Arquivos mensais: abril 2009

MARIA ROUPA DE PALHA – LOURDES RAMALHO

MARIA ROUPA DE PALHA NO CCBNB
UM POUCO SOBRE A AUTORA
QUEM É LOURDES RAMALHO
Maria de Lourdes Nunes Ramalho, ou Lourdes Ramalho, como é conhecida literariamente, é uma escritora nascida no início da década de 1920 (23 de agosto de 1923), no sertão de Jardim do Seridó, fronteira do Rio Grande do Norte com a Paraíba, numa família de artistas e educadores. Na infância, enquanto recebia educação formal no sertão, Lourdes Ramalho cresceu ouvindo cantorias de viola e histórias contadas por vendedores de folhetos e assim aprendeu, desde cedo, a amar sua terra e a cultura do seu povo.
A maior parte da produção literária de Lourdes Ramalho é de textos para teatro. Quando escreveu o primeiro texto teatral propriamente dito, em 1939, Lourdes era ainda uma adolescente. Nos 30 anos seguintes, ou seja, é na sala de aula e em grêmios artísticos estudantis que Lourdes, conciliando seu o ofício de dramaturga e poeta com o de professora, encontra espaço para suas atividades de animação cultural, voltadas especialmente para a cena teatral e já então anunciadas como projeto de vida. De 1975 em diante, após a primeira montagem teatral do seu texto As velhas, seus textos começam a ser montados fora de Campina Grande, na Paraíba, onde reside até hoje, ganhando a estrada rumo a outras partes do País através de festivais de teatro amador.

ESPETÁCULO DE MAMULENGOS MARIA ROUPA DE PALHA NO CENTRO CULTURAL DO BANCO DO NORDESTE – Grupo de Teatro da AMAR

A peça conta a história de uma menina pobre que vai ser criada por uma mulher rica e muito má. A mulher tem um papagaio de estimação que se transforma no melhor amigo da menina. Com o passar do tempo, Maria descobre que o papagaio é encantado e retira o alfinete que ele tem enterrado na cabeça. A partir daí sua sorte se transforma e o seu destino muda completamente.

Edição em livro:
Publicado em 2004, em Teatro infantil: coletânea de textos infanto-juvenis, que reúne outros treze textos.

Para o Grupo de Teatro da AMAR, o tema é a valorização da fantasia, tendo como pano de fundo a persistência e a força de vontade na realização dos sonhos.

Atores Manipuladores da remontagem:

Ivete Alexandre

Jackson Gouveia

Direção do Espetáculo:

Stênio Diniz

Iluminação e Produção Executiva:

Leo Dantas

Datas:

Todos os sábados de maio e ultimo domingo do mesmo mês

Maiores informações no próprio CCBNB

Leo Dantas

Banda Sol na Macambira

A banda Sol na Macambira nasceu no ano de 2005, na cidade de Juazeiro do Norte, Cariri, terra onde bebeu da fonte de suas inspirações musicais. Além de estar fincado nas raízes carirenses a banda tem um propósito mais amplo musicalmente, esta faz de suas canções um instrumento de estudo e resgate a cultura da região, pois não traz nas sacolas apenas o carimbo e o nome “Cariri”, e sim, a história de seu povo, a crença, a fé, o sofrimento e as manifestações culturais.
Encharcado de regionalidade, esta por sua vez brinca de reisado, canta cirandas, recita poemas, conta histórias de seus antepassados e ainda trata de temas corriqueiros e atuais, sempre abordados de uma maneira cômica e muitas vezes comovente. A base de tudo isso, não está apenas na influência ou na convivência com todos esses aspectos, mas também da necessidade de divulgação do nordeste Cariri, este relicário tão rico e tão desconhecido por muitos.
Os instrumentos que fazem suas festas não poderiam ser diferentes, pois encantam com os Pífis, as Rabecas e os seus tambores sempre ritmados pelas batidas do maracatu, pelas levadas das cirandas e pelo calor do baião. É sob esse SOL incandescente e sobre essa terra seca que o sertanejo derrama suas lágrimas de sal, e é na MACAMBIRA que o mesmo mata sua fome e segue enfrente sempre norteados pela fé e pela resistência, pois, “o nordestino a cima de tudo é um forte”. A Sol na Macambira, é isso, é música, é nordeste, é cariri, é forte.
A sol, trabalha na divulgação do seu repertório de músicas autorais através de apresentações que realiza na região e ruma a gravação do seu primeiro CD.

Edital Festejo Ceará Junino está com inscrições abertas

A Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) anuncia a abertura das inscrições para o XI Edital Festejo Ceará Junino, no valor de R$ 900.000,00 (novecentos mil reais) oriundos do Fundo Estadual de Cultura – FEC, distribuídos nas categorias “Festival de Quadrilha Junina”, e “Apoio aos Grupos Juninos”.

Na categoria apoio aos grupos juninos serão selecionados até 58( cinqüenta e oito) projetos, no valor de R$ 10.000,00( dez mil reias) cada, já na categoria “Festival de Quadrilhas Juninas”, serão selecionados até 20 (vinte) projetos, no valor de R$ 16.000,00 (dezesseis mil reais) cada. O proponente selecionado destinará desse valor R$ 10.000,00 (dez mil reais) par despesas oriundas do projeto e R$ 6.000,00 (seis mil reais) para premiação das quadrilhas juninas participantes das Etapas Regionais.

Serão contemplados no total, 78( setenta e oito) ações culturais que mantenham vivas às tradições juninas com apresentações de quadrilha junina, grupos musicais regionais (sanfona, zabumba, triângulo, pandeiro), quermesses, festival de comidas típicas e manifestações artísticas tradicionalmente populares. Conforme previsto na Lei 13.811/09 serão destinados 50% (cinqüenta por cento) dos recursos previstos neste edital para projetos advindos do interior do Estado

As propostas de inscrição deverão ser entregues até o dia 11 de maio de 2009 em envelope lacrado, protocolado na sede Secretaria da Cultura, no endereço: Centro Administrativo Governador Virgílio Távora, Cambeba (prédio da antiga SEAD, Fortaleza/CE (CEP: 60.839-9000). Mais informações sobre o Edital do XI Festejo Ceará Junino 2009, poderão ser obtidas pelo site: www.secult.ce.gov.br, pelos telefones, (85) 31016765, SIEC – Secretaria Executiva do SIEC /SECULT ou através dos e-mails: siec@secult.ce.gov.br.

10 anos do Dragão do Mar


O Governo do Ceará comemora uma década do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura

Dia 28 de abril, terça-feira, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura completa 10 anos de atividades.

Um dos mais importantes centros culturais do País já programou o Ano 10 cheio de atividades a partir de julho. O projeto Centro Dragão do Mar – 10 Anos terá como conceito central a reafirmação do imaginário mitológico do Ceará, marcado por representações de bravura, audácia, resistência e destemor de sua gente. Neste cenário, o vaqueiro e o jangadeiro são personagens centrais da epopéia cearense,
Hoje o equipamento expressa a tradição do Ceará enquanto cenário dos grandes encontros: o mar e o sertão; a tradição e a modernidade; o nativo e o estrangeiro. E todos estes encontros estão presentes no Centro Dragão do Mar, uma referência a cultura cearense nos últimos dez anos.

Para representá-los nada melhor que o jangadeiro Francisco José do Nascimento, o Dragão do Mar (em 2009, completaria 170 anos), representando o elemento mar e a escritora cearense Raquel de Queiroz, representando o sertão (e que em 2010, completaria 100 anos).

O projeto Centro Dragão do Mar – 10 Anos será desenvolvido sob o signo destes dois grandes cearenses, um homem e uma mulher, que juntos corporificam a base mitológica do Ceará. A partir deles, foram planejadas as ações para o público, como:

– Seminário Diversidade Cultural e Pensamento

A partir de maio/2009

A Cidade e os Centros Culturais – convidados: Dirigentes dos principais Centros Culturais do Brasil e de alguns países, em parceria com o Ministério da Cultura, com o objetivo de promover o encontro de experiências de gestão e de articular parcerias internacionais;

Seminário Internacional – Museu:Patrimônio de Todos

Seminário Internacional de Cosmologia – O Sol, as Estrelas, o Universo e a Relatividade Geral com a participação vários países – 26 a 29 de Maio/2009 – O evento é uma promoção da Rede Internacional de Centro de Astrofísica Relativística, em parceria e sediado pelo Centro Dragão do Mar;

– Ações de difusão:

A partir de julho/2009

Encontro Nordeste: um encontro reunindo grandes nomes da música brasileira popular do Nordeste e jovens talentos atuais;

Encontro Brasil: um encontro reunindo grandes nomes da música do Brasil e jovens talentos atuais;

Encenação: peças de teatro com montagens de caráter experimental e de grande originalidade, que ainda não entraram no circuito comercial;

Grandes Encontros: Música Instrumental e de Câmara;

– Concurso Seu Olhar sobre o Centro Dragão do Mar

Agosto/2009

Público visitante participará enviando fotos;

– Dragão do Mar Cine Fórum

Durante todo o 2° semestre

Encontro Nordeste: reunirá a mais nova produção audiovisual do Nordeste e sobre o Nordeste, na perspectiva de refletir a construção do Nordeste no cinema;

Encontro Brasil: um encontro reunindo a mais nova produção audiovisual do país, incluindo artistas do Nordeste e de outras regiões do Brasil;

Encontro Mundo: mostra reunindo a mais nova produção do cinema mundial, apresentando filmes das cinematografias da Índia, América Latina, Europa e Estados Unidos;

– Exposição Jangadeiros – Memorial da Cultura Cearense focando a trajetória do Chico da Matilde

Agosto/2009;

– Concurso Estadual de Redação sobre Chico da Matilde

Agosto de 2009

Realizado em parceria com a Secretaria de Educação do Ceará e a Assembléia Legislativa, crianças e adolescentes escreverão sobre o abolicionista e a melhor redação receberá prêmio e será divulgada;

– Concurso de Teatro sobre Chico da Matilde

Agosto de 2009

Produção teatral local de peças ou esquetes sobre a história do abolicionista;

– Estátua de Chico da Matilde

Setembro de 2009

Confeccionada por Murilo Toledo com inscrições informativas, instalada nas dependências do Centro Dragão do Mar;

– Mostra Para Começo do Século

Setembro/2009

No Museu de Arte Contemporânea. O projeto Americanidade se estende reunindo quatro artistas latino americanos, quatro artistas nacionais e quatro artistas cearenses

– Lançamento da reedição do livro “Dragão do Mar – o jangadeiro da Abolição”

Outubro de 2009.

Autor: Edmar Morel. Sobre a vida de Chico da Matilde, o livro teve sua primeira edição em 1949;

– Ano Internacional da Astronomia

O Planetário Rubens de Azevedo estará recebendo em maio de 2009 um complexo tecnológico de última geração (ZKP – 4), de fabricação alemã (Carl Zeiss) e transferindo o atual ZKP – 3 para a cidade de Sobral, em função das comemorações dos 90 anos da constatação da Teoria da Relatividade de Albert Einstein naquela cidade. Todas as atividades referentes ao Ano Internacional da Astronomia 2009 no Estado serão coordenadas pelo Planetário Rubens de Azevedo. Estão previsto encontros, seminários e exibição de filmes científicos durante todo o ano.

– Prêmio Dragão do Mar de Arte e Cultura

Entrega dos prêmios dia 05 de novembro, Dia da Cultura

Homenagem a 10 pessoas que contribuíram para a história do Centro Dragão do Mar; homenagem aos artistas cearenses que se destacaram nos anos de 2008 e 2009; homenagem a primeira diretoria do Instituto de Arte e Cultura do Ceará; e Solenidade de entrega aos agraciados.

Ação do Coletivo Camaradas no XIV ERECS Norte/NE !

Padre Cícero é temática de intevenção do Coletivo Camaradas no Erecs.

Na última segunda -feira (27), membros do Coletivo reuniram-se no objetivo de pautar a ação do mesmo no XIV ERECS N/NE (Encontro Regional de Estudantes de Ciências Sociais Norte e Nordeste) que será realizado no Crato (CE) de 29 de abril a 03 de maio, cujo tema trata sobre à questão das romarias ao cariri no tocante a fé, cultura e política do povo nordestino! Também esteve presente Michael Marques (o cara é estudante de Ciências Sociais da URCA, e entende muito do tema e é um dos fundadores do Coletivo). Ele muito contribuiu à reunião com informações de datas, locais do evento e nos fez um breve histórico da figura do Padre Cícero e sua relevância para o crescimento populacional e da cidade de Juazeiro do Norte (CE). Para tanto, logo mais será postada a divulgação de tal ação do Coletivo Camaradas no encontro regional, que espera receber cerca de 800 pessoas do Norte e Nordeste…

Comissão do CUCA Cariri traça rumos para inauguração em maio

A inauguração do Centro Universitário de Cultura e Arte – CUCA Cariri será nos dias 20 a 22 de maio e pretende movimentar diversas atividades nas universidades e faculdades da região. Dentre atividades previstas estão intervenções urbanas, oficinas, rodas de conversa, mesa-redonda, exibição de documentário e de peça teatral. Um dos
objetivos é possibilitar um dialogo permanente com os mestres da cultura popular e as manifestações realizadas fora das instituições universitárias, num processo de interação artística e cultural.
A comissão responsável pelo CUCA Cariri é composta por Alexandre Lucas, Bruna Gomes Dantas, Dayze Carla Vida da Silva, Fatinha Gomes, Jean Alex Alencar, Jéssica Bezerra, Lílian Carvalho, Rebecca Pinheiro Sidrim.
A Banda Sol na Macambira e Fatinha Gomes serão umas atrações musicais da inauguração do CUCA. O diretor estadual da UNE, Rudiney Sousa já confirmou presença no evento. É possível que representantes do Instituto CUCA estejam presente na região e produzam documentário para circular a nível nacional, através da TV CUCA e outras canais. No entanto, estão dependendo de viabilidade financeira.
Atualmente os Cucas estão espalhados em diversos estados brasileiros e no Ceará a região do Cariri será a primeira a implantar o CUCA. Podem participar das ações da organização universitários e não universitários, como os artistas, coletivos, grupos de teatro, dança e das manifestações populares, cineastas e poetas. Neste sentido, o
CUCA Cariri é patrimônio do região, não pertencendo a nenhuma universidade ou sendo entidade de representação. O CUCA tem um caráter aberto a participação daqueles que queira desenvolver alguma atividade dentro ou fora das instituições universitárias. Para a Rebecca Sedrim, uma das responsáveis pela Comunicação do CUCA Cariri, é importante para a região união da cultura popular e a erudita, bem como a participação dos universitários e da comunidade. Ela enfatiza que isso propicia uma dialogo mais vivo com a cultura e a arte.
No caso de artistas, grupos ou universitários que deseje ofertar alguma oficina, performance, apresentação entrar em contato pelo email: cuca_cariri@hotmail.com

Serviço:
CUCA Cariri
Email: cuca_cariri@hotmail.com

“Abriu pra Juventude” no Crato

Clique na imagem para ampliar

A Secretaria de Cultura, Esporte e Juventude do Crato estará realizando nos dias 27,28 e 29 de abril o ABRIU PRA JUVENTUDE, um evento voltado pra juventude e que envolve arte, cultura, esporte e lazer।Dentro da programação acontecerão seminários, apresentações artísticas, exposições e mostra de audio-visual।O evento é realizado em parceria com as secretarias municipais de Secretaria de Educação e Secretaria de Ação Social.

Nívia Uchoa e Thiago Santana entre grandes nomes da fotografia nacional em SP

Exposição destaca obras de grandes fotógrafos nacionais dentre Nívia Uchoa e Thiago Santana da região do Cariri
Imagens de Mario Cravo Neto, Thomaz Farkas, Cristiano Mascaro, entre outros, fazem parte da coleção de Rosely Nakagawa

No dia 9 de maio, sabado, o Conjunto Cultural da Caixa Econômica Federal, em São Paulo, inaugura a exposição “Portfolio, 30 anos de fotografia”, coleção com 40 imagens do acervo pessoal da curadora e pesquisadora Rosely Nakagawa. Na semana seguintem dia 13 de maio, ela ao lado da jornalista e crítica de fotografia Simonetta Persichetti, estarão presentes proferindo palestra sobre “Fotografia e Mercado”.

A exposição apresenta imagens que Rosely foi reunindo durante os 30 anos de sua trajetória profissional, desde a primeira, que foi presente de Mario Cravo Neto, uma foto em PB, até reunir um portfólio com 200 fotos, das quais selecionou 40, onde o destaque fica para o momento criador e o processo de elaboração de renomados fotógrafos brasileiros.

Entre eles, encontram-se Mario Cravo Neto, Thomaz Farkas, Cristiano Mascaro, Carlos Moreira, Luiz Braga, Lucia Guanaes, Nívia Uchôa. São profissionais que passaram pelos olhos de Rosely e juntos escolheram, selecionaram, dividiram, compartilharam o fazer imagético.

“Talvez, mais do que uma coleção, o que Rosely nos mostra seja uma coletânea, onde ficam evidentes os interesses e os gêneros de época. Um índice que nos permite ver, mesmo que não de forma cronológica e, muito menos didática, a transformação da estética fotográfica, um passeio pelos mais variados estilos. E mostra um panorama da história da fotografia brasileira, muito mais ligado à afeição, ao emocional do que a um discurso intelectualizado”, declara Simonetta Persichetti.

Rosely é formada em Arquitetura e Urbanismo pela FAU-USP, com extensão em Museologia. Seu trabalho como curadora teve início na Galeria Fotóptica, no final da década de 70. “Acompanhar a produção e a realização do trabalho fotográfico, conviver com fotógrafos e acompanhá-los nas saídas fotográficas era, realmente, o que mais me motivava naquele trabalho”, destaca ela.

Na galeria, Rosely conheceu fotógrafos contemporâneos de Thomaz Farkas como José Medeiros, Pierre Verger e Chico Albuquerque. Além dos que despontavam no cenário da fotografia nacional e internacional, como Sebastião Salgado e Alécio de Andrade.

Em 1986, começou a trabalhar de forma independente como coordenadora de mostras em museus e outras galerias. A partir daí não parou mais, foi curadora de diversos espaços culturais, a exemplo da Casa da Fotografia Fuji e do Espaço Senac Escola de Comunicação e Artes. Organizou dezenas de exposições de fotógrafos conceituados, assinou a edição e coordenações de diversos livros de imagens e participou de congressos no Brasil inteiro e no exterior. Hoje, coordena as mostras das galerias Fnac Brasil, com a proposta de mostrar a produção brasileira na sua diversidade e complexidade, nas oito galerias no Brasil .
A mostra “Portfolio, 30 anos de fotografia” é itinerante e irá percorrer até o final do ano, outros Conjuntos Culturais da Caixa, situados nas cidades de Brasília (julho) e Salvador (dezembro).
Fotógrafos participantes da mostra “Um olhar, 30 anos de fotografia”
Arnaldo Pappalardo – São Paulo
Carlos Alberto Ebert – São Paulo
Carlos Moreira – São Paulo
Celso Oliveira – Rio de Janeiro
Clode Kubrusly – São Paulo
Cristiano Mascaro – São Paulo
Fernando Lemos – São Paulo
Guy Velloso – Belém
Ion de Freitas – São Paulo
João Musa – São Paulo
Joao Urban – Curitiba
Kenji Ota – São Paulo
Leonardo Crescenti – São Paulo
Lucia Guanaes – Salvador
Lucia Loeb – São Paulo
Luiz Braga – Belém
Luiz Carlos Felizardo – Porto Alegre
Manuel da Costa – Porto Alegre
Marcos Piffer – Santos
Mario Cravo Neto – Salvador
Nívia Uchôa – Juazeiro do Norte
Paula Sampaio – Belém
Pedro Lobo – Rio de Janeiro
Pedro Vasquez – Rio de Janeiro
Penna Prearo – São Paulo
Salete Goldfinger – São Paulo
Thomaz Farkas – São Paulo
Tiago Santana – Fortaleza

Exposição – “Portfolio, 30 anos de fotografia”

Informações p/ imprensa:
Ateliê de Textos, com Alzira Hisgail e Renata Rosa
Telefax: (11) 3675.0809 – E-mail: atelie@ateliedetextos.com.br
www.ateliedetextos.com.br

A vitalidade do cordel caririense

Emerson Monteiro

Ao ler recente produção de Maércio Lopes Siqueira, membro da Academia dos Cordelistas de Crato, intitulada O romance de Auriflora e o novo pavão misterioso, senti de perto a pujança das sete vidas do cordel. Instrumento de comunicação de massa mesmo antes de se falar em meios industriais da comunicação, o cordel preservou a leveza original dos primeiros livros gutenberguiano da invenção da imprensa no Ocidente. Saia dos salões burgueses e clericais para as feiras e os mercados medievais e embarcava pelo mundo, nos navios dos degredados que rumaram ao Novo Mundo, achando terra fértil no Nordeste, onde se impõe e resiste a todas inovações tecnológicas da transmissão dos bens simbólicos.
Esse jovem Maércio Lopes, autor de texto leve e espontâneo, atualiza a história anotada em verso pelo clássico de José Camelo de Melo Rezende (O romance do pavão misterioso), agora em tempos globalizado, ocasionando momentos gostosos de boa rima em roteiro digno dos melhores encômios televisivos e urbanos da mídia profana.
O livreto guarda o selo da Tupynanquim Editora, de Fortaleza, de Klévisson Viana, com capa ilustrada por xilogravura também da autoria de Maércio, num refino gráfico colorido em amarelo, datado de fevereiro de 2009.
Sem sombra de dúvidas, a Academia dos Cordelistas do Crato, com sua admirável cifra de mais de 500 títulos já publicados e seus tantos autores revelados mês a mês, insere-se na história da literatura popular de todas as épocas.
Nesta fase, a Academia tem Maércio Lopes na função de presidente e preserva a mesma intensidade produtiva com que se iniciou sob a brilhante lavra do folclorista e autor Elói Teles de Morais.
De um fôlego, entrega-se de moto próprio à leitura do cordel e das portas que se abrem ao toque do leitor um jogo aberto de ações e maquinações acontecem, passe mágico e livre de subterfúgios ou longas tiradas descritivas, que caracterizam, em geral, os romances oficiais da grande literatura. Os versos populares invadam, destarte, a simpatia das massas, por conta de facilitar a compreensão, no andamento das histórias saborosas, aos moldes da alma do homem simples, pouco afeito a turnos ociosos, na corrida pela sobrevivência, contudo dotado de senso artístico e alma criativa.
Portanto, somados os fatores atuais das técnicas aprimoradas do cordel e a verve qualificada desse moço de Santana do Cariri, no Ceará, há que se admitir a propulsão dos valores cordelianos sempre vivos, a persistirem na missão do dizer dos povos nordestinos.