Arquivos mensais: fevereiro 2009

Com fome não se produz nada…

No Brasil, quem executa o repasse de verbas para a merenda escolar das crianças da escola pública é o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).  

O ministério da Educação tem um programa para isso. Se chama Programa Nacional de Alimentação Escolar (pnae). Só em 2009 serão 2,02 bilhões de reais a serem repassados.  Mas quem não presta contas, não pode continuar a receber o dinheiro para a compra da merenda escolar. 

Infelizmente tem prefeito que não presta conta do dinheiro da merenda escolar! Nem disso! 

No estado em que resido, eis a lista das cidades que vão ficar sem o repasse, por não prestarem contas: 

1) Alto Santo
2) Amontada
3) Aratuba
4) Baturité
5) Capistrano
6) Cariús
7) Catunda
8) Coreaú
9) Croatá

10) Farias Brito

11) General Sampaio
12) Granja

13) Granjeiro

14) Ibaretama
15) Ibiapina
16) Irauçuba
17) Madalena
18) Marco
19) Martinópolis

20) Milagres

21) Palmácia
22) Pedra Branca
23) Quiterianópolis
24) Quixeramobim

25) Saboeiro

26) Santana do Cariri

27) São Luis do Curu
28) Tabuleiro do Norte
29) Trairi
30) Ubajara  

As cidades que grifei são relativamente próximas de onde eu resido. 

Ao total, 30 cidades sem repasse de verbas para a merenda por causa da falta de prestação de contas. Nesse período que não receberão o repasse, as prefeituras terão que arcar com as despesas. Depois, se comprovarem os gastos, receberão o dinheiro. 

E no Brasil todo tem 865 cidades na mesma situação. 

Adivinhe para quem vai sobrar o pato? Quem vai ser prejudicado? 

(Fonte: Portal Vermelho) 

Material didático sobre arte será lançado na URCA


Lançamento do material do projeto
O cariri nas tramas da arte, da imagem e da cultura será dia 07.

O projeto “O Cariri: nas tramas da arte, da imagem e da cultura”, vislumbra abrir espaço para a valorização do patrimônio artístico-cultural regional por meio de um material de apoio voltado à instrumentalização dos professores que atuam no ensino de Artes nas escolas públicas da região apresentando através da imagem, a estética do cotidiano e produções de artistas populares guiando a efetivação de práticas de ensino comprometidas com a divulgação e compreensão da tradição local através do saber arte e saber ensinar arte. O Projeto foi aprovado no III Edital Público de Incentivo as Artes no Ceará 2005/2006 proposto pela da Secretaria da Cultura do Estado. Esta publicação, organizada dentro de uma maleta artesanal, compreende, uma dupla intencionalidade: ampliar o espaço para a leitura da imagem na sala de aula e, ao mesmo tempo, considerar a riqueza e as expressões Artísticas do Cariri.

Data 07 março 2009
Horário: 19 horas
Local: Salão da Terra – URCA Campus Pimenta

Novo edital: Agentes de Leitura

Um dos projetos estaduais mais bacanas de incentivo à leitura está com inscrições abertas. O programa Agentes de Leitura do Ceará objetiva levar o livros até as populações mais carentes, através de um agente que visita regularmente as famílias para realização empréstimos de livros.

Cada agente selecionado recebe uma bolsa mensal complementar de renda no valor de R$ 354,80,00, por período de um ano, tempo de vigência do projeto, além de uma bicicleta, uma mochila e um acervo individual de 100 títulos para a realização de atendimentos domiciliares. Um agente de leitura assiste a 25 famílias de sua comunidade com empréstimos de livros, rodas de leitura e contação de histórias.

Em 2009, serão 210 bolsas concedidas a agentes com objetivo de assistir a 5.250 famílias. As inscrições acontecem até o dia 19 de março de 2009. O edital está disponível na página eletrônica da Secult www.secult.ce.gov.br

O edital – Para se inscrever no Edital Agentes de Leitura do Ceará, os interessados devem ter idade mínima de 18 anos, comprovar o seu registro ou de sua família no Cadastro Único do Governo Federal (Número de Indicador Social – NIS), haver concluído o Ensino Médio até a data de inscrição.

O processo seletivo para agente de leitura divide-se em três etapas: prova escrita (subjetiva e redação), prova oral (entrevista) e visita domiciliar.

Em Fortaleza os bairros selecionados são: Curió, Dunas, Pedras, Siqueira, Genibaú, Bom Jardim, Mondumbim, Moura Brasil, Jangurussu e Vicente Pinzón.

Os municípios de Assaré, Jardim, Salitre e Nova Olinda (Cariri); Capistrano, Ocara, Mulungu e Itapiúna (Maciço de Baturité); Saboeiro, Lavras da Mangabeira, Catarina e Cariús (Centro Sul e Vale do Salgado);, Pedra Branca, Choró, Itatira e Ibaretama (Sertão Central), Tejuçuoca, Apuiarés, Jijoca de Jericoacoara e Amontada (Litoral Oeste); Arneiroz, Aiuaba, Novo Oriente e Ararendá (Inhamuns); Meruoca, Alcântaras, Reriutaba e Mucambo (Vale do Acaraú/Ibiapaba); Ererê e Potiretama (Vale do Jaguaribe) também estão no raio de atuação do projeto.

Fonte: Secult

Sistema Nacional de Cultura

Você sabia que dos 184 municípios do Ceará, só 97 possuem secretaria ou órgão municipal de cultura?

Para concluir o que o MinC chama de Sistema Nacional de Cultura (uma secretaria de cultura, um fundo municipal e um conselho de cultura implantado em cada município), a Secult inicia amanhã (26) o Encontro dos Gestores Municipais de Cultura, que reúne os secretários e dirigentes de cultura municipais em Fortaleza.

Para implementar o Sistema Nacional de Cultura em sua totalidade, a Secult criou a Coordenação de Gestão dos Sistemas Culturais que faz a interlocução da Secretaria com a sociedade civil. Deste modo, Rejane Reinaldo, ex-secretária da cultura de Sobral, assume a coordenação para este intermédio com a classe artística, produtores e sistemas de cultura.

Fonte: Secult

Pensando a História

Renegado por séculos e séculos, o negro aparece no cenário brasileiro inicialmente como um indigente, como um ser sem alma, sem direitos. De origem africana é exportado como uma mercadoria valiosa para países de outros continentes. Ao chegar ao Brasil passa a ser relegado a uma vasta e única função, a de ser explorado pelo povo que aqui se constituía como o povo brasileiro.
Sua cultura passa a ser algo irrelevante, em que além de subjugada como inferior e errada, passa também, a ser vítima de um forte etnocídio. Novos princípios e valores, apesar da tentativa de resistência negra, são implantados na vida desse povo. Aos poucos uma cultura que permeava uma forma de compreensão do mundo é cruelmente substituída por uma cultura branca, ambas, entretanto, tão verdadeiras quanto qualquer outra. Em que orientando-se por um diagnóstico relativista, não existem culturas atrasadas, erradas ou inferiores, existem culturas, e todas elas são válidas, pois explicam e ordenam a realidade de cada uma das sociedades distribuídas no mundo.
No Brasil como já fora mencionado anteriormente, não foi bem isso o que aconteceu, tanto os negros como os índios foram vítimas de uma forte violência cultural. Atualmente sua descendência busca conquistar o seu espaço numa ala até certo ponto ainda fechada, pois apesar de válida, porém, sujeita à correção, a sociedade branca desencadeou um racismo e um preconceito que marca profundamente a cultura do povo que aqui se acentuou. Esse fato justifica-se na dificuldade encontrada muitas vezes pelo descendente negro em se assumir como tal. Costuma-se dizer que ele apresenta racismo contra si mesmo, o que é consequência de todos esses séculos de opressão. Pois como alguém que é renegado por tanto tempo pode esquivar-se completamente de sua história, e uma história sofrida, violenta e opressora e aceitar-se completamente?
As tentativas de desculpa para com essa etnia e que ao mesmo tempo tende a gerar uma consciência multiétnica vinculada ao dia da consciência negra, apresenta-se como uma política educacional importante. Entretanto, as informações colocadas devem ser muito bem explicitadas, pois a história para além de ser contada pelos livros, deve ser inspecionada e refletida. Pois se a educação não conseguir formar um cidadão critico da própria história, não estará mais que produzindo robores programados.

Cícera Andrade

Exposição Cabaré – Memórias de uma Vida


Abertura: Dia 13 de março, 18h

Período da Exposição: 13 de março a 15 de abril de 2009

O trabalho consiste no resgate e na denúncia do processo de exclusão e degradação social da antiga zona de prostituição do Crato que teve inicio em 1952. Mais que uma zona de prostituição o Cabaré do Gesso, uma das denominações do local, foi espaço de sobrevivência de famílias que durante todo esse período foram excluídas das políticas públicas da cidade. A exposição proposta pelo Coletivo Camaradas tem um caráter processual e toda a concepção e montagem é uma realização conjunta com a comunidade. A exposição visa possibilitar uma discussão em torno da ausência de políticas públicas e as relações de sobrevivência. Cabaré visa garantir a dignidade humana no processo, incluindo os excluídos sociais no pensar e fazer artístico. Vários caminhos vão sendo construídos até exposição chegar na galeria do CCBNB. São oficinas, intervenções artísticas, diálogos e produção de um documentário.

LEGALIZA OU NÃO??? Parte I




O governo brasileiro já vem a 30 anos com a sua mesma politica
suicida de opressão ao uso de drogas ilegais, dentre elas a MACONHA.
Segundo a UNO 200 milhões de pessoas no mundo usa drogas,
sendo que 160 milhões usam a maconha.
Dentre das ilegais é a mais usada mundialmente, o Brasil passa
por momentos que vejo na minha concepção, de evolução em alguns aspectos.
Surge no senado o debate sobre a Legalização da maconha, dentre muitas
autoridades de nome tais como o Fernando Henrique Cardoso, se diz afavor.

O Brasil vem sentindo a consequência de atos ignorantes com a sua juventude,
desprezando a EDUCAÇÃO e valorizando a VIOLÊNCIA, que eles acreditam ser
segurança um policial fardado com uma arma na mão, mesmo feito o juramento
que seguirá a lei, isso mesmo, A LEI, a LEI deles…!
Não adianta entrar em um tema que não se conhece!
A base de uma nação soberana é EDUCAÇÃO, como temos exemplos na Europa.

Por que aqui nunca irá legalizar ???

1 – Não temos suporte para viver essa realidade aqui no Brasil.
2 – A grande maioria dos usuários são leigos ao que diz respeito.
3 – O governo quer lucros, e mais lucros.
4 – Como vão obter lucro em algo que se plana no jardim de sua casa?

Precisa de mais ???

ELES alegam que…
A maconha traz consequências irreparáveis!
Concordo mas temos que levar em consideração que leva anos para vir consequência.
Ela traz malefício em…

1- Falta de reflexo.
2- Causa câncer de pulmão.
3- Perca de memória ( Relativo a cada pessoa ).
4- Aumentaria o comércio da droga, deixando mais forte seu efeito.

Se pesquisarmos um pouco mais do que vemos na TV e nas revistas vemos
que não é bem por ai, pensamos um pouco:

Legalizando a Maconha, o governo poderia ter o controle da sua origem
podendo gerar emprego e consumir imposto como qualquer outro produto.
Um dos motivos que é legalizado na Europa é para reduzir o numero de usuário
em drogas mais destrutivas como crack, cocaína, lsd, heroína entre outras…
Que não podemos deixar de citar o TABACO (Cigarro), ALCOOL, que mata centenas por
semanas e mesmo assim É LEGALIZADO COM IMPOSTOS AUTÍSSIMOS.

Na minha visão, EU APOIO A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA SIM!

Não agora, acredito que o governo tenha que investir numa campanha para educação
desse assunto em toda e qualquer classe social, para que não cometam o mesmo erro
que fizeram com a bebida e o tabaco, deixar a conscientização depois de milhões mortos.

Qual a sua opinião ? ? ?

Solte o verbo!

Luz e sabedoria a todos…

bjs.

Carlos Henrique.

CONGRESSO BRASILEIRO DE POESIA 2009

.PROYECTO CULTURAL SUR/BRASIL LANÇA PROJETODAS ANTOLOGIAS OFICIAIS DOXVII CONGRESSO BRASILEIRO DE POESIADentre todos os projetos desenvolvidos durante o CONGRESSO BRASILEIRO DE POESIA, o que mais vem repercutindo junto à comunidade escolar de Bento Gonçalves é o POESIA NA ESCOLA, que consiste na publicação da Coleção “POESIA DO BRASIL”, antologia que terá neste ano de 2009 publicados os volumes 9 e 10.Também terá continuidade o projeto “POETA, MOSTRA A TUA CARA”, com a publicação do volume 6. No ano passado, foram distribuídos nas escolas 400 exemplares do volume 5 (244 páginas, 78 poetas participantes e 3.500 exemplares de tiragem).No ano de 2008, foram entregues para a Biblioteca Castro Alves distribuir às escolas do município 1.200 exemplares dos volumes 7 (412 páginas, 67 poetas participantes e tiragem de 5.500 exemplares) e 8 (520 páginas, 85 poetas participantes e tiragem de 5.500 exemplares). A previsão dos organizadores do XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE POESIA é neste ano distribuir 2.000 exemplares.A exemplo do ocorrido no ano passado, as antologias serão publicadas com antecedência, para que cheguem às escolas no máximo no início do mês de agosto, possibilitando assim que os alunos possam conhecer um pouco do trabalho dos poetas que vão estar no evento em outubro.Os lançamentos das antologias acontecerão nas noites dos dias 6 e 7 de outubro, dentro da programação oficial do evento, que acontecerá de 5 a 10.Interessados em conhecer ou participar do projeto podem solicitar informações com os coordenadores dos volumes (adebach@gmail.com e cacaugoncalves@gmail.com)

Campanha de guerra

Não digo para não doar sangue! Apenas questiono a prerrogativa.


Carnaval s.m. – Três dias de folia que antecedem a quaresma. Por volta de quarenta dias para a páscoa, data em que comemoramos a ressurreição de Cristo, vejo as campanhas de carnaval, e uma delas, que em outros carnavais passou sem maiores questionamentos pelo meu olhar distraído, agora não me deixa quieto. Nela diz para doarmos sangue em virtude do período festivo que se aproxima, assim haverá estoque suficiente de bolsas para as necessidades certas e conhecidas dos hemonúcleos durante o período. Irônico e trágico!

As coisas não andam muito sensatas e de vez em quando me encontro questionando situações comuns como essa. Carnaval é definido pelo dicionário como temporada de folia, mas pelo que vejo deve ser definido como “ocasião de folia e de necessidades extras de sangue”.

O carnaval como festa popular segue o espírito da coletividade com suas atribuições positivas e negativas. E como uma sociedade que mostra sua face de falta de educação (também no trânsito), altos índices de criminalidade e estímulo à apreciação de músicas “pornográficas” (até mesmo por parte do governo quando financia apresentações das “pornobandas”) pode não vivenciar isso? Ingenuidade não ter percebido antes.

É certo que os adjetivos expostos soam caricatos, e que sejam. Acredito também na face da sociedade e do carnaval onde a vontade e o trabalho caminham no sentido da construção de um bem-estar psicossocial.

Como doador, estudante de medicina e, portanto, agente da promoção da saúde, espero o dia em que campanhas de guerra(como podem ser as de doação de sangue) não precisem ser utilizadas em nosso carnaval.

Ainda ingênuo? Talvez…

Daniel Coriolano

danielfmj@yahoo.com.br