Carta de agradecimento.

“Caras(os) Amigas(os),

Venho, por meio desta, AGRADECER, de coração, as inúmeras manifestações de apoio a minha pessoa neste momento difícil de minha vida, em que me sinto ultrajada e  ofendida, além de sozinha, longe de casa, de meus familiares e daqueles amigos mais próximos e leais.

 

A solidão da produção científica aliada à dor e à sensação de momentânea impotência diante de tão absurdo incidente perpetrado covarde e estupidamente por um colega de trabalho contra mim, mexem com meu metabolismo e vem prejudicando minha saúde física e psicológica. No entanto, após o registro policial e o protocolo de pedido de providências junto à Reitoria, sinto alguma esperança de, pelo menos, abrir um canal de diálogo com aqueles a quem este tipo de prática causa indignação.

 

Por outro lado, como era de se esperar, e como sempre acontece em crimes de ameaça, sobretudo contra mulheres, o agressor agora vem a público tentar me desqualificar  e me transformar de vítima em algoz.

Em não podendo negar que telefonou para minha casa, obtendo o meu telefone com pessoa a quem eu estimava como amiga, o referido professor agora constrói sua defesa argumentando que me ligou para ter informações sobre uma conversa de que eu andaria procurando “amigos em comum” para saber se ele “lançava livros para um dia ser reitor.” Disse ele que conversou amistosamente comigo acerca desta questão. Sinto-me duas vezes aviltada.  A mentira que este senhor está construindo, com apoio de algumas colegas de departamento, mostram a justeza de minhas palavras escritas no cordel.

 

Aqueles(as) a quem devo ter atingido ao me reportar a irregularidades, acúmulo de cargos, nepotismo, favoritismo, desvio de verbas e perseguição, certamente estão auxiliando meu agressor na construção de sua insustentável tese de defesa.

 

Vê-se que o objetivo é me desqualificar e, com isto, apagar o assunto central desta questão: as irregularidades apontadas por mim e olvidadas pelas autoridades que se mantém em silêncio até o momento.

 

Quanto aos argumentos de que se utiliza o professor Reno – reincidente em ameaças e agressões a outros profissionais da URCA – devo dizer que jamais disputei nada com este colega. Tampouco me preocupo com o que o mesmo anda ou não fazendo academicamente. Até por que eu mesma já o ajudei quando fiz um projeto de curso no qual ele se especializou.

 

Assim sendo, quem me conhece sabe que não sou de medir competência com colega algum, até porque tenho sido abundantemente coroada de êxito em tudo que faço, seja pessoal ou profissionalmente. É do conhecimento público que fui aprovada em primeiro lugar para lecionar nesta instituição. Como também fui aprovada, em primeiro lugar, para estudar doutorado numa universidade pública, federal, que está entre as 100 melhores do mundo. Todos sabem que faço intercâmbio internacional com a melhor Universidade Pública das Américas, a UNAM e que sou uma professora dedicada e competente.

 

Ademais disto, tenho ajudado muita gente a obter qualificação, além de engrandecer  meu departamento com importantes e inovadores projetos de pesquisa e extensão. Jamais teria razões para disputar qualquer posição com este colega ou outro qualquer da nossa Instituição. Não sou candidata a Reitora ou a qualquer cargo institucional, até por que  meu doutorado é demasiado sério e exigente, onde é necessário muito estudo e muita produção a fim de que o seu resultado traga algo de importante para a URCA e o Cariri. TUDO ISTO DESCONSTITUI SEUS ARGUMENTOS.

 

Sendo assim, reafirmo tudo que narrei na carta, pois tenho provas de tudo o que aconteceu. Esta tentativa de negar o crime praticado demonstra a incapacidade de auto crítica ou retratação.

 

Chamo a atenção, mais uma vez, para a necessidade de refletirmos sobre AS IRREGULARIDADES PERPETRADAS DENTRO DA URCA, razão maior de tudo o que ora acontece, corroborado pela prática de sujeira e PERSEGUIÇAO. Por fim, ainda que todos capitulem e se acovardem, mais resoluta lutarei, posto que esta tem sido a minha mais nobre vocação.

 

Abraço amigo e saudações a quem tem coragem!” 

 

Salete Maria

Um comentário sobre “Carta de agradecimento.

  1. O censor tentou agira aqui, apagou meu comentário. Que feio, "camarada". MAs não se preocupe não, posso deixar de postar aqui, se quiser. <BR/>E não apague não esse comentário, que isso é coisa de menino.

Deixe uma resposta