Arquivos mensais: julho 2009

Artistas unidos …

Há um bom tempo venho me questionando sobre os artistas regionais e suas realidades.
Que o Cariri é um grande celeiro de arte não tenha dúvidas, mas porque aqui e tão difícil fazer com que aja uma união?
O Olhar Casa das Artes era um dos poucos espaços que oferecia estrutura para realizar shows, exposições e cursos, mas devido ao descaso dos artistas e a lei do silêncio a casa fechou e atravessa por momentos críticos, não vejo nenhum artista em defesa disso.
O mais complexo desafio para minha mente é que não sou cantora, nem artista, mas tenho tentado de todas as formas lutar para que o Crato disponha de espaços para artistas.
A minha pergunta é simples:
Cade vocês artistas que não possuem espaços para mostrar suas artes?
Até quando vocês ficaram alienados, inertes?
Ou só podem reclamar quando o Sesc e o Bnb lhes fecham a porta?
Pensem nisso e saiam deste ostracismo !

Maracatu do Cariri participa de evento em São Paulo

A banda Sol na Macambira procura apoio para participar de evento em São Paulo. O Maracatu é o único do interior do Estado do Ceará e é desenvolvido dentro de entidade beneficente em Juazeiro do Norte.

A região do Cariri se destaca pela sua diversidade musical e vários artistas e grupos vem ganhando espaço no cenário nacional. O Maracatu Sol na Macambira, é o único grupo que trabalha com essa tipologia de música na região e participará agora no mês de agosto do Projeto “Viola, Causos e Crendices” na cidade de Votorantim, no Estado de São Paulo e fará apresentação também no Sesc de Sorocaba. O Maracatu Sol na Macambira é o único grupo musical do Estado que participará deste evento. Para o músico Jean Alex, coordenador do grupo e integrante do Coletivo Camaradas, esse evento demonstra o quanto a música produzida no interior do Ceará vem ganhando espaço no cenário nacional, além de confirmar a qualidade técnica da produção local.

Jean enfatiza que um dos principais desafios é conseguir apoio financeiro para garantir a participação de todos os integrantes do Maracatu no evento. Atualmente é composto por sete integrantes e mais duas pessoas na produção.
Os integrantes da banda participam e receberam influência direta da Orquestra Sesc de Rabeca Cego Oliveira, uma experiência pioneira desenvolvida pela instituição que tem a coordenação do artista, artesão e músico Francisco di Freitas Filho.

Violas, Causos e Crendices no cenário paulistano

Projeto Violas Causos e Crendices entreter, informar e preservar a rica tradição oral são características atribuídas às manifestações populares, como o ato de contar histórias, causos, contos de fadas e as famosas modas de violas. É acreditando no importante papel dessas narrativas que o Projeto “Violas, Causos e Crendices” preparou para este ano um calendário repleto de novidades.
Durante seis anos, pisaram no palco do projeto artistas de reconhecimento nacional e internacional, imbuídos na causa da preservação e reavivamento da literatura oral do nosso povo e da nossa terra.
Este ano de 2009, com o patrocínio da Votorantim Cimentos e Instituto Votorantim, por meio da Lei Rouanet do ministério da cultura, promoção da Prefeitura Municipal de Votorantim, apoio cultural do Instituto Conta Brasil, Nova Tropical FM e Grupo São João, realizaremos oito edições do Projeto, que traz novidades para toda a comunidade de Votorantim.
Os trinta e dois convidados a participar do projeto tecerão durante todo o ano um painel representativo das maiores e mais tradicionais manifestações populares. As atividades se desenvolverão nos bairros da cidade -‘Histórias na Calçada’ e atendendo jovens alunos do ensino médio da escola pública – ‘Histórias pras Escolas’. Celebrando a literatura oral como instrumento de educação, entretenimento e preservação da rica cultura do nosso povo e da nossa terra o espetáculo aberto ao público ‘Violas, Causos e Crendices’ encerra as atividades do mês. Todos os eventos têm entrada franca.
Temos um encontro marcado todo mês (dá uma espiadinha no calendário). Apareça para uma visita, um dedinho de prosa, um cafezinho… Chegue que a casa é sua.

Maracatu do Cariri é Sol na Macambira

A banda Sol na Macambira, único maracatu do interior do Estado do Ceará, nasceu no ano de 2005, na cidade de Juazeiro do Norte na região do Cariri-Ce, terra onde bebeu da fonte de suas inspirações musicais, por este a banda Sol na Macambira traz em suas canções toda a mistura da música nordestina, hora em um clima de essência Armorial e logo em seguida com o mais forte sotaque cabaçal. Além de estar fincada nas raízes carirenses a banda tem um propósito mais amplo musicalmente, esta faz de suas canções um instrumento de estudo, divulgação e critica à exploração do homem do sertão, por tal motivo não leva nas malas apenas o carimbo e o nome “Cariri”, e sim, a história de seu povo, suas crenças e toda a garra dessa gente.
Encharcado de regionalidade, esta por sua vez brinca de reisado, canta cirandas, recita poemas, conta histórias de seus antepassados e ainda trata de temas corriqueiros e atuais, muitas vezes abordados de maneira cômica e em outras vezes comovente.

Sua rítmica configura-se na fusão entre a música cabaçal o baião e as batidas de maracatu, ritmo que há pouco mais de meio século perdeu seu espaço no cotidiano da região, por este motivo além de seus objetivos profissionais, a Sol na Macambira assume a responsabilidade de levar tais manifestações de cunho afro brasileiro e indígena por onde passa, realizando a cada Show, debates, oficinas e mini cursos de percussão, construção e pratica instrumental. A base de tudo isso, não está apenas na influência ou na convivência com todos esses aspectos, mas também da necessidade de divulgação do nordeste Cariri, este relicário tão precioso e tão desconhecido por muitos.

Os instrumentos que compõem seu show não poderiam ser diferentes, pois encantam com os Pífanos, Rabecas e tambores, sempre ritmados pelas batidas do maracatu, pela levada das cirandas e pelo calor do baião. Atualmente trabalha na divulgação do seu repertório de músicas autorais através de shows e oficinas e participando de festivais de musica onde em 2006 teve uma das suas composições premiada na mostra SESC da música cearense, em 2008 no festival cariri da canção onde uma de suas canções (Oração de Sidha) fora selecionada entre as principais bandas da região do cariri e classificando-se junto a 10 outras bandas tais como Dr. Raiz e Liberdade e Raiz para a gravação de um DVD, em 2009 é convidada a participar do projeto Violas causos e crendices em Votorantin-SP, vai de encontro à gravação do seu primeiro CD, ministra oficinas na região e participa de projetos sociais no Lar Assistencial Francisco de Assis (LAFA) lugar onde nasceu e permanece ate hoje.

Contatos:
Jean Alex
(88) 96188882
(88) 88212644
email [email protected]

Dr. Raiz no Ceará em Agosto!


Oi Galera!

Em Agosto!

Dr. Raiz em Fortaleza CE

Dia 05 às 20h no SESC/SENAC Iracema, e dia 06 (em dois horários) às 12h e às 18:30h no CCBNB Fortaleza!

Músicas inéditas que integrarão o nosso novo álbum e canções do 1º disco da banda!

Dudé Casado – Guitarra, violão e voz
Geraldo Junior – Voz, flauta e percussão
Pantera – Percussão e voz
Junior Casado – Percussão
Antônio Queiroz – Baixo e voz
Evaldo Rodrigues – Percussão
Ramon Oliveira – Guitarra, violão e voz

Abraços,

Dr. Raiz.

Fatinha Gomes apresenta novo trabalho no Sesc Juazeiro

Integrante do Coletivo Camaradas, pesquisadora e uma artistas que vem ganhando espaço no cenário musical da Região. Fatinha Gomes já participou de shows em Fortaleza, Paraíba e em São Paulo.

“Fatinha Gomes” brota naturalmente do Sopé da Serra do Araripe e traz consigo a garra e a essência do povo negro e indígena. Nascida nas frias casas de taipa, dormindo a luz de Candeeiro e aspirando cheiro da terra molhada desse Sopé, se vislumbra a cada momento de sua vida com a produção poética do Cariri que enriquece e facilita seu trabalho como intérprete de tal produção.

O show “As mulheres que comiam Flores” reforça as canções que já fazem parte do repertorio de Fatinha e traz canções inéditas de sua autoria e da autoria de Manuca Almeida e Alexandre Leão.

O Show contará com os músicos:

Violão:Lifanco

Sanfona:Ibertson Nobre

Voz:Fatinha Gomes

Percussão:Flauberto e Alany Morais

INDAGAÇÕES PERTINENTES – Por Emerson Monteiro

Neste mundo cheio de desencontros, trastes, ranhuras, desacertos e acertos mil, defronte, agora, desta tela de computador, essa máquina bem forjada, sabida, elaborada no planeta dos seres inteligentes, fosforescentes, animados, obedientes, charmosos, sonoros, eficazes, existem lugares de resposta para quase tudo, para as mais inesperadas perguntas, exatas, aritméticas, matemáticas, filosóficas, psicológicas, históricas, futuristas, abrangentes, onipresentes, oniscientes; confesso, no entanto, algumas fraquezas das suas limitações às reações espontâneas, vindas de dentro da dimensão insondável do existir, que, às vezes, produzem a vontade mental poderosa de perguntar, querer saber de mim, por mim, não desse eu que já conheço, cheio de oscilações temporárias, às brisas cotidianas contraditórias, mas do eu de verdade, a essência do si, o cá interno, habitante dos grotões da alma, vivente nos segredos fechados a sete chaves, o chip do mistério de tudo, que repousa e movimenta a história, sozinho ou em blocos empedernidos, o dna do ser, a marca registrada do Criador primeiro, que avançou, se embutiu na criatura e ainda não veio à tona da consciência do múltiplo particular, nesta realidade de mundo de relações cá fora, da ponta dos dedos, na flor da água dos olhos, no gosto da boca de manhã, ao canto dos pássaros deste sol perto da gente, banhado na brisa fria de fim de julho, no cenário das encostas da chapada; e ouvir resultados de pesquisa junto a algum site desse planisfério on-line, que guarde nas suas páginas, em seus arquivos, os refolhos das maiores bibliotecas do universo insondável das causas primeiras, alimentados pelas melhores cabeças tecnológicas do Vale do Silício, autores circunstanciais maravilhosos; o verbete frontal do mim mesmo, a tônica que nos conduz além de todo dia, impulso voraz de sobreviver a qualquer custo diante do desafio recôndito das impossibilidades, a propulsão cibernética de marcar presença positiva junto ao trilho dourado da mídia momentânea, olho do sucesso, eu do cálice, o Graal, a chama violeta da existência, o foco definitivo do drama, na festa de moléculas das pessoas bonitas, que acham, com enorme facilidade, a ordem alfanumérica sacudida nas praias dos números das areias do Mar dos Sargaços, sem querer, com isso, usar o ponto de terminar frases ou parágrafos, a pretexto de não largar o osso e manter a interrogação expandida, permanente, no âmbito do que satisfaria todos os internautas e destinos, houvesse tamanha possibilidade para recorrer a tal programa de busca à resposta campeã, no corredor da fama, da salvação, derradeiro lance dessa partida final do torneio cotidiano, perecido quando, nos filmes de ficção, os robocops se auto consertam em pleno combate, e prosseguem a epopéia das máquinas persistirem eternas, protótipos miraculosos em formato de elementos perpétuos geniais, leves ponteiros nervosos, largados ao horizonte infinito das horas, perenes círculos sem estática, motos perpétuos, traços espiralados em fios condutores da matéria ao espírito, uma resposta que supere a dor da solidão das multidões, neutralize a melancolia do desamor, nas camas intactas na madrugada fria dos abandonados, a cólica dos corações endurecidos na saudade sem jeito, as individualidades fincadas no lixo das periferias dos eleitores enganados, andarilhos, vagabundos, mendigos de amor, eus indagadores da luz da sabedoria, vagos projetos estirados na lama dos vícios, feridas abertas em peitos de dramas familiares; e essa máquina tão perfeita ainda não sabe responder a isso, enquanto apura as peças infinitas, processa, e eu quero aprender como saber a resposta nos campos disponíveis para digitar a pesquisa.

Estilhaços – Por Emerson Monteiro

Lembro como se fosse ontem meu primeiro dia no Banco do Brasil, na agência de Brejo Santo, Ceará. Era 27 de junho de 1967, uma terça-feira. Chegara no dia anterior para a posse. Meu pai fora de tarde me levar, na mesma pick-up Chevrolet em que eu depois aprenderia a dirigir. Morávamos em Crato. Cobríramos a distância em torno de 90km por caminhos de terra, inclusive na BR-116, porquanto naquele tempo havia asfalto só até Barbalha. José Ferreira, cunhado de minha mãe, casado com tia Nailée, me receberia em sua casa, defronte do Brejo Santo União Clube, e me hospedaria durante os quatro anos em que ali permaneceria.
O expediente começava às 13h. Sob uma árvore da longa praça principal da cidade, enquanto aguardava abrirem as portas da agência, conheci João Batista Carvalho, um outro do mesmo concurso e que se apresentaria como eu, para naquele dia também iniciar sua jornada profissional. Ambos trajávamos camisa branca de manga longa e gravata no pescoço. Dois precários (bancários novos, assim denominados pelos colegas veteranos).
Desde então testemunharia aquele período cheio de contradições, no mundo contemporâneo em convulsão, do trecho entre Brejo Santo e Crato; apenas em raros fins de semana aquietava canto no lugar do trabalho. Nas sextas-feiras de tarde, ou começo de noite, arrumava numa pequena bolsa alguns pertences e seguia para a estrada em busca de transporte. Deixara em Crato história rica de sonhos e relacionamentos. Gostava de cinema, bares, festas, passeios ao pé da serra e dos meus familiares, namoradas, etc.
Brejo Santo possuía seus atrativos, porém o peso dos sentimentos telúricos cratenses me arrastava de volta ao meu segundo berço, aonde chegara com quatro anos, em 1953. Sempre nutri pelo Crato uma quase paixão, fascinado por sua moldura de serras, as encostas do Lameiro em longas caminhadas a pé, o barro branco a colar na pele, bananeiras, pássaros, frutas doces, belas morenas; suas praças, sua gente, a água saborosa, a efervescência cultural, a política estudantil, informação vinda de fora pelas livrarias e bancas de revistas; o Jornal A Ação, que produzia com Vicelmo, Pedro Antônio, Armando Rafael, Huberto Cabral e Padre Honor, por mais de ano, com boa repercussão na comunidade; o Jogral Pasárgada, que fundara com outros seis jovens, no Colégio Diocesano, e sua larga demanda de apresentações.
Lembro, no entanto, de entrosamentos valiosos que estabeleci em Brejo Santo, tanto junto aos colegas do Banco, na maioria de outras localidades, quanto junto aos naturais do município, gente de reconhecida hospitalidade, laboriosa e de senso de realização, haja vista o progresso que, nos dias atuais, lhe movimenta e destaca no elenco das comunas interioranas, naquela fase só de modestas proporções.
Nessas pessoas especiais de quem preservo lembranças benfazejas, José Lirismar Macedo ocupa espaço próprio. Dada sua formação de radialista que vivera em centros maiores e trabalhara em importantes emissoras, Lirismar guardou consigo vivências que bem nutriram a nossa aproximação. Por seu intermédio, conheci e passei a admirar autores exponenciais da música brasileira e da literatura universal.
Ele despertou meu gosto por figuras inigualáveis tipo João Gilberto, Carlos Lira, Dorival Caymmi, Tom Jobim e outros, sobretudo da bossa nova, no âmbito musical; na literatura, dada influência sua conheci importantes obras, quais Os velhos marinheiros, de Jorge Amado; e Narciso e Goldmund, de Hermann Hesse, peças chave de minha formação, no meio de outras mais; e autores como o mineiro Fernando Sabino, para citar alguns poucos e trazer à tona poucos dos detalhes de nossas agradáveis conversações.
Nos finais explosivos dos anos 60, época demolidora e definidora dos rumos da história recente, ao meu lado, para compartilhar das minhas apreensões de resto de adolescência, havia a personalidade marcante deste amigo, o qual permanece no crivo fiel do meu reconhecimento em preito de notável consideração.

O Neguinho e os amigos de 68. por Urariano Mota

Publicada em:22/07/2009 – direto da redação

O NEGUINHO E OS AMIGOS DE 68
Recife (PE) – Na imprensa ele ganhou, nos últimos dias, muitos e vários codinomes. Em todos os canais de tevê, em mais de um jornal do Brasil e do exterior, ele apareceu como o Último Exilado da Ditadura que volta ao Brasil, ou Último Exilado que volta depois de 40 anos, ou mesmo “Vuelve el último clandestino”. E disseram, em mais de uma língua e veículo: “Após 40 anos de exílio na Suécia, chegou ao Rio nesta terça (21), recebido por amigos e familiares com faixas e cartazes, o ex-marinheiro Antonio Geraldo da Costa , de 75 anos, último exilado da ditadura militar. ‘Neguinho-tigre’, como era conhecido, é ex-integrante da Associação de Marinheiros em 1964, realizou ações da Aliança Libertadora Nacional (ALN), grupo armado de Carlos Marighella, e fugiu para a Suécia na década de 70. Só pediu anistia em 2005, mas temia voltar ao Brasil, porque não acreditava na democracia brasileira… ” “Neguinho vivió seis años en la clandestinidad, después del golpe militar, cuando participó de asaltos a bancos en Rio y en San Pablo para financiar la lucha armada, y huyó de Brasil en 1970.. ” Mas o que a grande imprensa não sabe é que o Neguinho, o senhor Antonio Geraldo da Costa, é um personagem de tão extraordinárias aventuras que poderia aparecer em uma continuação, em um possível volume dois do Lazarilho de Tormes. Pois ele é, segundo o intelectual Léo, amigo seu de velhos tempos: “O Neguinho estava em um navio no Recife quando houve o golpe de 64. Foi preso no navio. Alguns dias depois, estava sendo levado de um lugar do navio para outro, passando pelo convés, quando começou a ser hasteada a bandeira. Todos os marinheiros se perfilaram em posição de sentido. Neguinho aproveitou para descer a rampa e se embrenhou nas ruas do Recife. Clandestino, ele participou da operação que deu fuga aos marinheiros que cumpriam pena na Lemos de Brito e de diversos ‘levantamentos’ de fundos bancários para financiar a atividade revolucionária. Eu conto algumas histórias dele no livro cuja publicação estamos preparando. A viagem dele e do Elio para a Suécia é um capítulo à parte – dois nordestinos perdidos na Europa”. Guilem, um antigo combatente, que muitos chamam de Conde Cuxá, mas hoje é juiz na Suécia e poeta, conta: “Menos de dois meses depois, recebi um telefonema da Polícia Dinamarquesa, perguntando se eu me responsabilizava por três ciganos, que juravam conhecer-me. Entendi que se tratava do trio que vinha do Chile e respondi que partiria em seguida para Copenhague para buscar os três. Lá chegando, dirigi-me à polícia aduaneira que imediatamente levou-me aos ‘três ciganos’. Vi-os e procurei explicar à polícia, com fartura de detalhes, que se tratava de dois brasileiros e uma chilena e que apenas estavam com as roupas um pouco amarfanhadas e cansados da viagem de navio, desde o Chile até a Itália e de trem até Copenhague, que o Neguinho e companhia não eram ciganos. Assinei um documento atestando minha responsabilidade sobre a alimentação e guarida dos três e partimos para a minha casa em Lund. Dias depois consegui bicicleta para os meus amigos e descobri que o Neguinho não sabia andar de bicicleta. Mas essa aventuras de como ensinei o Neguinho a andar de bicicleta depois eu conto”. E por fim, este é o Neguinho segundo o ex-marinheiro e escritor Pedro Viegas: “Eu não estava em casa (Vila Valqueire), quando uma menininha bateu à porta. Leda, minha mulher, atendeu. Ela disse que na pracinha (a uma quadra) tinha uma moça querendo falar com um de nós. Leda ficou intrigada, pensando: ‘se alguém, tão perto, quer falar com a gente, por que manda recado, em vez de vir até aqui’?Mas, um tanto já escolada, suspeitou que alguma coisa muito especial estaria ocorrendo. Agradeceu à menininha e depois que a criança sumiu (era início de noite) foi até o local indicado. Quem era a ‘moça’? O Neguinho!” Esse é o homem, o brasileiro que volta ao Brasil depois de 40 anos. Dele tive a sorte de saber porque participo do coletivo virtual chamado Os Amigos de 68. Virtual? Emendo: é um coletivo real, de gente capaz de ações de solidariedade que os tempos bárbaros não deixam ver. Como nessa recuperação da pátria brasileira para um exilado. Eliete, uma das mais ativas do grupo, foi à Suécia e convenceu o amigo dos tempos de exílio a voltar, pois o Brasil era democrata, que novos tempos haviam chegado. A partir daí todo o coletivo se moveu para falar ao Ministro da Justiça, para avisar à imprensa, fazendo contatos mil.
O resultado está aqui, http://www.youtube.com/watch?v=0B4GFEkYIrI Fazia tempo que eu não via um filme tão bom. Ele bem podia receber o título de A Libertação de um Homem Livre. Ou este, mais simples: A Volta do Neguinho.

De 25 de julho a 1º de agosto acontece o VI Festival Música na Ibiapaba

Pela sexta vez Viçosa do Ceará, na serra da Ibiapaba, vai se transformar em uma verdadeira cidade da música. Durante oito dias, de 25 de julho a 1º de agosto, jovens estudantes de música, instrumentistas, cantores profissionais e apreciadores da boa música brasileira vão conviver com essa arte por toda a cidade. É o VI Festival Música na Ibiapaba, uma ação de política pública de formação do Governo do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, voltada para o desenvolvimento e valorização da música brasileira popular. A realização é do Instituto de Arte e Cultura do Ceará – IACC/Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

O Festival é um encontro da música com a natureza da bela região serrana do Ceará. A cidade de Viçosa localiza-se a 384 km de Fortaleza, a uma altitude de 720 metros, proporcionando um clima agradável que encanta moradores e visitantes. Tudo isso unido à música faz do Festival uma celebração que transformará a cidade em um laboratório vivo para as vozes e instrumentos veiculadores dessa arte universal. Este é o primeiro projeto do Norte e Nordeste centrado na formação em música popular brasileira e que mantém uma intensa programação artístico-pedagógica gratuita.

Pela manhã e à tarde, cerca de 1.000 alunos participam de 72 oficinas, ministradas por professores e músicos do Ceará e convidados de outros estados. São aulas de violão, piano, bateria, prática de conjunto, orquestra de acordeãos e percussão, sopro, técnica vocal, harmonia, arranjo, regência, nos níveis médio e avançado.

No fim de tarde começam as apresentações artísticas, onde alunos, mestres e artistas convidados interpretam a céu aberto as mais belas harmonias da nossa música, vivenciando um rico intercâmbio e presenteando toda a cidade com uma semana inteira de arte através da música.

Oficinas

As oficinas promovidas durante o VI Festival Música na Ibiapaba se dividem em núcleos pedagógicos: Musicalização (atividades de iniciação do público infanto-juvenil no universo musical vocal e instrumental); Vocal (atividades visando ao desenvolvimento e aperfeiçoamento de alunos voltados para a música vocal em suas diferentes manifestações, tais como canto solo, canto coral, grupo vocal, expressão cênica para canto e regência); Instrumental (atividades visando ao desenvolvimento e aperfeiçoamento de alunos voltados para a música instrumental, envolvendo desde o estudo solo às mais variadas formações, a exemplo de pequenos e médios grupos e orquestras); Estruturação e História (conjunto de atividades didáticas de cunho mais teórico, em seus mais diferentes níveis – do básico ao mais avançado -, de natureza formativo-informativa como condição básica e necessária para o fazer musical); e Didática Musical (conjunto de atividades especialmente voltadas para professores de música e arte-educadores, visando subsidiar suas práticas de educação musical). Há ainda o núcleo de Projetos Especiais, que compreende atividades com interação com outras linguagens artísticas.

As apresentações

A música do Festival acontece também fora das salas de aula. Ela chega aos palcos da Praça da Igreja da Matriz, da Igreja do Céu, ao interior da Matriz e ao Pátio do Patronato, em apresentações de alunos das oficinas, professores e shows de grupos convidados, promovendo a inserção do Festival com a comunidade da Ibiapaba. A programação de shows começa logo após a solenidade de abertura, na noite do dia 25, com Raimundo Fagner e Banda no palco da Praça da Matriz.

No palco da Igreja do Céu, ponto mais alto da cidade, a 900 metros de altitude, a programação se encerra todas as noites a partir do segundo dia. Entre os convidados para os shows, se apresentam as bandas cearenses Groovytown, que tem conquistado um público cada vez maior com uma mistura de samba-rock, funk e soul em repertório próprio e de grandes nomes como Jorge Ben Jor, Tim Maia, Seu Jorge e Wilson Simonal; banda Dona Zefinha, que mistura música, teatro e dança a partir de elementos sonoros, cênicos e coreográficos; e a cantora Paula Tesser, uma das mais belas vozes do Ceará, que sobe ao palco do Festival acompanhada de banda. Do Rio de Janeiro vêm os grupos instrumentais Trio SambaJazz, formado por Kiko Continentino, Neguinho e Luis Alves; e Cama de Gato, de Pascoal Meirellles, Mauro Senise, Mingo Araújo, André Neiva e Jota Moraes, que chega aos 25 anos de formação, sendo o segundo mais antigo grupo de música instrumental do país.

O cinema também faz parte da programação. Diariamente, no fim de tarde, o Teatro D. Pedro II abriga a sessão de Música no Cinema, onde este ano serão exibidos vídeos sobre Fagner, Hermeto Pascoal, Dorival Caymmi, Toquinho, João Donato, Jacob do Bandolim e sobre chorinho.

Homenagens

Este ano o Festival presta homenagem a nove personalidades da música brasileira, oito deles passaram pela vida mas firmaram seus nomes e suas artes na história: Carmen Miranda (100 anos), Ataulfo Alves (100 anos), Patativa do Assaré (100 anos), Alberto Nepomuceno (145 anos), Luiz Gonzaga (97 anos), Humberto Teixeira (92 anos), Heitor Villa-Lobos (107 anos) e Dolores Duran (79 anos). A homenagem nesta edição vai também para o cearense Raimundo Fagner, que faz show na noite de abertura do Festival. Este ano o artista comemora 60 anos de idade e 35 de sucesso como cantor e compositor.

Antes do Festival

Este ano, na semana antecedente ao Festival, de 20 a 23 de julho, acontecem oficinas de iniciação musical (Casulinhos) nas cidades do Maciço da Ibiapaba – Ipu, Guaraciaba do Norte, Carnaubal, Croata, São Benedito, Ibiapina, Tianguá, Ubajara e Viçosa do Ceará. Nas nove cidades as oficinas serão ministradas por professores da escola de música de Sobral, numa ação de intercâmbio e oportunidades para esses educadores. Esta atividade formativa ação do Festival em parceria com Ministério da Cultura e prefeituras municipais, que levam o resultado dessas oficinas para dentro do VI Festival.

O VI Festival Música na Ibiapaba tem como parceiros SEMACE, DETRAN-CE, BANCO DO NORDESTE, Café Santa Clara, Desafinado, Colorgraf, Rede Ibiapaba de Turismo (RITUR), SEBRAE-CE, CAGECE, Prefeitura Municipal de Sobral e Prefeitura Municipal de Viçosa do Ceará.

SERVIÇO

VI Festival Música na Ibiapaba – De 25 de julho a 1º de agosto em Viçosa do Ceará. Informações sobre Viçosa do Ceará – Secretaria da Cidade: (88)3632-1580. Informações sobre o Festival – Instituto de Arte e Cultura do Ceará: (85) 3488-8601. E-mail: [email protected]

Violas, Causos e crendices.

Projeto Violas Causos e Crendices
Entreter, informar e preservar a rica tradição oral são características atribuídas às manifestações populares, como o ato de contar histórias, causos, contos de fadas e as famosas modas de violas. É acreditando no importante papel dessas narrativas que o Projeto “Violas, Causos e Crendices” preparou para este ano um calendário repleto de novidades.
Durante seis anos, pisaram no palco do projeto artistas de reconhecimento nacional e internacional, imbuídos na causa da preservação e reavivamento da literatura oral do nosso povo e da nossa terra.
Este ano de 2009, com o patrocínio da Votorantim Cimentos e Instituto Votorantim, por meio da Lei Rouanet do ministério da cultura, promoção da Prefeitura Municipal de Votorantim, apoio cultural do Instituto Conta Brasil, Nova Tropical FM e Grupo São João, realizaremos oito edições do Projeto, que traz novidades para toda a comunidade de Votorantim.
Os trinta e dois convidados a participar do projeto tecerão durante todo o ano um painel representativo das maiores e mais tradicionais manifestações populares. As atividades se desenvolverão nos bairros da cidade -‘Histórias na Calçada’ e atendendo jovens alunos do ensino médio da escola pública – ‘Histórias pras Escolas’. Celebrando a literatura oral como instrumento de educação, entretenimento e preservação da rica cultura do nosso povo e da nossa terra o espetáculo aberto ao público ‘Violas, Causos e Crendices’ encerra as atividades do mês. Todos os eventos têm entrada franca.
Temos um encontro marcado todo mês (dá uma espiadinha no calendário). Apareça para uma visita, um dedinho de prosa, um cafezinho… Chegue que a casa é sua.