Cordel manifesto de professora da URCA

CARTA ABERTA AO REITOR NO ANIVERSÁRIO DA URCA

Autora: Salete Maria

Magnífico Reitor

Receba esta cartinha
E dela seja leitor

Na data que se avizinha

Da URCA, o natalício

E “por dever de ofício”

Reflita uma coisinha


A melhor coisa do mundo

É não ter o rabo preso

Não fazer papel imundo

Nem na consciência peso

É poder dizer: “discordo”

Pois quanto mais cedo acordo

Meu cérebro não fica obeso


No governo de Herzog

Eu redigi dois cordéis

Também botei no meu blog

E divulguei em papéis

As irregularidades

E muitas iniqüidades

Daqueles tempos cruéis


Agora no seu mandato

Da “URCA do jeito certo

Não é meu desiderato

Ver o errado encoberto

Penso que ser coerente

Não é plantar a semente

E fugir para o deserto


É preciso cultivar

Aquilo que se plantou

Se for preciso arrancar

O mato ruim que gerou

Cortar a erva daninha

Fazer uma fogueirinha

E ver se o fogo pegou


Queimar as coisas erradas

Finalizando as mazelas

Não fazer vistas cerradas

Nem compactuar com elas

Tomar medida urgente

Na condição de gerente

Pra ver se dá cabo delas




É preciso tomar tento

Pra erros não repetir

Ficar bastante atento

Não cochilar, não dormir

Tampouco ser conivente

Ou mesmo ficar silente

Fechar a porta e sair


Senhor Reitor e amigo

Eu já lhe adverti

Já lhe mostrei o perigo

Dos desmantelos que vi

Mostrei-lhe a coisa ruim

Pro Senhor botar um fim

E boa-fé eu senti


Porém até esta data

Não vi profunda mudança

Nenhum registro em ata

Contra o mal que avança

Muita coisa piorou

E o Senhor não tomou

Das rédeas, a liderança


Por isto este cordel

Para que o Senhor leia

E tire da cara o véu

Ou o que lhe encandeia

E abra bem o seu olho

Botando as barbas de molho

Antes que isto dê cadeia


No seu governo de agora

Também tem corrupção

E ninguém mais ignora

Que tenha perseguição

Privilégio e nepotismo

Desmando e continuísmo

De cargo acumulação


E tem verba desviada

Pra favorecer amigo

Tem função que foi criada

Olhando só pro umbigo

Imoralidade tem

Muita maldade também

Causando choro e gemido

Tem irregularidade

A torto e a “Direito”

Em muita facilidade

Pra quem cultiva o mal feito

Redução de carga horária

Viagem e muita diária

Pra tudo “se dá um jeito”


Tem coisas nos bastidores

Mas também a céu aberto

Tem cargos de pró-reitores

Criados meio incorretos

Tem lama na FUNDETEC

Em Iguatu falta o MEC

Pra ver os erros de perto


Tem muito ad referendo

Quando a coisa convém

Muito processo perdendo

O objetivo que tem

Prazo não é respeitado

Tem parecer “fabricado”

Pra quem só disser amém


Tem rigores para uns

Pra outros, “deixa fazer”

Há proteção para alguns

Pra outros: “vão se foder”

A cartilha herzoguiana

Despótica, vil e tirana

É cartinha de ABC


A incompetência também

Faz o pacote completo

Erros crassos vão e vêm

São o hobby predileto

Dos que sem qualquer pudícia

Carregados de malícia

Contra a lei dão seu veto


E que dizer dos horrores

Que fazem pra aparecer?

Ocupando sem pudores

Funções que não podem ter

Tem professor graduado

Opinando em doutorado

De quem pede parecer




Ademais tem os conchavos

E os “acordos de paz”

Tem os “nove/doze avos”

Que com tudo se apraz

Corroborando a sujeira

Achando que é bobeira

Quando denúncia se faz


E alguém pode até dizer

Que critico porque quero

Um cargo pra “me fazer”

E deixar de lero-lero

Convites lhe recusei

Porque eu jamais lutei

Pra voltar a estaca zero


Digo-lhe que valorizo

A URCA onde estudei

E isto eu sempre friso

Ao ensinar o que sei

Esta Instituição

Mora no meu coração

E defendê-la é lei


Reconheço que você

Tem feito algum progresso

Sei que há muito por fazer

E lhe desejo sucesso!

Mas não precisa dinheiro

Para com coragem e zelo

Evitar um retrocesso


Celebro o que de bom

A URCA pôde ganhar

Isto demonstra o seu dom

De saber se articular

Mas, por favor, convenhamos

Nem só de parede e planos

Se faz um bom governar


Imagino que é difícil

Resolver tanta questão

Mas faça um sacrifício

E exija a união

Do povo que tá ganhando

E mal lhe assessorando

Sem mostrar nenhuma ação




Em prol do seu reitorado

Contribuo com projetos

Porém todos são barrados

Quando não estou por perto

Sinto na pele o problema

Acabe com este “esquema”

E faça do JEITO CERTO!


Quem avisa amigo é

E eu sou amiga sua

Por isto meto a colher

E também sento a pua

Pro Senhor ficar esperto

E a URCA DO JEITO CERTO

Não ser julgada na rua


Em breve volto pra casa

Pra continuar somando

Não pense que criei asa

Porque tô filosofando

Não vou arribar daí

Me demitir e partir

Como muitos tão pensando


Meu desejo é ajudar

E ver a URCA crescer

Cada vez mais elevar

Nosso nível do saber

Seja através da extensão

Ou na pós-graduação

Pesquisa temos que ter


Por isto, democratize

O debate e as instâncias

Pra que seu povo não pise

Com toda sua arrogância

Em quem ajudou você

A Reitor se eleger

E a plantar esperança


Por aqui eu me despeço

E lhe remeto um abraço

A única coisa que peço

É que desate o laço

Que prende sua ação

E impede a revolução

Em plenas águas de março!


Salete Maria, 2009


Um comentário sobre “Cordel manifesto de professora da URCA

  1. O título era "arte marxista", mas o dono do Blog resolveu me censurar e mudou o título da minha postagem. <BR/>Pensei que não havia donos da verdade aqui. E se "arte marxista" está errado, qual é o problema?

Deixe uma resposta