo: Lampião.

O Cangaço se configura como um dos fenômenos mais intrigantes da história do povo nordestino. Com uma duração de quase 80 anos, teve no Cariri um de seus principais cenários. As cidades de Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Jati, Jardim, Aurora, Porteiras e Missão Velha, fizeram parte importante dessa história que teve seu auge na figura de Virgulino Ferreira da Silva, vulgo Lampião.

O Cariri cearense, a partir das cidades de Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha e Missão Velha, irão receber no mês de setembro de 2009, as maiores autoridades sobre o tema Cangaço, no Brasil. Pesquisadores, historiadores, escritores, ensaístas e cineastas, estarão no triângulo do Crajubar, discutindo um dos fenômenos mais controversos da história do nordeste brasileiro e suas implicações e ligações com nossa região.
O encontro se realizara nas três principais cidades do cariri cearense, com palestras, discussões, estudo do tema, oficinas, apresentações artístico-culturais e visitas técnicas aos principais cenários da história cangaceira no Cariri, se configurando como a maior mesa de debates itinerante do país sobre o fenômeno Cangaço.

Estarão no Cariri cerca de 30 personalidades, entre pesquisadores, escritores e historiadores, com destaques para o Dr. Antônio Amaury, Dr. Honório de Medeiros, Dr. Kidelmy Dantas, Dr. Paulo Gastão, Escritor José Peixoto Junior, Escritor Ângelo Osmiro, Documentarista Aderbal Nogueira, Dr. Iaperi Araujo, Dr. Napoleão Tavares Neves, Dr. Magérbio de Lucena, Escritor Anildomá Williams, Professor Daniel Walker, Professor João de Sousa Lima, Escritor Francisco Vilela, Professor Francisco Pereira, Escritora Vilma Maciel, Professor Jairo Luis, dentre outros; além de um público estimado para os quatro dias de evento de cerca de duas mil pessoas, público notadamente formado por estudantes, universitários, admiradores do tema e formadores de opinião.

A iniciativa é da SBEC – Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço, e das prefeituras de Crato, Juazeiro e Barbalha.

Estive em Exu no sábado passado, dia 22. A festa era uma homenagem a seu Luiz Gonzaga pela sua triste partida há vinte anos atrás. Conheci o dono do site www.LuizLuaGonzaga.com.br , Paulo Vanderlei, que nos apresentou coisas inéditas sobre a vida e a obra de seu Luiz. Ele me prometeu enviar vários artigos de escritores famosos sobre o roubo do nome “forró” para rotular essa coisa horrível produzida aqui no Ceará. Portanto, com a prévia autorização do administrador do Blog do Crato estarei publicando esses artigos. Mas a cultura Gonzagueana não está morta. Escutei coisa boa vinda da Paraíba: O Clã Brasil. Veja o que nos diz Ricardo Anísio sobre este grupo:

“Analisar o grupo Clã Brasil é fugir da metáfora sem destrancar-nos da poesia. Realidade cristalina, as meninas que formam esse núcleo de sublime construção musical são ao mesmo tempo doces, amorosas e guerreiras. São flores que têm lá seus espinhos guardiões da sua compreensão musical: a defesa inegociável das legítimas tradições estéticas oriundas de mestres como Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Antônio Barros, Jacinto Silva, Gordurinha, Elino Julião, entre outros. Levemos em conta também o fato de que o quarteto fantástico não caiu na pauta musical de pára-quedas. As quatro garotas são estudiosas, freqüentam os bancos acadêmicos e têm plena noção de teoria e prática na arte que escolheram por empunhar como suas espadas de peso justo. Não devemos ouvi-las com mas-mas e nem poréns. Devemo-las sagrar como realidade, conscientes de que é uma realidade que ainda evoluirá bastante, e que, excetuando mudança de ventos, será uma realidade nacional e, quiçá, internacional.

Jovens, sim, jovens. Mas não as tratemos como menininhas prodígios que merecem atenção apenas pela pouca idade. Poucos são os marmanjos que tocam como elas, hoje em dia. Louvemo-las como grandes artistas desabrochadas e bafejadas pelo plenilúnio criativo. Elas sempre me emocionam. Seja no forró seja no chorinho o Clã Brasil é a fortuna musical que o Nordeste esperava para negar definitivamente as falsas bandas de forró. O diálogo musical aqui está em outro nível, as meninas catam inspiração nas nuvens alvas divinais. Não são mercenárias e nem se deslumbram. A música é Paixão e Sacerdócio para elas. E ninguém mais as represará. Porque, sem a menor dúvida, Deus está tocando com elas. E elas são tocadas por Deus.”

Ricardo Anísio

Texto postado por Jayro Starkey

Relatório do Produtor

por Leo Dantas
III BNB AGOSTO DA ARTE – Centro Cultural do Banco do Nordeste-Cariri

Vídeo realizado durante o encontro do Derlon, artista visual do Recife, e os gravuristas Nilo e Gilberto Pereira, assim como o artista do grafite Frank e seu chapa.

Troca de informações visuais para desenvolvimento de uma obra híbrida, fugindo do conceito galerias e adentrando as ruas da cidade através de paineis e aplicação de Lambe-Lambes com motivos e figuras regionais, tradicionais.

Coordenador de Artes Visuais do CCBNB-Cariri: Manoel Sampson

Produção do III BNB AGOSTO DA ARTE: Leo Dantas

Artista convidado: Derlon

Gravuristas participantes: Nilo e Gilberto Pereira

Artistas do Grafite: Frank e Brother

Imagens, Concepção do vídeo e edição : Leo Dantas

[email protected]

http://www.flickr.com/photos/leodantas/

http://www.youtube.com/user/leozinhocariri

(88) 9606 1910

Secult apóia a produção de gravura de 20m

A Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) está apoiando a produção da gravura “Os quatro elementos” de 20 metros de comprimento do artista Francisco de Almeida. Não há notícias de outra gravura com essas dimensões no mundo. A obra do artista cearense de Crateús irá compor a mostra da VII Bienal do Mercosul, de setembro a novembro de 2009 em Porto Alegre (RS). Ao retornar, a obra será exposta em Fortaleza em 20 mostras por diferentes pontos da cidade.

O artista plástico confecciona o feito inédito em seu ateliê localizado no bairro da Bela Vista. Ele trabalha nesta gravura há seis anos elaborando as matrizes e impressões. Com o patrocínio de R$ 15 mil da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, Francisco de Almeida finaliza o trabalho e dedica, desde de janeiro de 2009, cerca de 18h de trabalho por dia. A gravura batizada de “Os quatro elementos” trabalha a temática religiosa nordestina, perpassando em caminho próprio a chuva, o sol, o vento e a terra.

Francisco de Almeida é hoje, sem dúvida, um dos grandes nomes da gravura nacional. Nascido em Crateús e residindo em Fortaleza, dedica o seu tempo a produção de gravuras que cedo ganharam o mundo. Com trabalhos adquiridos e expostos em alguns dos mais prestigiados museus do Brasil e do exterior, Almeidinha, como é conhecido, coleciona importantes exposições individuais e coletivas. Dentre elas, mostras na Bienal de Valencia (Espanha) e Museu Afro-Brasil.

Lilian Carvalho reúne arte e psicologia em oficina na comunidade do Gesso

Oficina “Ator social: as ações do cotidiano servindo de base para reflexão social e ação cênica” será realizada ao ar livre.

A “arte que se confundi com a vida” é baseada nesta idéia que será desenvolvido pelo Projeto Nova Vida, uma oficina que reúne elementos da psicologia social e das artes cênicas. A oficina será ministrada pela atriz e acadêmica de psicologia, Lilian Carvalho, que é integrante do Coletivo Camaradas e pesquisa sobre psicodrama, psicologia do copo e psicomotricidade.
O objetivo da oficina segundo Lilian Carvalho é identificar as relações e ações sociais da comunidade e a partir daí efetivar uma ação baseada na realidade dos participantes.Ela ressalta que além dos teóricos do psicodrama e psicologia social irá trabalhar na perspectiva do teatral engajado do brasileiro Augusto Boal falecido recentemente e do Russo Bertolt Brecht. Para atriz é preciso despertar consciência e conhecimento no fazer artístico.
Cenas do cotidiano se desenrolam sobre um palco e cenários estranhos que pode ser a própria rua e é nesta compreensão de educação social que envolve fatores emocionais e intelectuais de forma integrada que os participantes e público serão envolvidos na oficina.

Para a instrutora do Projeto Nova Vida, Izabel Cristina Matos, essas oficinas possibilitam um crescimento intelectual para os alunos e ainda serve como suporte pedagógico para os educadores do Projeto Nova Vida que funciona na comunidade desde 1991.
A Oficina será destinada aos alunos do Projeto Nova Vida e ocorrerá nas ruas da antiga zona de prostituição e o seu resultado será apresentado também ao ar livre.

Coletivo Camaradas recebe doação do “Homen do Caminhão de Livros”

Militante de esquerda, Elmano Rodríguez já dou 65 mil livros para escolas e bibliotecas do Estado do Ceará em duas décadas. Produtor gráfico da Editora da Universidade de Brasília (UnB), Elmano chegou em 1979 a Brasília e há duas deacadas começou a arracadar livros e enviar para o seu Estado.

Cerca de 150 livros foram doados ao Coletivo Camaradas nesta ultima sexta-feira, dia 21. A doação foi feita pelo cearense Elmano Rodrigues radicado em Brasília. Rodrigues, que recentemente recebeu o pseudônimo na capital do país de “Homen do Caminhão de Livros”.

A vida de Elmano Rodrigues Pinheiro, de 60 anos, é amontoar obras literárias, científicas e artísticas para, depois, distribuí-las pelos rincões do país. Ele quer ver a sua gente do Ceará e adjacências (Pernambuco e Paraíba) lendo, respirando a cultura. De Brasília, com ajuda de um e de outro, dá um jeito de realizar a missão para “partir dessa vida levando uma boa história”.
Esses dias chegou no Crato vindo de Brasilia , um caminhão com 15 mil obras. Outra mesma quantidade deverá ser enviada ainda esse ano em data a ser definida. Em quase duas décadas, ele levou à escolas e bibliotecas públicas cearenses mais de 65 mil títulos.

Diversas foram as formas desses livros chegarem no Ceará nos últimos anos. As vezes ele pediu aos amigos para trazer, em outros momentos tentou via gabinetes de deputados e pela primeira vez conseguiu o apoio do Governo, através do Ministério da Integração Nacional que cedeu um ônibus. Uma boa quantidade de livros ainda encontra no Instituto Cultural do Cariri para doação as entidades.

Além do Coletivo Camaradas outras entidades e bibliotecas receberão doações, inclusive a Universidade Regional do Cariri – URCA e a Biblioteca Pública do Crato.